Redecorando a Sala – parte 3: Nova Bancada Americana

Quando introduzi essa série de posts sobre esse processo de redecoração da sala, disse que essa vontade de mudança pode ocorrer por diversos motivos – sejam eles relacionados à funcionalidade (“encontrei um uso melhor para isso”), à estética (“acho que isso traria mais destaque ao ambiente”), ou simplesmente pela nossa vontade inerente de mudar

Enquanto os dois primeiros posts da série estão mais relacionados à questão estética (pintura nova das paredes, molduras de teto), o assunto de hoje se encaixa principalmente dentro do âmbito da funcionalidade, mas, claro!, a gente pode sempre tentar unir o útil ao agradável (literalmente, nesse caso rs) e tentar aprimorar também a parte estética, no que pensamos em algo mais funcional.

Bem: gostava muito da minha bancada americana antiga, que funcionava como transição entre a sala e a cozinha. Pra quem não lembra, esse aqui é o ANTES:

bancada cozinha americana

Como vocês podem ver, a bancada era extremamente clean e discreta. Ficaria com ela por mais tempo, não fosse um pequeno grande porém: Eu. Preciso. Otimizar. Espaço (mantra dos apartamentos pequenos). Minha cozinha é pequena, e, ainda que meus móveis tenham sido planejados para tentar maximizar esse espaço,  mesmo assim… sinto falta de espaço.

Então resolvi que aproveitaria o espaço da bancada para incluir, embaixo dela, um armário. O espaço era precioso: Com 1 metro de comprimento, 1,20 de altura e 50 cm de profundidade, o armário teria espaço para guardar muita coisa. Já estava decidido, então só faltavam os detalhes de acabamento: queria algo que fugisse do tampo branco, pois já que era pra mudar, queria mudar mesmo.

Vou mostrar então algumas fotos e fazendo os comentários!

2

bancada cozinha americana madeira linheiro grigio

Como vocês podem ver – é linda! 😉 – o acabamento escolhido, chamado Linheiro Grigio (que é facilmente encontrada no catálogo de qualquer loja ou profissional que trabalha com madeira), é um tom acinzentado e todo riscado de madeira que remete muito ao piso laminado da sala (o Carvalho Dover). O fundo do armário, branco, faz com que a bancada continue em harmonia com a prateleira superior, que se manteve no lugar.

Note também, nas fotos acima, que o armário interno é 10 cm menos profundo que o tampo (o tampo da bancada tem 50cm, o armário 40cm), deixando mais confortável sentar ali.

passa prato linheiro grigio madeira

Como disse, sendo o tom bastante próximo ao do piso, a bancada funciona bem como transição entre os ambientes.

Outra coisa que podemos perceber pela foto é que a profundidade do tampo é maior que o da bancada branca original (que tinha apenas 30cm). Essa área de trabalho um pouco maior faz uma boa diferença!

bancada armario cozinha americana

A divisão interna dos armários foi pensada para maximizar todos os espaços. O armário tem portas de correr (fundamental para espaços pequenos) e, dentro dele, 1 prateleira que separa os 2 vãos de 1 metro de comprimento cada. A profundidade interna do armário é de 40 cm (o que dá pra organizar os itens em fileiras). Acima do armário, podem perceber que há outro vão, de apenas 15 cm de altura, bastante funcional: pode servir para armazenar temperos, panos de prato, garrafas de vinho, enfim, o que você quiser.

Opaaa, tem novidade no blog: Terceira parte da série "Redecorando a Sala"! 😁

A post shared by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

Para finalizar, mandei fazer numa vidraçaria um vidro nas mesmas dimensões do tampo da bancada. Isso foi por experiência própria: ali, do lado da cozinha, acabamos sempre colocando algo molhado. Para proteger o tampo, quis colocar um vidro transparente, que valorizasse a beleza do padrão de madeira escolhido.

Na verdade, se repararem bem, o vidro é um pouquinho de nada menor que o tampo:

11

… o que foi pensado para prevenir qualquer tipo de acidente. A aderência do vidro à madeira se dá pelos silicones que você também pode ver na foto acima. E, claro, vidro é bem prático de limpar, o que o torna não só esteticamente agradável como também funcional.

Bem, pessoal, é isso! Fiquei super feliz com minha bancada nova, principalmente por sua funcionalidade, mas acabei amando o visual novo que ela conferiu à sala/cozinha.

cozinha americana moderna bancada madeira e vidro

Abraços e até breve!

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Redecorando a sala – parte 2: Instalação das Molduras de Teto (ou ‘Roda-teto’)

Antes de mais nada: que alegria foi ler os comentários tão carinhosos aqui e no Instagram do blog sobre essa minha pequena aventura redecorando as salas de jantar e estar. Fico realmente feliz ao ver que ao lado de pessoas que estão chegando aqui pela primeira vez, há outros que estão por aqui há anos, sempre deixando uma palavra de incentivo (quando não um puxão de orelha, “posta mais, desgraça!” rs). Valeu, gente. ❤

Bem, ao assunto de hoje: Ao contrário da maioria das modificações que estou fazendo nesse momento, o tópico do dia é algo que de fato não havia antes no apartamento, mas que, aos meus olhos, fazia uma certa falta. Falo das molduras de teto, o tal do “roda-teto“.

Surgindo como uma alternativa extremamente prática e econômica às tradicionais sancas de gesso, esse tipo de moldura, que pode parecer um simples detalhe, acaba conferindo um resultado estético bem diferenciado ao ambiente; fazendo uma transição harmoniosa entre as paredes e o teto.

A vantagem das sancas de gesso, claro, é que podemos trabalhar com rebaixamento e iluminação embutida, fazendo diversos tipos de jogos de luz. Entretanto, além de ser um investimento significativamente maior, o gesso faz uma sujeira descomunal, algo que seria completamente fora de questão para mim nesse momento.

Quando conheci essas molduras em poliestireno – um material leve, que pode ganhar um acabamento super liso (sem aquelas bolinhas feias características do isopor) e que pode até ser pintado com a cor de sua preferência – fiquei encantado. O efeito estético é idêntico ao que seria uma moldura em gesso. Então, sabia que quando chegasse a hora de repensar a decoração do apartamento, iria incorporá-las.

Aqui, um detalhe de como tinham ficado as paredes novas das salas de jantar e estar, algo que falei no post anterior, sem o roda-teto:

delimitação de ambientes por cor (2)

E agora, com ele:

rodateto poliestireno k1

Como podem ver, a diferença faz uma diferença!

Agora, um detalhe mais de perto do modelo específico que escolhi:

detalhe roda-teto K1

Engraçado que eu achei que, nas paredes brancas, ele não fosse sobressair, iria praticamente desaparecer. Não foi o caso!

moldura teto decoflair

O roda-teto trouxe uma certa imponência ao ambiente que não havia antes; é um acabamento que realmente diz que prestaram atenção nos detalhes, sabe? E, como disse: sem gastar muito tempo ou dinheiro.

Toda a colocação do roda-teto (uma área de 20 metros lineares) demorou menos de 3 horas (sem sujeira! sem pó! ô glória!) e o investimento ficou por volta de R$300, já incluindo o material *e* a mão de obra. Por sinal, a instalação é tão prática que é fácil encontrar tutoriais para que você mesmo instale, como esse:

O modelo específico que usei é o K1 da Gart; gostei do fato de que ele não é muito ornamentado, são traços retos como os da minha sala; mas há também vários outros modelos interessantes, de outras marcas também.

Espero que tenham gostado 🙂

rodateto gart K1

Até breve, pessoal!

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de: