Cortina de Plantas Dividindo Sala e Cozinha

Hoje venho, com esse post curtinho, mostrar pra vocês a cortina verde que coloquei na bancada americana, feita com trepadeiras e samambaias, e que deu uma vida nova pro ambiente da sala e cozinha.

Trazer plantas naturais para dentro de casa é algo que tenho feito aos poucos e cada vez mais; quem acompanha o blog deve se lembrar que já falei sobre isso anteriormente. Antes predominantemente presentes em varandas e áreas externas, as plantas naturais têm obtido cada vez mais espaço na decoração de interiores também; essa é uma tendência que venho demonstrando no Instagram do blog há algum tempo já:

iluminação é tudo! nesse caso, as arandelas fazem toda a diferença e destacam a textura diferenciada da parede.

A photo posted by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

foi-se o tempo em que as plantas ficavam só em vasinhos discretos na decoração interna!

A photo posted by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

plantas dentro de casa

De diferentes formas, as plantas podem ser usadas na decoração com diferentes propósitos: elas alegram, dão cor e vida ao ambiente; podem deixar o ambiente mais elegante ou mais descontraído, dependendo da forma como são usadas; renovam o ar de um ambiente pesado… enfim, são muitas as vantagens. Só há de ter o cuidado de escolher plantas que se adaptarão bem em ambientes internos, com atenção especial para a exposição ao sol que a planta terá (ou não). Uma pesquisa na internet ou melhor, falar direito com um floricultor resolve isso facilmente.

As plantas que usei na minha cortina verde são plantas que não necessitam exposição da luz direta ao sol – a jiboia verde e a samambaia. Minha ideia era colocá-las lado a lado na prateleira em cima da bancada americana, de forma que elas formassem uma espécie de cortina verde entre a sala e a cozinha.

Vamos ver o resultado?

cortina-de-plantas

Elas dão um ar completamente diferente para a sala, e ainda formam uma divisória muito interessante entre sala e cozinha. É uma delícia sentar ali na bancada e simplesmente conversar com alguém na cozinha e estar, dentro de casa, rodeado de verde.

plantas-decoracao-interna

É tão simples e tão significativo, sabe? Por isso fiz questão de não apenas compartilhar a ideia no Instagram, como também fazer um mini-post sobre isso aqui no blog também.🙂 Espero que tenham gostado!

 

*Aaah, muito em breve eu continuarei com a segunda parte da Reforma do Banheiro aqui no blog! Fiquem ligados😉

 

Um abraço,

Thiago.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

 

Reforma do Banheiro, parte 1: Bancada de Mármore com Cuba Esculpida

Quando se está mudando para um apartamento novo e zerado, é fundamental estabelecer prioridades. O que você faz questão de que faça parte da sua decoração? O que faria mais falta, de acordo com suas necessidades particulares? O que você estaria disposto a pagar um pouco mais para ter do jeito que sempre quis? E, claro, o que você acha que dá pra deixar para um momento futuro?

Pois bem, já respondi aqui no blog muitas dessas perguntas ao longo dos anos. Leitores antigos do blog devem se lembrar que o piso laminado foi uma das coisas que bati o pé e fiz questão de que fosse do jeito que queria – mesmo sendo o revestimento específico que escolhi bem mais caro do que planejava – pois achava (e continuo achando!) que seu efeito estético era fantástico (e ainda é prático de manter). Essa era uma prioridade. Minha. Outras prioridades tinham a ver com necessidades específicas, como a de ter uma estante planejada grande onde pudesse armazenar não só as centenas de livros e filmes que já tinha, como também onde sobrasse lugar para os próximos.

Bem, no banheiro, minha prioridade inicial era trocar o revestimento do piso e o do box, já que os da construtora eram bem sofridos. Era o que o orçamento permitia. Agora, eu pude fazer algo que sempre tive vontade de fazer, mas não era uma prioridade: trocar a pia de granito e a cuba.

Bem, primeiro, vamos ver como era a pia, antes:

banheiro

Era em granito padrão, com a cuba em louça branca acoplada por baixo. Ou seja, era perfeitamente aceitável. Naquele espaço, fora as reformas que mencionei, eu ainda tinha outras coisas pra fazer: o armário embaixo da pia e o armário superior, extremamente útil.

O que eu queria agora era algo em mármore, que pesasse menos no ambiente, que fosse mais liso, mais brilhoso e menos permeável, assim manchando menos. Algo que lembrasse um porcelanato. Eu queria uma cuba esculpida na própria pedrasem a necessidade de comprar posteriormente uma cuba em louça.

E aí comecei a ir atrás de ideias, fazendo diversos orçamentos em marmorarias, e, agora…. já posso lhes mostrar o resultado final!

Vou mostrando as fotos e fazendo alguns comentários. Vamos lá:

bancada-marmore-cuba-esculpida-01

Que diferença, não?!? O material escolhido para revestir a bancada foi o mármore bege prime, que é numa cor entre o bege e o creme e tem algumas ranhuras brancas. Ele é bem brilhoso e, por ser mármore, é menos permeável que o granito anterior. Achei a cor muito bonita e neutra, deixando o ambiente (que é bem pequeno) mais leve.

Uma coisa que vocês podem perceber pela foto acima é que a cuba tem uma tampa removível; assim, a água escoa para os lados e não para o centro, como geralmente acontece. Dá um charme legal!

Mas isso não impede que você remova a tampa e use de forma tradicional…

bancada-marmore-01

…seja apenas para limpar, ou para deixar com uma cara diferente de vez em quando rs. Dessa forma acima, é bem mais prático, por questões de limpeza; da primeira forma, com a tampa, fica mais bonito, mais diferenciado, mas requer uma limpeza maior. (Traduzindo: Eu ponho a tampa quando for aparecer visita! hahaha)

Lavatório Mármore Bege Prime

Não é linda?

Reparem também, abaixo, a saia da frente da bancada, que tem 5 cm de altura, e dá um acabamento final muito bonito.

cuba-esculpida-pedra-01

 

Gostaram? É tão legal ver projetos que ficaram por tanto tempo só na cabeça finalmente ganharem forma. E é sempre legal ver nossa casinha com algo diferente, não é? Eu adoro!

Nos falamos em breve, porque essa reforma do banheiro apenas começou!😀

Abraços,

Thiago S.

 

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Reforma do Sofá: Em busca do estofado perfeito

Há quase 5 anos, eu comprava meu sonhado sofá retrátil com chaise dupla. Ainda hoje ele está em forma, continua sendo super confortável, mas o estofado de fato já sofreu com os inevitáveis efeitos do tempo (e das muitas festas, reuniõezinhas, afinal, acidentes acontecem).

Assim que eu comprei o sofá, mandei impermeabilizá-lo. Fundamental. E, duas outras vezes nesse meio tempo, mandei lavá-lo à seco, o que deu uma melhorada na estética. Mas, ainda assim, eu sabia que já estava na hora de trocar o estofado, e vou explicar o porquê.

Em primeiro lugar, nem cogitei trocar de sofá, pois o que tenho atualmente atende muito bem as necessidades da sala – em termos de espaço (ele tem exatamente a medida da parede onde fica, parece que foi feito sob medida – só parece!) e funcionalidade. Só precisávamos mesmo tratar a questão estética.

O sofá era revestido em suede, esse material aqui:

sofa-suede

Sofá em suede

Eu gostei bastante do suede, na verdade – ele não é tão difícil de limpar, e a sensação ao toque é muito boa, é super macio. Porém, com o tempo, mesmo sendo impermeabilizado e com o cuidado de tentar limpar quaisquer ‘acidentes’ imediatamente, o suede foi apresentando várias manchas, como essas abaixo.

mancha-sofa

 

Então, eu resolvi tentar, dessa vez, outro material. Não cogitei estofados naturais como o algodão ou linho, pois ainda que eles sejam ótimos ao toque e muito bonitos (ver fotos abaixo), em compensação, são fáceis de sujar e difíceis de limpar.

sofá-algodão

Sofá em algodão natural

 

sofá linho

Sofá em linho natural

 

Uma coisa que eu aprendi a prezar, na prática, é que a gente precisa ter um foco sempre no dia-a-dia para evitar dor de cabeça. Não basta ser só bonito na vitrine. Tem que ser prático e funcional. E afinal, a gente consegue achar muita coisa que alia a estética à funcionalidade, então, por que não?

Bem, eliminados os tecidos naturais, o que me restaram foram os sintéticos, novamente, como o suede. Pesquisei sobre o assunto e tomei algumas decisões:

  • não poderia de forma alguma usar algo como couro (fosse natural ou ecológico/sintético), já que moro em um lugar onde o verão é muito quente e tornaria-se extremamente desconfortável. Se eu revestisse meu sofá com esse material, ele ficaria mais ou menos assim:
sofa-couro

Sofá em couro natural

Até acho esteticamente interessante, mas a questão do dia-a-dia precisa ser considerada e priorizada, como disse.

  • o chenille foi eliminado principalmente pois sua manutenção é também complicada, tanto quanto ou ainda mais que o suede, uma vez que tem muitos vincos que podem acabar acumulando resíduos e/ou poeira;
sofa-chenille

Sofá em chenille

Foi então que me deparei, num dos catálogos do estofador, com esse tecido que achei super interessante: o linho sintético, em poliéster.

linho-sintetico

Procurei saber mais sobre esse tecido e li uma reportagem em que as decoradoras Adriana Agostinho e Claudia Schneider indicam “os tecidos que sejam mais duráveis e que mantenham o sofá mais alinhado, como o linho sintético. (…) Uma vez impermeabilizados, os linhos sintéticos podem ser limpos com bastante facilidade, apenas com um pano úmido”.

Era exatamente o que eu estava procurando. Decidido o tecido, só me perguntei em relação à cor. As possibilidades finalistas eram: cinza, marrom claro e marrom escuro.

linho-sintetico-poliester-sofa

O cinza seria algo bem diferente na sala, entretanto, dos três modelos, foi o que me pareceu menos atraente esteticamente no catálogo, nesse material. O bege claro eu achei bem bonito, mas eu achei que seria bem mais difícil disfarçar quaisquer marcas eventuais com um tecido tão claro. O marrom, que era meu preferido, tinha como “contra” o fato de que era o mais parecido com a cor do meu sofá antigo:

linho-sintetico-e-suede

O tecido em linho sintético sobre o sofá antigo, em suede – cor parecida, mas textura completamente diferente

Ao mesmo tempo, era de fato o que mais combinava com toda a nova paleta de cor da sala do apartamento. E, como vocês podem ver pela foto, o tecido é bem diferente do suede em relação à textura.

Quando vi o sofá finalizado, fiquei super satisfeito com o resultado!

Primeiro, vamos ver o sofá sozinho:

sofa-linho-sintetico

Notem que o estofado novo ficou super bem alinhado com a estrutura do sofá, dando um acabamento elegante! E agora, o sofá já com a decoração da sala…

sala-decorada-sofa-linho

Realmente parece outro sofá! Para conservá-lo melhor, ainda adotei mantas (que, usadas nos braços, evitam quaisquer marcas) que não só protegem o sofá como também podem compor a decoração…

manta-sofa-algodao

Manta em 100% algodão.

E outro recurso fundamental é a impermeabilização! Mostrei o processo sendo feito no Instagram do blog:

Serviço fundamental sendo realizado aqui! Parece mágica, mas é só impermeabilização mesmo! 😂 Em breve tem mais novidade no blog…

A video posted by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

Dica: a impermeabilização deve ser feita assim que o estofado for trocado, ou assim que o sofá novo for comprado. Sofás antigos precisam ser lavados antes da impermeabilização ser feita, de outra forma, você estará literalmente ‘grudando’ a sujeira no sofá! Ninguém quer isso, né?

Bem, amigos, é isso! Agora que já reformei a varanda e o sofá, meu olhar se volta para um outro ambiente que quero reformar antes de sossegar de novo durante um tempo! rsrs Ou seja, em breve tem mais novidades por aqui! Enquanto isso, não esqueçam de seguir o @asagadoapartamento no Instagram!

Abraços,

Thiago S.

 

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Sofá Retrátil com Chaise

Reforma da Varanda, parte 2: Criando um pedaço de Nova Orleans

Sabe quando você conhece uma cidade, se apaixona completamente por ela, e volta pra casa com aquele sentimento de querer trazer ela contigo na bagagem? Então…

No início do ano, escrevi um post falando um pouco sobre a arquitetura e o estilo de decoração de um lugar super especial pra mim: Nova Orleans,  no Sul dos EUA. Em janeiro, visitei a cidade fisicamente pela segunda vez (digo fisicamente pois já tinha a visitado inúmeras outras vezes através do cinema e da literatura, e sabia que iria me apaixonar quando fosse lá) e voltei absolutamente inspirado e cheio das ideias. Durante o primeiro semestre, essas ideias foram maturando, e chegou a hora de colocá-las em prática.

Decidi remodelar minha varanda completamente ao estilo de Nova Orleans, criando naquele espacinho algo que traduzisse um pouco das coisas que tanto amo na cidade. Na verdade, esse processo já começou com o post anterior, onde falei sobre o porcelanato em estilo de madeira de demolição que passou a revestir as paredes da varanda.

ceusa-extint-vecchio

O Extint Vecchio é um porcelanato em estilo bastante rústico, até mesmo ao toque. E como Nova Orleans tem tremendo apreço por sua história, muitos lugares tem marcas claras da ação do tempo. Só que ao invés de cobrí-las, muitos cantos de Nova Orleans exibem essas marcas com orgulho.

il_340x270.953627942_4v7g

A flor de lis – em madeira de demolição – é o símbolo da cidade.

Isso acontece não só em espaços residenciais como também em espaços públicos, em restaurantes ou galerias de arte; seja na mobília interna, ou nos jardins do lado de fora.

Sem título

O restaurante Compère Lapin, e seu estilo rústico contemporâneo com paredes de tijolinhos aparentes.

Daí a escolha pela rusticidade do novo revestimento da varanda, que me deixou extremamente feliz! O resultado foi além do esperado e realmente foi a base para a repaginada da varanda.

A própria configuração do jardim vertical, que já tinha modificado, também é um reflexo disso:

New-Orleans-1-marshall-0309-xlg

Os jardins de Nova Orleans são espaços onde a natureza se expressa, não necessariamente ordenadamente. Não há a necessidade de uma simetria precisa– oposto polar de jardins japoneses, por exemplo.

Step right into spring the New Orleans way. Photo: @firewolf.e #followyournola

A photo posted by Visit New Orleans (@visitneworleans) on

Essa estética encantadora influenciou muito a forma como vi meu próprio jardim aqui em casa.

Se antes o jardim vertical antes tinha um aspecto bem mais ‘polido‘, ordenado, e as plantinhas ficavam quietinhas em seus cachepôs, desse jeito…

decoracao sacada pequena

agora, elas são bem mais livres, avançam pela floreira, e são também menos efêmeras – algumas dessas plantas já estão comigo há mais de um ano. Duráveis, as trepadeiras já tem ramos com mais de 1 metro de altura! Plantas com florada abundante costumam ser bem menos resistentes, como expliquei anteriormente num post dedicado às plantas que já passaram pelo jardim.

matando a saudade do meu verde! 💚

A photo posted by Thiago S. (@thisardenberg) on

E falando em plantas, resolvi ampliar o jardim, fazendo da varanda inteira um espaço mais verde. Afinal, já deu pra perceber que as sacadas de New Orleans são pura extravagância, né?

Sacada-em-Nova-Orleans

Então, trouxe para o outro canto da varanda, oposto à floreira, uma jardineira suspensa (inspirado em algo como na foto acima, presas às grades) e com o mesmo estilo de linhas ornadas tão presentes nas grades de varandas e portões da cidade:

patio-new-orleans

E o resultado? Algo bem sutil, mas que ecoa claramente tais linhas:

suporte floreira ferro

suporte jardineira

Essa jardineira, com seu suporte em ferro, “fecha” a varanda, de ambos os lados, de verde! A própria escolha da planta também remete às palmeiras que são onipresentes nas ruas da cidade.

O ferro fundido, como vocês podem ter percebido pelas fotos anteriores, é onipresente na arquitetura da cidade:

mistérios da meia noite 👻

A photo posted by Thiago S. (@thisardenberg) on

Então, já pensando numa possível reformulação desse espaço, trouxe de lá mesmo uma flor-de-lis em ferro fundido; ela, claro, como disse no início do post, é o grande símbolo da cidade, e não poderia faltar aqui!

porcelanato ceusa legno extint

Dá um charme todo especial ao espaço da floreira!

Outro detalhe em ferro fundido que incluí no meu espaço – e que é muito presente na decoração de jardins e pátios em Nova Orleans – é a figura de um anjo.

varandas nova orleans

Quantos anjos você consegue contar nessa única varanda? rs

Fui atrás de figuras de anjos em ferro fundido e encontrei a Quinta Dell’Arte, loja carioca especializada em estátuas, esculturas e imagens trabalhadas com ferro fundido e mármore. E assim encontrei meu anjo para ficar centralizado em cima da mesa da varanda:

anjo mesa ferro fundido

Lindíssima a figura, né?! Pedi para que ela fosse pintada nesse tom de ouro velho. Trouxe muito do clima da cidade consigo!

E outros dois outros detalhes que fazem a diferença:

NEW ORLEANS SIGN LAMP POST

Poste colonial e placas de ruas e bairros da cidade

Em todas as ruas do French Quarter, podemos ver postes de luz como esse da foto acima, que dão um ar bem colonial ao bairro. As casas da cidade também fazem uso dessas arandelas nas varandas, e algumas são inclusive iluminadas à gás.

Decidi trocar o plafon que tinha antes na varanda por uma arandela colonial pendente…

arandela-colonial-pendente

… idêntica ao design clássico dos postes de luz das ruas de Nova Orleans! E notaram a plaquinha ali atrás, em cima da floreira? Exatamente como as placas das ruas do French Quarter, é um anúncio de que aquele espacinho ali foi todo pensado como uma homenagem à cidade!

Ah, e a lâmpada escolhida também é um charme à parte. Ela tem filamento de carbono, decorativa por si própria, que dá um clima bem intimista e completamente diferente de uma lâmpada de LED ou fluorescente.

lampada-filamento-carbono

Me lembra um pouco a luz de lampiões, o que faz absoluto sentido dentro da proposta da varanda!

Bem, pessoal, é isso: se antes eu já gostava da minha varandinha, agora eu não consigo passar nem um dia sem dar um pulo nela e aproveitar o espaço um pouquinho. Abro a porta e sou teletransportado para esse mundinho em si – completamente distinto da decoração do resto do apartamento – e que ecoa tão claramente um outro lugar pelo qual eu tenho um tremendo carinho. Mais uma prova de que com inspiração, vontade e criatividade a gente pode transformar quaisquer 3 metros quadrados. Tamanho nunca é desculpa!

Por enquanto é só; mas sabe o que dizem, né? Quando começamos a reformar, é difícil parar. E é exatamente o que está acontecendo, a reforma da varanda acabou mas eu já estou com outras em andamento!!! Em breve tem mais novidade por aqui…🙂

Enquanto isso, não se esqueçam de seguir o blog no Instagram, estou sempre postando novidades e ambientes inspiradores por lá.

Abraços!

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Reforma da Varanda, parte 1: Porcelanato Madeira de Demolição

Olá, queridos e queridas! No post passado, eu compartilhei aqui uma seleção de vários ambientes decorados com o meu acabamento favorito do momento: o porcelanato em estilo de madeira de demolição. Aqui no apartamento, eu decidi usá-lo em um lugar que, há muito tempo, eu penso em reformular: a varanda.

Minha varandinha é meu xodó, é o lugar onde fica meu jardim vertical, onde gosto de tomar um café com calma no fim da tarde, onde consigo apreciar um nascer do sol incrível. É bem pequena, tem pouco mais de 3m2, mas, como já vimos inúmeras vezes aqui no blog, isso não é desculpa para nada!

café no jardim numa manhã cinzenta

A photo posted by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

Pois bem, já que o lugarzinho é tão querido, eu queria deixá-lo com ainda mais personalidade. E, para isso, eu decidi trocar o revestimento das paredes internas da varanda. Eu já tinha até dado uma solução provisória para isso, colocando adesivos que imitam azulejo hidráulico (foto acima) na parede da floreira, mas eu sabia que, quando houvesse a oportunidade, eu iria trocar o revestimento em definitivo.

Após muitas pesquisas e visitas em lojas de decoração e revestimento, me decidi pelo porcelanato em madeira de demolição pois ele une praticidade e beleza – é extremamente fácil limpar e manter, e ainda é muito bonito – e está de acordo com a identidade que eu pretendo dar à varanda (mais sobre isso em breve…).  Se você está interessado em outros ambientes decorados com este tipo de porcelanato, dê uma olhada no post anterior onde compartilhei algumas das opções interessantes que considerei em minhas pesquisas.

Sem mais delongas, vamos ver então um antes e depois da varanda?! Que saudade desses antes e depois hahaha!

Antes, com o revestimento original da varanda, em monocapa.

revestimento monocapa (2)

A monocapa dava um acabamento super áspero para a superfície (acredito que dê para observar até pela foto), e acaba acumulando sujeira, por ser extremamente porosa.

E agora o depois, com o novo revestimento em porcelanato:

porcelanato madeira rústica (2)

Te contar, fiquei…❤! Ainda hoje me surpreendo com o poder transformador de um bom revestimento. E o melhor: como a área da varanda não é tão grande, o investimento não precisa ser tão alto. O m2 mais barato que encontrei desse porcelanato específico foi por $88,90 (na Chatuba; cheguei a ver por $129,90 na C&C), mas precisei de apenas 4 caixas para revestir as paredes da varanda.

porcelanato ceusa extint vecchio

Eu também revesti o peitoril com o mesmo acabamento:

peitoril porcelanato

Antes, debraçar-se sobre ele era até incômodo porque, como disse, o revestimento original era muito áspero. Agora, o porcelanato, ainda que seja rústico, é bem mais liso e agradável ao toque.

De acordo com as especificações do fabricante, a Ceusa, esse porcelanato retificado pôde ser assentado com junta seca, isso é, as placas podem ficar encostadas uma na outra, sem a necessidade de uma junta mínima. O efeito estético disso é muito legal, pois tem bem menos rejunte (só dão um acabamento final melhor) e parece que são placas bem maiores!

porcelanato ceusa legno extint

 

Mas assegure-se de seguir as especificações do fabricante! Se for o caso de ter uma junta mínima de assentamento, respeite tais orientações!

porcelanato madeira demolição

Bem, o que acharam? Eu amei! Mas posso lhes dizer, esse é só o início da reformulação da varanda, vem mais coisa por aí (depois da varanda teremos outras reformas de outros ambientes) e eu mal posso esperar para vê-la pronta! Que comecem os jogos! E enquanto isso, não deixe de nos seguir no Instagram @asagadoapartamento.

ceusa extint vecchio

Um abraço e até breve!

Thiago S.

 

Se você gostou desse post, também gostará de:

 

Porcelanato estilo Madeira de Demolição

Nosso lar, por ser um claro reflexo de quem o habita (e que transforma um simples espaço físico em um “lar”), está sempre em evolução, já que nós mudamos com o tempo. Então uma vontade de mudança é cíclica, vai e vem, em ondas.
                                                                                                                                                  .
Ano passado, fiz algumas reformas que trouxeram uma dinâmica completamente diferente para o apartamento: reformei completamente a sala, trazendo mais cor através da pintura das paredes, da nova tela como ponto focal na sala, das molduras usadas de diversas formas; coloquei também rodatetos e troquei a bancada americana, com um viés mais funcional. Foram reformas que não tiveram um impacto financeiro enorme, mas com certeza injetaram vida e personalidade nos ambientes; assim como fizeram melhor uso do espaço. Mais que dinheiro, o que importa é sempre uma ideia na cabeça.
                                                                                                                                                .
Esse ano, as ideias são outras. Estou repensando outros ambientes, e tenho pesquisado muitos acabamentos para ver o que tem de novidade no mercado (sempre tem alguma coisa!), as novas tendências, e, claro, filtrando tudo isso pelo meu gosto pessoal e as próprias ideias que tenho para os ambientes.
                                                                                                                                                .
No post de hoje, irei compartilhar algumas das ideias que tive em relação a um dos ambientes que serão reformados, pois já decidi sobre um dos tipos de acabamento: o porcelanato que imita madeira de demolição.
Decortiles Ecovilla Pastilhart
A madeira de demolição original tem um viés sustentável, no que reaproveita a madeira usada na demolição de casas e obras grandes, dando um novo e diferenciado uso às peças. Atualmente, a madeira de demolição tem sido usada como contraste entre o antigo e o moderno em diversos projetos arquitetônicos, resultando em belíssimos trabalhos, com elegância e responsabilidade ecológica.
Porcelanato Ceusa Oliva
A madeira de demolição conserva traços de sua exposição ao tempo, à chuva, ao Sol; ela as exibe com orgulho!
Painted HD Portinari

Mas, claro, nesse post, estamos lidando com porcelanatos que imitam a madeira de demolição – todas as fotos desse post são exemplos – e não ela própria. Uma vez que a madeira de demolição tornou-se objeto de desejo, as fabricantes de porcelanatos passaram a fabricar peças com resultados extremamente parecidos – até ao toque – à madeira de demolição natural.

As vantagens são óbvias: você pode usar o porcelanato em madeira de demolição em ambientes que, tradicionalmente, não são recomendadas as madeiras naturais ou laminados, como a cozinha, o banheiro ou áreas externas; mas, preservando a estética e o estilo conferidas pelas mesmas.

ceramica-provenceacabamentos

Dependendo do quanto você estiver disposto a investir, as opções são muitas, e os preços podem variar bastante. Eu tenho feito muitas pesquisas e já vi preços que vão de R$24,90 o metro quadrado…

PISO-MADEIRA-DEMOLICAO-INCEFRA

… como esse acima da Incefra, em placas de 50×50…

… até preços que passam facilmente da casa dos R$100 o m2 (podendo chegar a quase R$200), como é o caso desse modelo abaixo da Itagres, em placas de 17×103 cm, onde cada peça da caixa tem características próprias, dando um ar bastante natural ao resultado final.

porcelanato_borda_reta_rustique_rouge_17x103cm_itagres_89044816_00010_600x600 rustique rouge 

Os modelos desse post (fora o da Incefra) são deste último tipo, com placas no formato de piso laminado, e realmente não há comparação em relação à estética final. Isso se reflete no preço, claro: nesse tipo de acabamento retangular, o mínimo de preço que encontrei foi R$75 o metro quadrado.


ade95f44c02ed12589fd253de9a7dde8

Mas o investimento vale a pena…. O resultado final é simplesmente incrível, não é? Olha esse box do banheiro com o porcelanato em madeira de demolição (e cimento queimado). Nunca que usaríamos uma madeira dessa num ambiente diretamente exposto à água; porém, o porcelanato permite isso.

porcelanato rustico

Bem, posso adiantar que esses foram alguns dos “finalistas” para um dos ambientes que vou reformar, mas não escolhi nenhum desses, no final! Em breve mostro pra vocês como ficou o resultado, a obra está para começar! Até lá, não se esqueçam de seguir nossa conta no Instagram: @asagadoapartamento, estou sempre postando ambientes inspiradores e novidades por lá!

Abraços,

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Dando Vida ao Jardim Vertical: Plantas Naturais na Decoração

Minha varanda, com seus impressionantes 3m2, acabou tornou-se um xodó aqui em casa após a entrada do Jardim Vertical. É realmente incrível como as plantas podem mudar completamente a dinâmica de um ambiente, por menor que seja. Desde então, eu aprendi na prática um pouco sobre diversos tipos de plantas no que convivia com elas e observava suas necessidades.

Esse post é, ao mesmo tempo, uma resposta a vários leitores que pediam justamente dicas sobre que plantas eu recomendava, assim como também é uma sequência do post anterior, onde eu focava em plantas permanentes, ou semi-artificiais, na decoração de interiores.

No post presente me proponho a falar sobre minha experiência pessoal com diferentes plantas naturais na floreira da varanda, dadas as condições de clima um pouco “adversas” da mesma, que eu vou mostrar já já. E tem plantas naturais na decoração do interior, também!

Vamos lá?

Vamos começar de cara começar com um “antes” e “agora” do jardim vertical da varanda, pois vai mostrar claramente como o mesmo evoluiu nesses 3 anos (e como eu fui entendendo melhor o que eu queria daquele espacinho).

Então eis aqui o antes, foto que eu publiquei no blog originalmente em 2013 (e desde então virou queridinha no Pin Interest❤ )

varanda pequena decorada

Nessa época, eu ainda não tinha ar condicionado na sala; assim, a condensadora ainda não estava presente ali embaixo da floreira, onde estava a mesa. Quando eu coloquei o split na sala, a mesa e cadeiras tiveram que ir para a outra ponta da varanda, e, em cima da condensadora, foram colocados alguns potes de plantas, como forma de disfarçar a presença do trambolho ali e, de certa forma, ampliar o jardim.

Bem, como vocês podem ver na foto acima, eu tinha decorado a floreira com vasos de plantas floridas, o que dava de fato um colorido muito bonito, mas era uma beleza efêmera: a maioria das plantinhas com flores durava 1 semana, 2 no máximo. Vou falar sobre essas também, mais adiante.

Mas antes, vamos olhar para o agora:

jardim vertical verde

jardim vertical varanda

Beeeem diferente, não?! Em primeiro lugar, vocês podem ver que o verde é predominante na floreira; e as plantas não mais ficam mais restritas dentro de seus cachepôs. É uma estética mais próxima a que descrevo nesse post aqui, quando falei sobre a arquitetura e decoração de Nova Orleans, para onde viajei no início desse ano. E é intencional.

Ora, eu tinha em mãos um jardim vertical – e foi justamente disso que decidi tirar vantagem! Essa nova configuração aproveita ao máximo a verticalização do jardim, de forma que as plantas crescem para cima ou para baixo e cobrem, assim, grande parte da floreira. A escolha das plantas foi fundamental nesse caso, com esse propósito. Os ramos das heras, como vocês podem observar na parte direita da foto acima, chegam a mais de 1 metro de altura!

Eu mencionei antes as “condições adversas” da varanda, certo? Pois bem, o mesmo não tem a ver com o sol, na verdade; minha varanda pega apenas o sol da manhã, o que é ótimo, e antes do meio dia as plantas já estão na sombra. O que complica mesmo, no meu caso, é o fato de que a condensadora do ar condicionado fica embaixo da floreira. Então, quando o ar condicionado está ligado na sala, durante o verão, a varanda fica bem quente, naturalmente. O verão do Rio já tem temperaturas elevadas, e, se adicionarmos a condensadora do ar jogando ar quente na varanda… já viu. Muitas plantas não suportam temperaturas tão altas, e as floridas são as primeiras a sentir tal efeito. (Em compensação: a condensadora na varanda é fantástica pra secar roupas, é tipo 2 em 1 – ar condicionado e secadora! ;)

Algumas das plantas que mais deram certo pra mim – pelo fato de que resistiram bem à essas condições específicas e também me agradaram muito por sua beleza, foram:

  • aspargo rabo-de-gato;

aspargo rabo de gato

Se vocês olharem novamente a foto original da floreira, lá está o aspargo rabo-de-gato, que continua até hoje, firme e forte, anos a fio, dando o ar de sua graça aqui!

E em certas épocas do ano, o aspargo dá essas mini-florzinhas brancas, que são lindíssimas. É muito legal poder observar o ciclo completo de uma planta durante o ano! Você se relaciona com as plantas de uma maneira diferente.

Adoro esses aspargos e, se plantados no chão, eles se espalham muito facilmente.

  • heras-inglesas (ou heras-estrelas);

mini heras

Virei fã das heras; algumas estão comigo há mais de um ano, e elas cresceram bastante; como disse antes, alguns ramos já tem mais de 1 metro!

jardim vertical

 

  • pata de elefante;

pata de elefante decoração

Outra planta bastante resistente, a pata de elefante não precisa de rega diária e pode chegar a tamanhos enormes. Como essa está dentro de um pequeno vaso, ela não crescerá muito, mas tem uma forma muito específica e bela.

A minha, já está comigo há mais de 1 ano.

  • ficus benjamina;

Apaixonei-me pela ficus benjamina através de uma árvore semi-artificial (não sabe o que é uma árvore “semi-artificial”? leia aqui), que está decorando minha sala:

DCIM154GOPRO

Então quando achei uma ficus natural no horto perto de casa, não hesitei em trazer a arvorezinha pra minha varanda também. Fora a floração intensa, outra coisa que gosto muito sobre ela é seu tronco e seus galhos, muito bonitos!

Inclusive reutilizei alguns dos seus galhos secos num arranjo no centro de mesa:

Ah, e quanto à árvore semi-artificial, ela continua na sala. Acredito que plantas permanentes desempenhem um papel importante em certos lugares onde as condições não são favoráveis à plantas naturais. Há espaço e oportunidades para que plantas naturais e permanentes convivam num mesmo lar, dependendo das necessidades de cada ambiente.

  • jibóia;

Acho muito legal, também, tentar incorporar plantas naturais na decoração de interiores. As plantas renovam o ar, conferem leveza e claro, trazem um colorido todo especial ao ambiente.

 

cozinha-verde

Entretanto, muitas plantas não se adaptam ao ambiente interno, o que acaba nos levando a dar preferência às plantas permanentes.

Ainda assim, uma planta natural que deu super certo dentro de casa foi a jiboia verde, uma trepadeira que coloquei em cima da prateleira do balcão da cozinha americana, a exemplo da foto anterior.

jiboia verde decoração

A jiboia se adapta bem à ambientes sem incidência direta do sol, mas gosta de luminosidade. E outra coisa boa: ela é uma das melhores plantas para melhorar a qualidade do ar!

Acredito que vá ficar linda quando crescer ainda mais, como uma cortina entre a cozinha e a sala.

 

Bem, agora vamos nos voltar às plantas floridas, mais recomendadas para temperaturas um pouco mais amenas.

  • kalanchoe

A kalanchoe é uma plantinha bastante fácil de encontrar, barata, e que tem floração bem densa; em alguns casos, as flores podem ser até de cores distintas entre si.

kalanchoe rosa

Como podem ver, não são flores grandes, são bem pequenas, mas sempre em quantidade, causando um efeito bem bonito.

Se vocês voltarem na primeira foto do post, também poderão ver uma kalanchoe vermelha na configuração original da floreira.

  • lavandas

flor lavanda

Depois que eu visitei o Le Jardin – Parque de Lavandas em Gramado, na Serra Gaúcha, eu fiquei completamente fascinado pelas lavandas; não só pela beleza das flores como também pelo seu aroma incrível.

Em comum com a kalanchoe, vocês podem perceber o fato de que suas flores não são grandes, o que promove uma durabilidade e resistência maior às mesmas.

  • Gerberas;

Quando falamos de flores maiores, tive experiências positivas com a gerbera, tive algumas muito bonitas, mas apenas quando o clima está mais ameno, durante o outono e/ou inverno, e quando eu não tenho necessidade de usar o ar condicionado.

gerbera

Ter em um apartamento um jardim como esse vale cada centímetro investido: você pode chegar do trabalho cansado, mas há algo quase mágico ali que te relaxa, que tem um efeito calmante. Tomar um café na varanda é uma das coisas do dia-a-dia que mais gosto de fazer.

E é sempre um ótimo lugar pras fotos…

…pra todos! rs

 

Abraços,

Thiago S.

 

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

 

Plantas Permanentes, Preservadas e Semi-Artificiais na Decoração

Foi-se o tempo em que as plantas decorativas eram apenas divididas entre “naturais” ou “artificiais. Agora, temos termos bem mais específicos que são usados para descrevê-las: permanentes,  preservadas, semi-artificiais, híbridas… são tantos que podem nos deixar meio confusos. No post de hoje, vamos falar justamente sobre esses tipos de plantas que estão ganhando bastante espaço na decoração de interiores, e, depois, eu mostro a linda arvorezinha semi-artificial que está decorando minha sala😉

Bem, em primeiro lugar, o termo plantas “permanentes” tem substituído o antigo “artificiais” pois esse último traz a ideia de algo que pode ser nitidamente reconhecido como  “falso”, o que, muitas vezes, não é o caso de muitas dessas plantas artificiais mais modernas, onde você se questiona até mesmo ao toque se a planta é natural ou não!

arvoresartificiais

arvore permanente

As vantagens principais das plantas permanentes são, obviamente, o fato de que elas podem ficar em ambientes internos sem necessidade de exposição ao sol, e também não necessitam ser regadas. Se você vai viajar, por exemplo, você sabe que quando voltar, ela estará do mesmo jeitinho que a deixou quando saiu! Em suma, se as condições naturais não são favoráveis, as permanentes são uma boa alternativa.

Mas as plantas permanentes ainda podem se subdividir em (a) inteiramente artificiais, (b) semi-artificiais e (c) preservadas.

As plantas inteiramente artificiais, como o nome aponta, não contém partes naturais da planta, tanto nas folhas e flores ou galhos; entretanto, a atenção dada aos detalhes muitas vezes as deixa com aspecto bem natural.

ficus tree

As folhas, muitas vezes confeccionadas em seda, dão um toque bem realístico às plantas.

Já essa abaixo, eu coloquei na floreira da varanda pois essa posição específica onde ela se encontra é a parte que pega mais sol, e, durante o verão, as plantas naturais simplesmente não estavam resistindo ali! (lembra o que disse sobre “condições naturais não favoráveis” no início do post? pois então…) Assim, para não deixar o cachepô vazio, eu recorri à essa renda portuguesa artificial…

renda portuguesa artificial

… que casou bem com o resto das plantas naturais, que são prioridade absoluta na floreira (e por sinal, se você jogar a hashtag #jardimfeat no Instagram, vai ver todas as plantas naturais que tem figurado no meu jardim vertical!😉

Quanto às plantas semi-artificiais (ou híbridas) elas levam esse nome pois alguma parte dela é natural e preservada: por exemplo, essas árvores a seguir, tem seu tronco *natural*, preservado, o que dá uma riqueza de detalhes maior na decoração.

bambu e chorao artificial

Já as plantas preservadas são resultado da transformação de folhagens naturais que são tratadas quimicamente e conservadas, substituindo assim as plantas vivas em ambientes internos de maneira permanente.

plantas preservadas preserved greens

A riqueza de detalhe é muito grande e cada folhinha foi colada ali individualmente. Por isso, as plantas preservadas são muitas vezes bem caras! Fiquei apaixonado exatamente por esse modelo acima quando estava em Nova Orleans; estava num preço incrível, com um desconto absurdo, mas simplesmente não tinha como trazer algo tão delicado de tão longe. Que dó!

E ressalto também que no caso da folhagem preservada, ela pode exigir sim um pouco mais de cuidado; não pode ficar sob luz direta do sol, e deve ser levemente umidificada se o clima for seco demais.

Quando voltei de viagem (com a planta que ficou na lembrança…) acabei me encantando por uma ficus semi-artificial com tronco natural, a única que estava sendo vendida numa loja de flores aqui perto de casa! E eis que assim ela ficou na minha sala:

E agora, no detalhe:

Se no início eu tinha minhas reservas em relação às semi-artificiais, agora fiquei bastante satisfeito com o efeito que ela deu no ambiente!

Pra finalizar – e dar um charme extra à ocasiões especiais – eu coloquei um cordão de luz no tronco da árvore, que, à noite, fica desse jeito:

20160219190928

Bem, é isso, pessoal! É sempre bom dar uma cara nova pro nosso espaço… e as plantas – naturais, permanentes, que seja – são ótimas formas de fazer isso acontecer. Ter tantas opções não deixa a seleção mais difícil – só deixa mais prazeroso😉

Confiram sempre outras pequenas novidades do apê em primeira mão no nosso Instagram, @asagadoapartamento! Se ainda não está nos seguindo, o que está esperando?

Abraços e até a próxima,

Thiago S.

 

Se você gostou desse post também vai gostar de:

 

 

Viajar é se Inspirar: Arquitetura e Decoração de Nova Orleans

Antes de mais nada, deixa eu pegar a tacinha de espumante aqui porque este é o centésimo post do blog! Pra comemorar, um post especial sobre um dos lugares mais incríveis que já tive a oportunidade de conhecer, extremamente rico em termos de arquitetura e decoração. Inspire-se! E um brinde aos próximos 100!

***

Viajar é uma das coisas que mais me enche de alegria e inspiração: a inspiração maior vem do fato de que a gente aprende a olhar para o mundo de forma diferente, olhando para ele como outras pessoas o enxergam. Isso em termos bem abrangentes, que incluem não só o estilo de vida, com também a forma como se expressam através das artes, da língua, na culinária e claro, até na arquitetura e na decoração.

Em 2010, visitei pela primeira vez um lugar que esteve desde sempre na minha imaginação: Nova Orleans, nos Estados Unidos. É o lugar onde uma das minhas escritoras favoritas cresceu e descreveu tão maravilhosamente em seus livros, que parecia que eu já havia visitado o lugar, que eu o conhecia. Surpreendentemente, “Nola” (o apelido da cidade) superou minhas já altas expectativas, e eu sabia que um dia voltaria com mais tempo e mais calma.

Olha, o mundo é cheio de lugares pra se conhecer, então a gente fica sempre com aquele sentimento de querer ir num lugar novo ao invés de voltar em um que nós já conhecemos. Mas honestamente? Poder voltar com calma, anos depois, num lugar que te marcou pra sempre e criar novas experiências é simplesmente incrível, talvez até mais interessante do que conhecer um lugar pela primeira vez.

E foi assim que resolvi voltar à New Orleans agora no início desse ano, nas férias de janeiro, 6 anos depois da minha primeira visita. E a experiência foi mil vez mais rica do que a primeira vez que fui. Olha só eu dando uns giros por algumas das paisagens incríveis da cidade:

 

Aqui no blog, quero focar num aspecto fundamental da experiência em Nova Orleans e que dialoga com todo o conteúdo do blog: sua arquitetura e decoração, extremamente inspiradores.

Bem, vamos começar com algo essencial e muito típico da arquitetura de Nola:

new orleans cast iron

As varandas e sacadas das casas do French Quarter, bairro de colonização francesa e espanhola, que dão o tom de muito da decoração da cidade, são estonteantes e tem algumas características importantes.

Em primeiro lugar, você pode notar os belíssimos trabalhos ornamentais em ferro fundido, típicos da colonização espanhola. Se olharmos bem, cada varanda possui sua própria padronagem que tem muitas vezes temas florais ou de folhas; mas, visualmente, eles são bem parecidos.

varandas nova orleans

Outra característica importante é o fato de que esses espaços externos são ricamente decorados com plantas: samambaias gigantes, heras, trepadeiras que se misturam ao ferro fundido, anjos e até fontes decorativas. É como um jardim, e algumas vezes você mal consegue ver a varanda de tantas plantas que ela possui.

sacadinha do hotel, um típico balcony de New Orleans #inspiração

A photo posted by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

Esse é o balcony do lugar onde fiquei hospedado. Tem como não se inspirar ao acordar com uma varandinha dessas?

Bem, falando de jardins e áreas verdes, as varandas apenas refletem o que acontece lá embaixo: os jardins de New Orleans (sejam em parques, em espaços públicos ou privados) são extremamente ricos e tem algo de tipicamente ‘selvagem’: não são aqueles jardins perfeitinhos onde as plantas estão sempre impecavelmente podadas. Os jardins são espaços onde a natureza se expressa, seja ordenada ou desordenadamente. Então se a trepadeira tomou completamente o espaço, assim ficará; se a hera está tão cheia que está tapando alguma vista, assim será.

longue vue gardens

Acredito que essa foto reflita um pouco dessa estética do lugar; as plantas se misturam ao muro de forma completamente natural, como se estivesse reclamando seu lugar ali; a vegetação (e a decoração) nem sempre é regular, mas é de uma beleza incrível.

Novamente aqui temos a presença dos tijolinhos e das plantas de forma bem extravagante e aleatória. Esse é um dos tradicionais pátios de New Orleans – pátios são lugares à céu aberto, geralmente no meio de um edifício, mas também podem ser na parte de trás ou em outro lugar, onde há geralmente uma fonte como ponto focal e muito verde. E as fontes? Tem musgo sim, tem lodo sim, e ai de quem for lá limpar!

fonte new orleans

O resultado é que não parece algo que foi projetadinho, e sim algo extremamente natural e orgânico. Acho que essa é a palavra que descreve a questão da natureza incorporada na arquitetura e na decoração de New Orleans: organicidade. Autenticidade.

courtyard new orleans

garden new orleans

É um tipo de desorganização que parece quase organizada; é um tipo de beleza rústica extremamente atraente.

Quanto às casas, podemos pensar nas icônicas e coloridas casas de colonização francesa do French Quarter e do Marigny:

algiers house new orleans

casa nova orleans

Alguns pontos em comum: a presença de cores fortes e a necessidade de contraste: a fachada é pintada de uma cor, e geralmente a porta numa outra cor contrastante. Às vezes a porta é de uma cor e o portal/caixonete de uma outra terceira cor.

…e um pouco do charme de casas bem menores no Marigny. Amei essa casinha ❤

A photo posted by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

Essa pequena casa no bairro do Marigny foi uma das que mais gostei: olha o tamanho dessa casinha, dessa fachada! E ainda assim, nota-se um cuidado enorme em deixá-la com uma identidade única, como nenhuma outra na rua (Se isso não é inspirador para quem mora em apartamento pequeno, eu não sei o que é!) O número da casa é feito com partes de relógio e bijuterias. O portão? Todo feito de chapinhas coloridas. Lindo demais.

Mas Nova Orleães também tem seu lado luxuoso, e ele se encontra no Garden District, bairro de colonização americana onde várias celebridades tem propriedades.

garden district house

O estilo como vocês podem perceber é completamente diferente: grandes colunas imponentes se fazem presentes nas varandas de mansões que não apresentam as cores do bairro francês; aqui, as cores que prevalecem são mesmo o branco, o bege e o cinza. Os tijolinhos, entretanto, costumam reaparecer, e o ferro fundido das sacadas do French Quarter aparece nos portões das casas.

buscando inspiração pra escrever direto da fonte. casa da Anne Rice no Garden District 😍

A photo posted by Thiago S. (@thisardenberg) on

Lembra da escritora que mencionei no início do post, uma das grandes responsáveis por minha curiosidade em conhecer a cidade já aos 11, 12 anos de idade? Pois então, ela descrevia em um de seus livros uma casa na esquina da First Street com a Chestnut, e eu, passeando pelo bairro, passei por lá, claro. A casa que ela descreve no livro é exatamente a casa que existe no local – inclusive, a casa pertence á própria autora! (que não mora mais no lugar).

Estamos falando de Anne Rice, e de clássicos como “Entrevista com o Vampiro“, que descrevem a beleza do Sul dos Estados Unidos e da Louisiana de forma exuberante.

Bem, não tem como fazer uma viagem dessas e voltar do mesmo jeito, tem? A gente sempre carrega conosco um pouco do que vemos por aí, especialmente quando se trata de um lugar tão especial como esse é para mim. Voltei com algumas ideias borbulhando em minha mente e essa é a gênese… qualquer hora dessas, quando/se eu começar a colocar o que tenho em mente em prática, eu volto aqui e me refiro à esse post.

 

ATUALIZAÇÃO- 12/09-2016-  E aqui está no que deu essa fonte de inspiração chamada Nova Orleans!!!

 

Abraços e até breve!

Thiago S.

© A saga do Apartamento. Todas as fotos e conteúdos do post são pessoais e originais e sua reprodução sem autorização não é permitida.

Portas Coloridas na Decoração

Assim como eu não sou a mesma pessoa que era 4 anos atrás (quando comecei a decorar o apartamento), tampouco é meu apartamento. É possível que a vontade de redecorar a sala tenha surgido como um reflexo disso. Hoje me sinto muito mais confortável para experimentar coisas menos fora do lugar-comum e que, inevitavelmente, fazem do meu espaço algo mais próximo da minha personalidade.

A gente se inspira através da leitura e de inúmeras imagens que podemos encontrar por aí, filtra e pensa, “ok, e agora, como eu posso fazer isso funcionar para mim?”; e hoje eu sei que a parte do “para mim” é mais importante do que qualquer outra coisa.

Uma máxima: Nossa casa, nossas regras.

Então: uma coisa que eu quis trazer para a decoração esse ano, e que não estava presente de forma significativa anteriormente, era cor. De certa forma, quando comecei a decorar o apartamento, estava decidido a manter a decoração com tons neutros e mais frios – o que sempre funciona bem e é super indicado para ambientes menores pois dá uma sensação maior de amplitude.

E outra: é bem mais fácil acertar. Tons de cinza, branco e off-white, um bege aqui ou ali. Não tem como não dar certo! É mais seguro e fica sóbrio e contemporâneo.

Mas aí passaram-se alguns anos e eu decidi que estava na hora de experimentar algo um pouco mais vivo e dinâmico: eu estava sentindo falta de cor na minha casa. Isso foi mudando aos poucos; primeiro através de alguns detalhes que resolvi incorporar na decoração, como as almofadas do sofá, da bandeja porta-copos

Tem um cachorro punk de olho no meu vinho! 🐶👀🍷 Almofada Haus for Fun e Bandeja revestida em laca vermelha.

A photo posted by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

…das banquetas na sala….

splash de cor pra animar a decoração!

A photo posted by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

…das molduras nas portas

alguns dos detalhes finais da redecoração da sala… em breve tem novidade😉

A photo posted by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

…e finalmente nas paredes; que saíram do branco e do cinza e ganharam tons mais terrosos (ainda que sóbrios, como vocês podem ver no encontro delas nesse cantinho da sala):

rodateto poliestireno k1

Na única parede branca da sala, o antigo quadro (que adivinhem, era preto-e-branco) deu lugar à outro quadro em que há uma explosão de cores:

tela com flores moderna sala

… e voilà: a dinâmica do apartamento mudou c-o-m-p-l-e-t-a-m-e-n-t-e.

Claro que precisamos notar também que houve uma preocupação em coordenar as cores que estavam sendo usadas: tons de vermelho se fazem presentes na bandeja, na almofada, na banqueta, e no quadro; todas as molduras foram escolhidas à partir das cores presentes no quadro, que vai de um azul mais intenso, passando pelo laranja e chegando… ao vermelho.

Assim, as salas de jantar e estar ganharam sua própria identidade visual.

Mas…

o mesmo não acontecia com o corredor que levava aos quartos – eles mantinham-se brancos, com as portas brancas e quadros em preto e branco – ou seja, ecoavam a decoração antiga.

Para atualizá-lo e deixá-lo um pouco mais coerente com a nova decoração, resolvi manter as paredes brancas – afinal, é bom manter um pouco de branco quando se tem espaços menores – e pintar somente as portas. Era algo que eu já tinha vontade de fazer porque portas brancas sujam muuuuuito! E ainda mais com acabamento fosco, dificulta a limpeza. Então resolvi sair do branco e trazer cor pro corredor também.

Procurei por algumas ideias sobre o uso das portas coloridas na decoração e descobri que elas podem ser usadas das maneiras mais diversas:

  • na porta de entrada, como as famosas portas da Irlanda, que quebram a monotonia da faixada e conferem forte personalidade à construção;

portas coloridas decoracao

  • em ambientes internos, acompanhando a cor da parede colorida;

porta colorida mesma cor parede

  • em ambientes internos, contrastando com a cor da parede e mantendo o caixonete/portal na mesma cor da porta;

porta colorida caixonete colorido amarelo

  • em ambientes internos, contrastando com a cor da parede e com caixonete de cor diferente da porta:

PORTAS coloridas

Dessas possibilidades, a que eu acabei escolhendo foi essa última: optei por deixar o caixonete – que havia sido recentemente repintado de branco – intacto, pelo menos no início, para observar o resultado.

Quis fazer um teste e pintar somente as portas; depois, se eu achasse que seria melhor pintar também o caixonete, eu o faria (sim, dessa vez eu mesmo coloquei a mão na massa e pintei a porta!)

Mas acabou que eu fiquei muito satisfeito com o resultado, que ficou assim:

DCIM152GOPRO

O corredor é outro!! Agora sim ele está de acordo com o resto da decoração da sala. Achei ótimo o efeito visual ao ter deixado os caixonetes brancos! Talvez a pintura do caixonete também deixaria o espaço, que é pequeno, mais pesado.

DCIM152GOPRO

Notem também que cada porta ganhou uma moldura colorida (aquelas molduras do início do post), o que deixa tudo um pouco mais divertido!

Especialmente gostei do contraste entre esse laranja e o azul profundo.

porta colorida banheiro azul coral

E no banheiro, o tapetinho já foi mudado para combinar com a porta nova!

Detalhes…

Isso para vocês verem o que uma ideia na cabeça e uma lata de tinta podem fazer! E ah, falando em tinta, a cor que usei foi a Turquesa Veneziana da Coral, com acabamento Acetinado.

Bem pessoal, por hoje é isso. Espero que tenham gostado!🙂

 

Grande abraço, até a próxima… e um excelente, iluminado fim de ano para todos!

Thiago S.

 

Se você gostou desse post também vai gostar de: