Reavaliando a compra dos móveis planejados (Italinea)

Há muito tempo, recebo pedidos para escrever o post que os apresento agora, mas há uma boa razão pela “demora”: para realmente poder avaliar a durabilidade de móveis, a ação do tempo é necessária. Faz 2 anos e 3 meses que os móveis da cozinha e banheiro foram instalados aqui no apartamento, e, honestamente, eu ainda acho cedo para falar sobre a ‘qualidade’ e ‘durabilidade’ deles.

Afinal, acho que todos concordam que ao investir em móveis planejados (não só planejados, na verdade), que muitas vezes são investimentos bem altos, eles durem coisa de uma década.

Maaas, ainda assim, eu acho que já aconteceram alguns incidentes que são dignos de nota, e que acho que vale a pena levá-los em conta, se você está se decidindo pelo caminho a ser seguido com seus móveis. E quem sabe, mais pra frente, eu volte novamente para contar mais sobre o assunto? 😉

Vamos lá.

 

AVALIAÇÃO #11 : Móveis planejados em MDF/MDP da Cozinha Americana

EMPRESAS RESPONSÁVEIS: Italínea (Fabricante) / Bon Bini (Loja; já se encontra fechada).

TEMPO DE USO: 2 anos e 3 meses até o momento

 

Bem, a impressão geral é bem positiva: os móveis estão, esteticamente, muito bem conservados. O material (MDP) parece ser de boa qualidade, e não tive problemas maiores em relação à madeira utilizada.

pastilhas inox cozinha

Os problemas que tive de fato foram principalmente em relação às dobradiças e aos pistões à gás das portas. Quanto aos pistões, a troca foi bem fácil, eu mesmo tomei a liberdade de fazê-lo. Encontrei nesse site, o Casa do Marceneiro. Os pistões originais tinham força de 8 Kg (80N) cada, e o marceneiro recomendou que eu os substituísse por pistões de força 100kg (100N), que durariam mais. Não são caros: cada pistão desses custa por volta de R$4, e eu tive que substituir 5 deles.

pistão e dobradiça

Já as dobradiças (como dá para ver pela foto acima), deram mais trabalho. Duas dobradiças de porta arrebentaram, e as portas ficaram completamente inutilizadas. Para se ter ideia, eu tive que ficar 3 semanas com as portas desse jeito:

dobradiças quebradas

A porta da primeira foto, com pistão, inclusive arranhou o teto de gesso da cozinha. Como nesse caso a substituição requeria uma cautela maior e equipamento específico (e não manual como com os pistões), eu decidi entrar em contato com a Italínea, e expliquei a situação.

Normalmente, o correto seria entrar em contato com a própria loja onde você realizou a compra; mas, como a loja onde comprei fechou, eu recorri à fábrica. Felizmente, eles me atenderam bem e entraram em contato com o antigo dono da loja onde comprei, que atualmente tem uma loja em outra localidade. Esse também se mostrou bastante solícito (inclusive lembrou da crítica positiva que postei no blog sobre a loja – rs), e mandou um rapaz não só substituir todas as dobradiças com problemas, como também mandou regular algumas portas.

Ele me disse que isso é normal – que assim como um carro, certas peças necessitam de manutenção de vez em quando. Faz sentido. Mas, ao mesmo tempo, lembro dos antigos armários da minha mãe, que passavam anos e anos (décadas?), sem dar problema algum. Nossa realidade é diferente!

Tive uma experiência parecida com o Roupeiro do quarto, relatei essa reavaliação aqui. O roupeiro continua bonito, mas tive que trocar o trilho e o cabideiro, que eram de qualidade bem baixa. Ao contrário do que aconteceu com a Italínea, entretanto, no caso do Roupeiro eu mesmo tive que providenciar o material com um marceneiro, pois a loja Kasamix não se prontificou a prestar assistência (mesmo que o serviço fosse pago).

Móveis são bens duráveis – na teoria, pelo menos. Então é fundamental que você saiba que poderá contar com a empresa (a loja, a fábrica…) no caso de necessidade, mesmo depois do fim da garantia (e mesmo que tenha que arcar com um possível custo da visita do técnico, por exemplo). Isso vai da empresa e da relação que ela tem com o cliente. Então volto a salientar a importância de sempre se pesquisar por referências antes de fechar qualquer compra, em especial em relação à móveis planejados, com alguma loja. E não vale se guiar pela ‘marca’, tem que ser a própria LOJA, naquele endereço específico.

(Ou você pode ser a próxima vítima, assim como eu já fui, assim como centenas de outros leitores já relataram aqui no blog).

Bem, agora, 2 anos e 3 meses após ter minha cozinha pronta, posso dizer que fico feliz de ter acertado na escolha da loja. Mas espero que possa dizer o mesmo daqui a alguns anos, quando de fato poderei atestar a experiência com os móveis da Italínea.

 

 

Se você gostou desse post, também poderá gostar de: