Persiana Romana na Sala

Acredito em amor à primeira vista.

Estava eu folheando a revista Minha Casa ano passado, como costumo fazer todo mês, quando de repente, ao virar uma página, me deparo com a imagem de uma sala decorada com uma Persiana Romana. Até então, eu nem sabia da existência da mesma, nunca tinha visto persianas naquele estilo. Elas sobem em camadas, podendo ter os mais diversos tipos de materiais (desde aqueles que deixam a luz passar, até os que a bloqueiam completamente) e padronagens.

Mas o que me chamou mesmo a atenção foi o fato de que ela parecia uma espécie de painel decorativo; fora a sua função principal, ela desempenhava incrível função estética. Então, quando chegou a hora de finalmente escolher a persiana/cortina para a sala, eu sabia muito bem o modelo que queria… só faltava escolher o material e a padronagem específica!

Depois de ver aqueles livrinhos de amostras várias e várias vezes, chegamos à essa padronagem:

Ela é translúcida, mas, ainda que permita a entrada da luz, o faz de maneira bastante delicada. Dessa forma, não é preciso que ela esteja levantada o tempo todo quando quisermos que a luz entre, como seria no caso daquelas que levam o blackout por trás.

E pra ser bem sincero, acho que a persiana fica linda mesmo quando se há luz por fora! Vamos ver? Primeiro, o efeito de dia…

… e agora, à noite…

Estou in love! A qualquer hora do dia, a persiana em si tornou-se uma peça-chave na decoração, até quem vem aqui para executar um serviço gosta! Nem dá vontade de deixá-la levantada para ir à varanda… rs. Agora vejam como ela vai levantando em camadas…

… até chegar à última. Gostei muito do resultado! Espero que tenham gostado também 🙂

Abraços,

Thiago

Se você gostou desse post também vai gostar de:

Hora do banho! Chuveiro Deca Balance e Aquecedor Rinnai

Agora que o box blindex foi instalado no banheiro, já pude finalmente estrear meu chuveiro, cuidadosamente selecionado, e o aquecedor também. Para mim, era essencial ter um bom chuveiro: nada melhor que chegar em casa depois de um dia longo e tomar aquela boa ducha para relaxar.  Vi muitas opções e vou falar um pouco sobre a que escolhi.

Numa viagem em 2010, estive num hotel que tinha um chuveiro maravilhoso: Ele tinha jatos diferentes, que podiam ser trocados manualmente conforme a vontade da pessoa. O que mais gostei era o jato nebulizador, que transformava a água numa espécie de fumaça, ou nuvem d’água. Você mal sentia a água cair na cabeça, sentia simplesmente escorrendo pelo corpo. Muito legal.

Aí eis que, no fim do ano passado, descubro que a Deca lançou aqui no Brasil o chuveiro Deca Balance 5 jatos, que tem praticamente a mesma proposta daquele outro chuveiro pelo qual me apaixonei lá fora. Os jatos são: o nebulizador, o massageador, o ducha, e os outros dois são uma combinação deles, nebulizador com ducha e massageador com ducha.

Vou mostrar para vocês como são os jatos, prestem atenção na forma como a água cai nas fotos:

Esse primeiro é o tal jato nebulizador que falei antes. Notem como a água é dispersa de forma que “desapareça” numa nuvem. Show!

Já esse é o jato massageador. Notem que o jato de água é concentrado no centro do chuveiro, sendo esse um jato bem forte. Dá pra relaxar bastante mesmo!

Para os apreciadores de um banho mais tradicional, há o jato ducha, que distribui a água uniformemente. E os outros dois jatos, vocês podem imaginar, são apenas combinações destes 3 principais.

Como vocês podem ver nas fotos, o chuveiro tem estilo moderno, com seu cromado brilhante. Ele é articulável, você pode manualmente direcioná-lo para onde quiser, e para mudar os jatos é só rodar a parte de baixo do chuveiro (notem como a posição da alavanca está diferente nos 3 jatos). Enfim, recomendado!

Agora, quanto ao aquecedor, o eleito foi um modelo da Rinnai, o REU85BR da Linha Onnsen. Dei uma pesquisada e as avaliações dos aquecedores Rinnai me pareceram ser bastante positivas, e o preço não era tão alto quanto alguns modelos mais “estilosos” da Electrolux, por exemplo. Nesse caso, a funcionalidade vence facilmente sobre o estilo!

Ele é simples, mas dá conta do recado. Tem acendimento automático, você abre o chuveiro e o aquecedor acende. Para isso você precisa comprar 2 pilhas daquelas grandes, e colocar na parte inferior do aquecedor. Elas duram em média 6 meses.

O que não sabia muito sobre era em relação à vazão do aquecedor. Disseram-me que para um único chuveiro, um aquecedor com vazão de 7,5 litros por minuto seria o suficiente; (para dois chuveiros, seria algo de 10 litros ou mais). Mas de acordo com esse gráfico que vi no site da Deca (antes de comprar um chuveiro/ducha, sempre procure saber sobre isso!), dependendo do jato, a vazão teria que ser maior.

Acredito que o que poderia acontecer fosse que o aquecedor não desse conta da vazão de água, de forma que não a esquentasse completamente. O meu aquecedor Rinnai, em sua versão gás GLP, tem vazão de 10 litros (preferi comprar a vazão um pouco maior mesmo), e, apesar do que mostra o gráfico, o aquecedor tem esquentado a água perfeitamente. Mas sempre tenham em mente que é bom comprar um chuveiro com vazão próxima à do aquecedor. A Deca mesmo tem modelos de 6 litros/minuto até 80 litros/minuto e assim vai!

É isso por hoje. Espero que tenham gostado das sugestões. Quando o assunto é um bom banho, vale a pena se informar pra saber qual a opção mais apropriada para nós.

Abraços e até breve!

Thiago

Se gostou desse post, recomendo também:

Sobre espelhos e molduras

Enquanto o drama dos móveis planejados continua na mesma enrolação de sempre (Fujam da New!), eu vou colocando aos poucos as outras coisas no lugar. Mas só de pensar que ainda vai ter gente cortando madeira aqui (e consequentemente toda aquela poeirada), agora que já comecei com o processo de decoração… me dá arrepios. Mas enfim, vamos deixar pra falar novamente da New Móveis Planejados oportunamente. Aguardem, pois cenas dos próximos capítulos serão emocionantes.

Deixando esse papo chato para lá,  vamos falar sobre o espelho que coloquei na sala de jantar, algo muito mais interessante. Como disse anteriormente no blog, já vinha pensando nele há muito tempo, uma vez que as possibilidades são inúmeras. Quem estiver interessado em diferentes tipos e usos de espelhos em salas, recomendo dar uma olhada também no post anterior, onde compartilhei algumas ideias.

Deixei para falar no post de hoje sobre os espelhos com molduras, já que escolhi um desses para minha sala de jantar. Há molduras de todos os tipos, estilos, cores, tamanhos, materiais. Escolher não é tarefa fácil.

Vamos então, primeiro, à alguns ambientes legais que encontrei na net que fazem uso do espelho com molduras.

Interessante essa proposta de espelho inclinado na parede; reparem também que a moldura está de acordo com a mobília do ambiente. Não precisa ser exatamente igual (até porque seria difícil encontrar), mas é bom que eles estejam em harmonia.

A não ser, claro, que você, propositalmente, utilize a moldura do espelho para quebrar a monocromia/monotonia do seu ambiente. Imaginem uma moldura dessas num ambiente todo branco, com móveis brancos… ou com uma cor neutra qualquer.

Com certeza valorizaria bastante o ambiente, certo? Então é preciso sempre ter em mente qual o seu propósito: harmonizar ou contrastar.

Temos molduras nos mais diferentes materiais, como essa de pastilhas de chifre (!) da Ambientare…

… ou essa em ferro da Efeitos Brasil…

… ou molduras de madeira como estas.

Em madeira, as opções são muitas!

Esses são apenas alguns exemplos de molduras do Rei dos Quadros, loja onde comprei meu espelho. Todas são bonitas… cabe somente à nós julgar qual cairá como uma luva naquele espaço do nosso ambiente.

Então, depois desse apanhado, sem mais rodeios, vamos ver o espelho/moldura que escolhi, para depois explicar por que escolhi esse modelo em especial!

Está aí o espelhão! A principal razão pela qual escolhi esse espelho, nesse formato específico, foi para dar a impressão de que ali há uma “janela“, uma abertura para um outro ambiente, entenderam? Se você olha de relance, é essa a impressão que dá!

A posição dele, centralizado na parede e acima da mesa de jantar, é interessante pois acaba valorizando ainda mais o papel de parede, que é expandido (como podem ver na foto), e ganha-se um “novo” ponto de luz, com a duplicação do pendente.

Agora, o detalhe da moldura.


Pensei muito sobre a cor. Na minha mente, tinha 3 possibilidades: branco, cinza (pois combinaria com as cadeiras da mesa, paredes, e com alguns detalhes do papel de parede) ou até madeira (combinando com o sofá, e talvez com o piso).

Acabei decidindo pela moldura branca pois achei que não deixava o ambiente pesado, ajudava na sensação de amplitude e mantinha o ar clean que eu tanto queria conferir à sala.

Depois de escolhida a cor, hora de escolher o tipo de moldura: Lisa, ou trabalhada (naquela foto das molduras acima, há alguns exemplos de molduras brancas que vi). Não queria nada extravagante, mas achei também que uma moldura toda lisa fosse ficar um pouco apagada ali. Então resolvi escolher essa moldura, com vários e vários quadradinhos, todos trabalhados com riscos em alto relevo. Ele se destaca da parede, mas não é uma diferença óbvia, que foi feita só para chamar atenção.

Outro fator decisivo para a escolha dessa moldura foi o fato de que ela vai ecoar outro ítem decorativo muito importante que ainda vou colocar na minha sala! Não vou falar o que é agora (suspense…), mas em breve vou explicar direitinho do que se trata.

Para finalizar, uma foto de como está a sala de jantar com ele….

E aí, gostaram? Fiquei super satisfeito com o resultado 🙂

Abraços, e até a próxima!

Thiago S.

 

Se você gostou desse post, recomendo também:

Objetos de desejo: Espelhos Decorativos para Salas

Ei pessoal! Retornamos essa semana com mais um capítulo da série “Objetos de Desejo” (que já reuniu diversas opções de mesas de jantar, mesa para varandaracks, lustres e  pendentes e etc). Depois de muita procura e pesquisa, tanto na internet quanto em lojas físicas, chegou a hora de me decidir sobre um item-chave da sala de jantar: o espelho. Nesse post, reunirei então algumas das ideias que considerei ao escolher o meu espelho da sala.

Atualmente, pode-se facilmente observar que o espelho é praticamente onipresente na decoração dos ambientes, seja em revistas, lojas ou sites de decoração. Ele pode aparecer em diversos formatos e tamanhos, com diferentes acabamentos e molduras (ou até mesmo sem elas). Isso se dá, muitas vezes, pois ele contribui como forma de contornar o fato de que os apartamentos e casas estão cada vez menores; se bem utilizado, o espelho pode dar uma sensação de espaço (e conforto) que nenhum outro item traria para o ambiente.

Como as possibilidades são inúmeras, vamos primeiro falar sobre o famoso acabamento bisotado, que pode aparecer de formas diferentes. Essencialmente, ele é assim:

Para ficar claro, um exemplo de como ficaria um espelho grande com esse acabamento:

Reparem o bisotado nas bordas do espelho. Esse tipo de bisotado, de 2cm, pode ser usado com ou até mesmo sem moldura. Particularmente, eu acho que peças maiores como essas aí de cima pedem uma moldura maior que o bisotado de 2cm. Acho que valoriza mais o espelho.

Agora olhem o efeito bisotado em peças menores, creio que fica bem mais interessante:

Podem ser feitas diferentes composições com esses quadrados. Aí vai da criatividade de cada um. Temos desde painéis que vão quase do chão ao teto….

… e outros mais simples como esse.

Para peças maiores, o recomendável é mesmo moldura ou então um bisotado mais largo como esse:

Como vocês podem ver, nesse caso, o próprio acabamento bisotado funciona perfeitamente como moldura, encarecendo valorizando bastante a peça.

Temos também composições com espelhos sem o acabamento bisotado (muito vendidas em lojas como a ETNA, Leroy Merlin e Tok & Stok). Elas são práticas, muitas vezes no estilo “cole você mesmo/a”, e são boa oportunidade para exercer a criatividade.

Na ETNA uma vez vi uma dessas composições:

Num outro site, vi a seguinte composição, feita pela arquiteta Gabriela Dardis, desta vez com espelhos em formato circular:

Na ETNA e na Tok&Stok, o preço de 4 quadradinhos/bolas/hexágonos (elas vem numa caixinha) fica em torno de R$25-30. Deem uma olhada nesse link da ETNA caso tenham interesse. Assim, uma composição como a dos quadradinhos sairia por volta de R$200; já uma maior como essa dos círculos sairia por algo em torno de R$400. Geralmente é bem mais em conta que uma placa com efeito bisotado ou com moldura.

Há outros modelos sem bisotado, como esse da ETNA em forma de ondas. Estava por R$89 cada peça (na foto a composição tem 3).

Por fim, a outra opção que tinha eram os espelhos com moldura. E haja moldura! São tantas e tantas opções, com diversos tipos de materiais, uma mais linda que a outra. Geralmente, quando temos uma moldura no espelho, ele não leva o bisotado (não só porque o bisotado já é em si uma moldura, mas também porque pode ser muita informação).

Se passarem numa loja como eu fiz, preparem-se para gastar algumas horinhas, porque você provavelmente não vai conseguir decidir-se tão cedo. Até eu, que já tinha me “decidido” do que queria, acabei demorando bastante.

Agora, vou deixar para exemplificar o espelho com moldura com o meu próprio espelho (já adiantando qual tipo de espelho escolhi no fim das contas) no meu próximo post, assim que o rapaz vier colocar ele no lugar. Estou doido para ver o resultado, especialmente pra ver se ele vai atingir o propósito que eu queria!

Até breve!!

Thiago

Se você gostou desse post, leia mais sobre o uso de espelhos no blog: