A saga do piso, parte 2: Ideias de ambientes com piso laminado

Como disse no primeiro post sobre a questão do piso, amo a Durafloor – marca de pisos laminados que, na minha opinião, tem as padronagens mais bonitas e diferenciadas do mercado.

As vantagens do laminado são muitas; fora a beleza e praticidade na limpeza e colocação do piso, há também a grande vantagem da durabilidade, quando comparado à pisos de madeira maciça ou estruturada, por exemplo. O piso laminado arranha muito menos, e não precisa (não pode!) ser envernizado.

Algumas desvantagens incluem, talvez, o preço. Há boas promoções para quem procura; já vi o m2 de uma das linhas da Durafloor por R$49,90. Mas isso depende muito da linha: A Durafloor tem atualmente 8 linhas diferentes, e os preços podem chegar à R$120 o m2. Vocês podem conferir mais detalhes das linhas e padrões no site deles.

Pesquisei muito sobre o assunto e creio que o Durafloor será de fato a escolha de piso do apartamento.

Compartilho aqui a foto que, para mim, foi a grande responsável pela minha decisão:

Fiquei fascinado com a sala. Clean, sofisticada, muito elegante. Acredito que o piso contribuiu muito para dar esse efeito. O padrão em questão é o Nogueira Antígua, da linha Durafloor Vintage. Acho lindos esses vincos na lateral das réguas, que remetem às tábuas de madeira maciça, sem falar no fato de que conferem muita amplitude ao ambiente.

Pois bem, já estava tudo decidido, só que aí qual foi minha surpresa ao saber que tal padrão saiu de linha e não é mais comercializado! Inacreditável… uma das poucas certezas pré-chaves, e agora teria que tomar nova decisão.

O bom é que já tinha em mente mais ou menos o que procurar: um padrão claro, pois amplia o ambiente cujas dimensões são reduzidas; e, de preferência, com vincos na lateral.

Com esse afunilamento, encontrei algumas possibilidades. Todas elas são da linha Studio da Durafloor, pois é uma linha com padrões vincados. Minha dúvida atual reside entre:

1. Carvalho Malta, Linha Studio, da Durafloor.

2. Carvalho Antigo, Linha Studio, Durafloor.

3. Carvalho Dover, Linha Studio, Durafloor.

Quando o vi no catálogo, ele não tinha me chamado atenção; mas quando o vi colocado, no apartamento do pessoal do blog Braga’s Home, amei. Veja a diferença:

No catálogo…..

… e colocado (as duas últimas são da Pergo Acabamentos também.)


Bem diferente, não? O que comprova que precisamos sempre ver o piso na nossa frente, de preferência num show room, antes de comprá-lo, pois as imagens da net podem enganar bastante.

Pode ser que até a compra eu mude de ideia (ou pior, que esses padrões saiam de linha nesse meio tempo…. hmpf), mas acho difícil…. Estou convencido que será um deles! E mal posso esperar para fechar negócio logo, e ver como ficará no MEU apê!!

Até breve!

Thiago

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

O apê em 3D

Se até Glee pode ter uma versão em 3D, por que não o meu apê? Chegou a hora de os apresentar, formalmente, ao espaço físico do meu apartamento.

Com o Floorplanner, qualquer um pode criar sua planta baixa (qualquer um mesmo – se eu, que não tenho experiência alguma com esse tipo de programa, consegui, você com certeza consegue!), e, a partir dali, o programa cria um ambiente 3D do espaço. É divertido. Você pode até mobiliar para ter uma noção de como ficaria a disposição nos ambientes.

Não achei extremamente fácil a princípio, mas depois a gente pega o jeito. Vale a pena dar uma olhada no vídeo de introdução, que mostra algumas das propriedades do programa.

Vamos lá:

A planta baixa que criei no site foi essa:

Confesso que ficou bem parecida com a planta baixa original. O apartamento tem, no total, 52 m2.

Agora os ambientes 3D. Mobiliei algumas coisas para dar uma melhor perspectiva.

Esta primeira seria a visão à partir de fora do prédio.

Da esquerda para a direita, temos a cozinha, a varanda, e em seguida os dois quartos.

Agora, uma visão de cima do apartamento.

Lá na parte superior dá para notar a cozinha americana, com o detalhe da bancada (que não vai ser desse jeito…); logo abaixo a sala jantar/estar; o quarto 1 de frente para o banheiro e o quarto 2.

Agora, uma visão parcial da sala…

… do quarto 1….

… e do quarto 2.

É mais ou menos isso. Recomendo o site, se estiverem dispostos a gastar uma horinha ou duas, dá para ter uma ideia do espaço e como ser aproveitado.

Então, fica a dica… e até a próxima!

P.S. O Habite-se do apartamento foi emitido. Agora a construtora diz esperar pela certidão, que deve demorar mais uma semana; para poder levar ao cartório para a averbação (processo que pode durar de 15 à 45 dias). A previsão de entrega ainda continua para outubro, e tenho fé que será realmente cumprido o ‘prazo’ dessa vez!

Contato Publicitário - Solicite o Mídia Kit

A saga do piso, parte 1: problemas com a construtora

Os convido a fazer uma pequena viagem a Julho de 2010.

E-mail #1, meu para a MDL Realty. 12/07/2010

“(…) Recebi uma carta de vocês falando sobre as opções de piso disponíveis para o apartamento (piso padrão ou só contrapiso), pedindo que a carta fosse mandada de volta com a opção escolhida. (…) Para evitar quaisquer tipos de problemas futuros, eu gostaria que vocês me enviassem por e-mail uma confirmação da opção que escolhi: ou seja, sem a colocação de pisos nas salas de jantar e estar, circulações, e quartos

E-mail #2, da construtora para mim.  20/07/10

“A solicitação já foi encaminhada a construtora, onde a mesma já fez a solicitação a obra. Porem para deixar tudo registrado e evitarmos problemas futuros, encaminhamos uma correspondência para sua residência, para poder confirmar sua solicitação referente a não colocação de piso nas áreas de circulação, quartos e salas.”

*

A Carta é recebida e preenchida; enviada de volta, e fico com o recibo do aviso de recebimento.

*

Agora vamos avançar um ano no tempo?

*

E-mail #3, meu para a MDL. 06/07/11

“Tinha sido acordado que os pisos seriam deixados dentro de caixas, no apartamento. Entretanto na vistoria hoje, verifiquei que os pisos haviam sido colocados em todas as áreas. Espero que possa ser cumprido o que tinha sido acordado originalmente, inclusive com as caixas do piso novo e não-utilizado dentro do apartamento.”

*

E-mail #???, da construtora para mim. 20/08/11

A mudança já foi providenciada. Até o final do dia informarei a data da nova vistoria.

*

E-mail #???, meu para a construtora.  31/08/11

Realizei como agendado a vistoria ontem, mas, mais uma vez, ficaram pendências.
O piso foi retirado, mas o apartamento estava todo cheio de buracos, devido a quebra. Me informei com uma loja especializada e descobri que para a instalação do piso que quero, é importante que o contrapiso esteja completamente LISO, e nivelado. Me disseram que fariam isso até a entrega.
Em segundo lugar, as caixas com o piso a que tenho direito não estavam no apartamento, mas também me garantiram que estariam lá até a entrega.
Esse é apenas um registro formal das promessas que foram feitas, afinal, já me disseram que resolveriam a situação. Espero que façam valer as promessas e que na próxima visita esteja tudo finalmente como era para estar desde a primeira vistoria em julho.

*

Se cansa só de ler….. tente vivenciar. Houve de fato uma interminável quantidade de e-mails de minha parte simplesmente cobrando uma resposta que nunca vinha. Muito cansativo.

Enfim, ontem, 13/09, fiz a terceira vistoria. Quando cheguei os pedreiros estavam no apartamento. Já as caixas de piso, não, “mas estavam subindo”. Chega de vistorias, quero as chaves! Espero que quando as receba não haja mais nenhuma surpresa desagradável. Fora isso, o apê parece estar pronto: água, luz e gás ok, pintura ok, cerâmica ok. “Ok” no sentido de aceitável apenas, porque essas construtoras trabalham com aquele material bem básico, bem genérico. Vou (ter que) trocar a maioria desses acabamentos quando me mudar.

Agora o piso, que absurdo! Eles tiveram o trabalho de colocar, pra tirar, depois nivelar, quando poderiam simplesmente… não ter colocado. Algo que já tinha sido acertado há 1 ano. Enfim…. parabéns, MDL Realty e Sinco Engenharia, pela burrice e falta de comunicação.

A continuação desse post vai ser sobre o processo de decidir qual será de fato o piso definitivo. Ainda não tenho certeza, mas…. bem, eu AMO Durafloor!!! 🙂

 

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Primeiro Projeto da Cozinha

Para “inaugurar” de fato o blog, escolho uma das partes da casa que mais tem chamado atenção atualmente: a cozinha. Com a grande popularidade da cozinha americana (que tem se mostrado constantemente presente nos novos empreendimentos), o espaço ganhou bastante status e pede cuidadoso planejamento, especialmente se é pequeno compacto como o meu será.

O projeto da cozinha foi encomendado com a loja New Móveis. O preço foi razoável para este tipo de projeto, o que me motivou a fechar o pedido, com um bom desconto de pagamento à vista. Recomendar de fato, só posso depois que tudo estiver pronto e instalado, afinal, é o que interessa [nota posterior: não recomendo! ler os posts da série A NOVELA DOS MÓVEIS PLANEJADOS!]; mas, por enquanto, vamos ao projeto.

Como dá para perceber, o espaço é limitado e tentamos aproveitar o máximo possível. A cor das portas é um madeirado bem claro (cor Lincoln), com as caixas brancas, de forma que qualquer pastilha de vidro combine futuramente. Por sinal, a pastilha inox que está ilustrada aí é só para referência; ainda não temos nenhuma decisão sobre o tópico [nota posterior: acabei decidindo mesmo pela pastilha inox!].

O armário que fica em cima do tanque terá que ir para a outra parede, pois o projeto não previu que o aquecedor estivesse ali.

A outra parede, que dá para a sala, terá a bancada com uma prateleira.

Entrarão provavelmente duas banquetas ali, e na prateleira ficarão ou bebidas ou alguns itens de decoração.

Agora é esperar para ver o projeto tornando-se realidade…

Abraços,

Thiago

Se você gostou do projeto, vai se interessar em saber da minha *PÉSSIMA* experiência com a New Móveis:

E meu projeto DEFINITIVO da cozinha, com a Bon Bini (Italínea):

A saga do apartamento

Eu preciso escrever esse blog. Nunca escrevi um antes. Mas agora, eu sinto que preciso falar sobre os muitos capítulos dessa longa saga que teve início lá em outubro de 2009. Falar pra quem está passando pela mesma situação, falar pra quem está considerando se vale a pena passar por esta situação… Só nós sabemos como é dura essa jornada!

Há quase dois anos, comprei meu apartamento na planta, meu primeiro imóvel. Nada existia no lugar: apenas um grande buraco. A previsão da construtora, a MDL (#MDLnuncamais), era de que o empreendimento fosse entregue em dezembro de 2010. Pois bem, o ano seguinte chegou e se foi, entrou 2011, passaram-se aqueles famosos “180 dias” que a construtora teoricamente “teria” para poder realizar a entrega (não tem! isso só pode ser alegado em casos específicos como greve de funcionários, enchente, etc.) e cá estamos, em pleno setembro de 2011, com a “promessa” de que mês que vem as chaves serão finalmente entregues. “Só depende do habite-se”. Sim, claro, a culpa nunca é da construtora, certo?

Se a entrega de fato acontecer, serão exatamente dois anos depois da assinatura daquela papelada de compromisso de compra e venda; um grande ciclo que se fecha. Quase poético? Quem viveu/está vivendo essa situação sabe que não há nada menos poético do que essa louca, descabida, insuportável espera para chegar em casa e começar a construir seu pequeno lar (E se uma poesia resultasse dessa espera, seria algo nas linhas sombrias de Edgar Allan Poe).

Nesse meio tempo, claro, muita coisa aconteceu. Houve visitas ao andamento da obra (abr/10), assinatura do financiamento (jul/10), vistoria do apartamento (várias; eventualmente chego lá). Houve promessas quebradas e prazos revistos; prestações altas durante o andamento da obra (que não abatem em nada do financiamento, só “impedem que o saldo devedor aumente”); e muita, muita falta de comunicação. Durante um bom tempo até tirei minha mente do assunto com sucesso; mas depois que acabaram os tais 180 dias, a apreensão voltou.

É assim, nesse estado de espírito – ansioso, apreensivo – que me encontro nesse post. Pode ser que mês que vem um grande capítulo finalmente tenha sua conclusão, e um outro capítulo, aquele que pretendo focar nesse blog, comece. Ou pode ser que mais uma vez esse capítulo se estenda. De qualquer forma, pretendo estar aqui para escrever, e escrever para evitar explodir….

Esse post introdutório é só para situar o contexto da compra apartamento. O que em si já é uma pequena saga. Mas a tal saga  a que me refiro no título do blog só vai começar MESMO com a entrega das chaves, com as obras e o monte de coisa que vai entrar depois. E isso vai levar tempo…. mas acredito que seja algo prazeroso, montar as peças desse quebra-cabeça (bem diferente dessa saga dark atual).

Então é isso. Já tenho conteúdo para o próximo post, pois já tenho algumas coisas para o ap. Cenas do próximo capítulo: móveis planejados. Fica para a próxima.

Até breve!

Se você gostou desse post, também vai gostar de: