Plantas Permanentes, Preservadas e Semi-Artificiais na Decoração

Foi-se o tempo em que as plantas decorativas eram apenas divididas entre “naturais” ou “artificiais. Agora, temos termos bem mais específicos que são usados para descrevê-las: permanentes,  preservadas, semi-artificiais, híbridas… são tantos que podem nos deixar meio confusos. No post de hoje, vamos falar justamente sobre esses tipos de plantas que estão ganhando bastante espaço na decoração de interiores, e, depois, eu mostro a linda arvorezinha semi-artificial que está decorando minha sala 😉

Bem, em primeiro lugar, o termo plantas “permanentes” tem substituído o antigo “artificiais” pois esse último traz a ideia de algo que pode ser nitidamente reconhecido como  “falso”, o que, muitas vezes, não é o caso de muitas dessas plantas artificiais mais modernas, onde você se questiona até mesmo ao toque se a planta é natural ou não!

arvoresartificiais

arvore permanente

As vantagens principais das plantas permanentes são, obviamente, o fato de que elas podem ficar em ambientes internos sem necessidade de exposição ao sol, e também não necessitam ser regadas. Se você vai viajar, por exemplo, você sabe que quando voltar, ela estará do mesmo jeitinho que a deixou quando saiu! Em suma, se as condições naturais não são favoráveis, as permanentes são uma boa alternativa.

Mas as plantas permanentes ainda podem se subdividir em (a) inteiramente artificiais, (b) semi-artificiais e (c) preservadas.

As plantas inteiramente artificiais, como o nome aponta, não contém partes naturais da planta, tanto nas folhas e flores ou galhos; entretanto, a atenção dada aos detalhes muitas vezes as deixa com aspecto bem natural.

ficus tree

As folhas, muitas vezes confeccionadas em seda, dão um toque bem realístico às plantas.

Já essa abaixo, eu coloquei na floreira da varanda pois essa posição específica onde ela se encontra é a parte que pega mais sol, e, durante o verão, as plantas naturais simplesmente não estavam resistindo ali! (lembra o que disse sobre “condições naturais não favoráveis” no início do post? pois então…) Assim, para não deixar o cachepô vazio, eu recorri à essa renda portuguesa artificial…

renda portuguesa artificial

… que casou bem com o resto das plantas naturais, que são prioridade absoluta na floreira (e por sinal, se você jogar a hashtag #jardimfeat no Instagram, vai ver todas as plantas naturais que tem figurado no meu jardim vertical! 😉

Quanto às plantas semi-artificiais (ou híbridas) elas levam esse nome pois alguma parte dela é natural e preservada: por exemplo, essas árvores a seguir, tem seu tronco *natural*, preservado, o que dá uma riqueza de detalhes maior na decoração.

bambu e chorao artificial

Já as plantas preservadas são resultado da transformação de folhagens naturais que são tratadas quimicamente e conservadas, substituindo assim as plantas vivas em ambientes internos de maneira permanente.

plantas preservadas preserved greens

A riqueza de detalhe é muito grande e cada folhinha foi colada ali individualmente. Por isso, as plantas preservadas são muitas vezes bem caras! Fiquei apaixonado exatamente por esse modelo acima quando estava em Nova Orleans; estava num preço incrível, com um desconto absurdo, mas simplesmente não tinha como trazer algo tão delicado de tão longe. Que dó!

E ressalto também que no caso da folhagem preservada, ela pode exigir sim um pouco mais de cuidado; não pode ficar sob luz direta do sol, e deve ser levemente umidificada se o clima for seco demais.

Quando voltei de viagem (com a planta que ficou na lembrança…) acabei me encantando por uma ficus semi-artificial com tronco natural, a única que estava sendo vendida numa loja de flores aqui perto de casa! E eis que assim ela ficou na minha sala:

E agora, no detalhe:

Se no início eu tinha minhas reservas em relação às semi-artificiais, agora fiquei bastante satisfeito com o efeito que ela deu no ambiente!

Pra finalizar – e dar um charme extra à ocasiões especiais – eu coloquei um cordão de luz no tronco da árvore, que, à noite, fica desse jeito:

20160219190928

Bem, é isso, pessoal! É sempre bom dar uma cara nova pro nosso espaço… e as plantas – naturais, permanentes, que seja – são ótimas formas de fazer isso acontecer. Ter tantas opções não deixa a seleção mais difícil – só deixa mais prazeroso 😉

Confiram sempre outras pequenas novidades do apê em primeira mão no nosso Instagram, @asagadoapartamento! Se ainda não está nos seguindo, o que está esperando?

Abraços e até a próxima,

Thiago S.

 

Se você gostou desse post também vai gostar de:

 

 

Anúncios

Viajar é se Inspirar: Arquitetura e Decoração de Nova Orleans

Antes de mais nada, deixa eu pegar a tacinha de espumante aqui porque este é o centésimo post do blog! Pra comemorar, um post especial sobre um dos lugares mais incríveis que já tive a oportunidade de conhecer, extremamente rico em termos de arquitetura e decoração. Inspire-se! E um brinde aos próximos 100!

***

Viajar é uma das coisas que mais me enche de alegria e inspiração: a inspiração maior vem do fato de que a gente aprende a olhar para o mundo de forma diferente, olhando para ele como outras pessoas o enxergam. Isso em termos bem abrangentes, que incluem não só o estilo de vida, com também a forma como se expressam através das artes, da língua, na culinária e claro, até na arquitetura e na decoração.

Em 2010, visitei pela primeira vez um lugar que esteve desde sempre na minha imaginação: Nova Orleans, nos Estados Unidos. É o lugar onde uma das minhas escritoras favoritas cresceu e descreveu tão maravilhosamente em seus livros, que parecia que eu já havia visitado o lugar, que eu o conhecia. Surpreendentemente, “Nola” (o apelido da cidade) superou minhas já altas expectativas, e eu sabia que um dia voltaria com mais tempo e mais calma.

Olha, o mundo é cheio de lugares pra se conhecer, então a gente fica sempre com aquele sentimento de querer ir num lugar novo ao invés de voltar em um que nós já conhecemos. Mas honestamente? Poder voltar com calma, anos depois, num lugar que te marcou pra sempre e criar novas experiências é simplesmente incrível, talvez até mais interessante do que conhecer um lugar pela primeira vez.

E foi assim que resolvi voltar à New Orleans agora no início desse ano, nas férias de janeiro, 6 anos depois da minha primeira visita. E a experiência foi mil vez mais rica do que a primeira vez que fui.

Aqui no blog, quero focar num aspecto fundamental da experiência em Nova Orleans e que dialoga com todo o conteúdo do blog: sua arquitetura e decoração, extremamente inspiradores.

Bem, vamos começar com algo essencial e muito típico da arquitetura de Nola:

new orleans cast iron

As varandas e sacadas das casas do French Quarter, bairro de colonização francesa e espanhola, que dão o tom de muito da decoração da cidade, são estonteantes e tem algumas características importantes.

Em primeiro lugar, você pode notar os belíssimos trabalhos ornamentais em ferro fundido, típicos da colonização espanhola. Se olharmos bem, cada varanda possui sua própria padronagem que tem muitas vezes temas florais ou de folhas; mas, visualmente, eles são bem parecidos.

varandas nova orleans

Outra característica importante é o fato de que esses espaços externos são ricamente decorados com plantas: samambaias gigantes, heras, trepadeiras que se misturam ao ferro fundido, anjos e até fontes decorativas. É como um jardim, e algumas vezes você mal consegue ver a varanda de tantas plantas que ela possui.

Esse é o balcony do lugar onde fiquei hospedado. Tem como não se inspirar ao acordar com uma varandinha dessas?

Bem, falando de jardins e áreas verdes, as varandas apenas refletem o que acontece lá embaixo: os jardins de New Orleans (sejam em parques, em espaços públicos ou privados) são extremamente ricos e tem algo de tipicamente ‘selvagem’: não são aqueles jardins perfeitinhos onde as plantas estão sempre impecavelmente podadas. Os jardins são espaços onde a natureza se expressa, seja ordenada ou desordenadamente. Então se a trepadeira tomou completamente o espaço, assim ficará; se a hera está tão cheia que está tapando alguma vista, assim será.

longue vue gardens

Acredito que essa foto reflita um pouco dessa estética do lugar; as plantas se misturam ao muro de forma completamente natural, como se estivesse reclamando seu lugar ali; a vegetação (e a decoração) nem sempre é regular, mas é de uma beleza incrível.

Novamente aqui temos a presença dos tijolinhos e das plantas de forma bem extravagante e aleatória. Esse é um dos tradicionais pátios de New Orleans – pátios são lugares à céu aberto, geralmente no meio de um edifício, mas também podem ser na parte de trás ou em outro lugar, onde há geralmente uma fonte como ponto focal e muito verde. E as fontes? Tem musgo sim, tem lodo sim, e ai de quem for lá limpar!

fonte new orleans

O resultado é que não parece algo que foi projetadinho, e sim algo extremamente natural e orgânico. Acho que essa é a palavra que descreve a questão da natureza incorporada na arquitetura e na decoração de New Orleans: organicidade. Autenticidade.

courtyard new orleans

garden new orleans

É um tipo de desorganização que parece quase organizada; é um tipo de beleza rústica extremamente atraente.

Quanto às casas, podemos pensar nas icônicas e coloridas casas de colonização francesa do French Quarter e do Marigny:

algiers house new orleans

casa nova orleans

Alguns pontos em comum: a presença de cores fortes e a necessidade de contraste: a fachada é pintada de uma cor, e geralmente a porta numa outra cor contrastante. Às vezes a porta é de uma cor e o portal/caixonete de uma outra terceira cor.

Essa pequena casa no bairro do Marigny foi uma das que mais gostei: olha o tamanho dessa casinha, dessa fachada! E ainda assim, nota-se um cuidado enorme em deixá-la com uma identidade única, como nenhuma outra na rua (Se isso não é inspirador para quem mora em apartamento pequeno, eu não sei o que é!) O número da casa é feito com partes de relógio e bijuterias. O portão? Todo feito de chapinhas coloridas. Lindo demais.

Mas Nova Orleães também tem seu lado luxuoso, e ele se encontra no Garden District, bairro de colonização americana onde várias celebridades tem propriedades.

garden district house

O estilo como vocês podem perceber é completamente diferente: grandes colunas imponentes se fazem presentes nas varandas de mansões que não apresentam as cores do bairro francês; aqui, as cores que prevalecem são mesmo o branco, o bege e o cinza. Os tijolinhos, entretanto, costumam reaparecer, e o ferro fundido das sacadas do French Quarter aparece nos portões das casas.

Lembra da escritora que mencionei no início do post, uma das grandes responsáveis por minha curiosidade em conhecer a cidade já aos 11, 12 anos de idade? Pois então, ela descrevia em um de seus livros uma casa na esquina da First Street com a Chestnut, e eu, passeando pelo bairro, passei por lá, claro. A casa que ela descreve no livro é exatamente a casa que existe no local – inclusive, a casa pertence á própria autora! (que não mora mais no lugar).

Estamos falando de Anne Rice, e de clássicos como “Entrevista com o Vampiro“, que descrevem a beleza do Sul dos Estados Unidos e da Louisiana de forma exuberante.

Bem, não tem como fazer uma viagem dessas e voltar do mesmo jeito, tem? A gente sempre carrega conosco um pouco do que vemos por aí, especialmente quando se trata de um lugar tão especial como esse é para mim. Voltei com algumas ideias borbulhando em minha mente e essa é a gênese… qualquer hora dessas, quando/se eu começar a colocar o que tenho em mente em prática, eu volto aqui e me refiro à esse post.

 

ATUALIZAÇÃO- 12/09-2016-  E aqui está no que deu essa fonte de inspiração chamada Nova Orleans!!!

 

Abraços e até breve!

Thiago S.

© A saga do Apartamento. Todas as fotos e conteúdos do post são pessoais e originais e sua reprodução sem autorização não é permitida.

 

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Portas Coloridas na Decoração

Assim como eu não sou a mesma pessoa que era 4 anos atrás (quando comecei a decorar o apartamento), tampouco é meu apartamento. É possível que a vontade de redecorar a sala tenha surgido como um reflexo disso. Hoje me sinto muito mais confortável para experimentar coisas menos fora do lugar-comum e que, inevitavelmente, fazem do meu espaço algo mais próximo da minha personalidade.

A gente se inspira através da leitura e de inúmeras imagens que podemos encontrar por aí, filtra e pensa, “ok, e agora, como eu posso fazer isso funcionar para mim?”; e hoje eu sei que a parte do “para mim” é mais importante do que qualquer outra coisa.

Uma máxima: Nossa casa, nossas regras.

Então: uma coisa que eu quis trazer para a decoração esse ano, e que não estava presente de forma significativa anteriormente, era cor. De certa forma, quando comecei a decorar o apartamento, estava decidido a manter a decoração com tons neutros e mais frios – o que sempre funciona bem e é super indicado para ambientes menores pois dá uma sensação maior de amplitude.

E outra: é bem mais fácil acertar. Tons de cinza, branco e off-white, um bege aqui ou ali. Não tem como não dar certo! É mais seguro e fica sóbrio e contemporâneo.

Mas aí passaram-se alguns anos e eu decidi que estava na hora de experimentar algo um pouco mais vivo e dinâmico: eu estava sentindo falta de cor na minha casa. Isso foi mudando aos poucos; primeiro através de alguns detalhes que resolvi incorporar na decoração, como as almofadas do sofá, da bandeja porta-copos

…das banquetas na sala….

View this post on Instagram

splash de cor pra animar a decoração!

A post shared by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

…das molduras nas portas

…e finalmente nas paredes; que saíram do branco e do cinza e ganharam tons mais terrosos (ainda que sóbrios, como vocês podem ver no encontro delas nesse cantinho da sala):

rodateto poliestireno k1

Na única parede branca da sala, o antigo quadro (que adivinhem, era preto-e-branco) deu lugar à outro quadro em que há uma explosão de cores:

tela com flores moderna sala

… e voilà: a dinâmica do apartamento mudou c-o-m-p-l-e-t-a-m-e-n-t-e.

Claro que precisamos notar também que houve uma preocupação em coordenar as cores que estavam sendo usadas: tons de vermelho se fazem presentes na bandeja, na almofada, na banqueta, e no quadro; todas as molduras foram escolhidas à partir das cores presentes no quadro, que vai de um azul mais intenso, passando pelo laranja e chegando… ao vermelho.

Assim, as salas de jantar e estar ganharam sua própria identidade visual.

Mas…

o mesmo não acontecia com o corredor que levava aos quartos – eles mantinham-se brancos, com as portas brancas e quadros em preto e branco – ou seja, ecoavam a decoração antiga.

Para atualizá-lo e deixá-lo um pouco mais coerente com a nova decoração, resolvi manter as paredes brancas – afinal, é bom manter um pouco de branco quando se tem espaços menores – e pintar somente as portas. Era algo que eu já tinha vontade de fazer porque portas brancas sujam muuuuuito! E ainda mais com acabamento fosco, dificulta a limpeza. Então resolvi sair do branco e trazer cor pro corredor também.

Procurei por algumas ideias sobre o uso das portas coloridas na decoração e descobri que elas podem ser usadas das maneiras mais diversas:

  • na porta de entrada, como as famosas portas da Irlanda, que quebram a monotonia da faixada e conferem forte personalidade à construção;

portas coloridas decoracao

  • em ambientes internos, acompanhando a cor da parede colorida;

porta colorida mesma cor parede

  • em ambientes internos, contrastando com a cor da parede e mantendo o caixonete/portal na mesma cor da porta;

porta colorida caixonete colorido amarelo

  • em ambientes internos, contrastando com a cor da parede e com caixonete de cor diferente da porta:

PORTAS coloridas

Dessas possibilidades, a que eu acabei escolhendo foi essa última: optei por deixar o caixonete – que havia sido recentemente repintado de branco – intacto, pelo menos no início, para observar o resultado.

Quis fazer um teste e pintar somente as portas; depois, se eu achasse que seria melhor pintar também o caixonete, eu o faria (sim, dessa vez eu mesmo coloquei a mão na massa e pintei a porta!)

Mas acabou que eu fiquei muito satisfeito com o resultado, que ficou assim:

DCIM152GOPRO

O corredor é outro!! Agora sim ele está de acordo com o resto da decoração da sala. Achei ótimo o efeito visual ao ter deixado os caixonetes brancos! Talvez a pintura do caixonete também deixaria o espaço, que é pequeno, mais pesado.

DCIM152GOPRO

Notem também que cada porta ganhou uma moldura colorida (aquelas molduras do início do post), o que deixa tudo um pouco mais divertido!

Especialmente gostei do contraste entre esse laranja e o azul profundo.

porta colorida banheiro azul coral

E no banheiro, o tapetinho já foi mudado para combinar com a porta nova!

Detalhes…

Isso para vocês verem o que uma ideia na cabeça e uma lata de tinta podem fazer! E ah, falando em tinta, a cor que usei foi a Turquesa Veneziana da Coral, com acabamento Acetinado.

Bem pessoal, por hoje é isso. Espero que tenham gostado! 🙂

 

Grande abraço, até a próxima… e um excelente, iluminado fim de ano para todos!

Thiago S.

 

Se você gostou desse post também vai gostar de:

Festa de 30 anos | Planejamento, Decoração e Cardápio

Chegou o dia: 

friends why god why

…só que bem diferente do nosso querido friend Joey, eu estava super empolgado pra fazer 30 anos e resolvi  – ao contrário do que acontece geralmente nos meus aniversários – que era motivo suficiente para celebrar fazendo uma pequena reunião. Pô, são 30 anos, cara! A idade do sucesso! (ok, é filosofia de De Repente 30, então vamos torcer, né? 😉

Bem, a última vez que falei sobre decoração de festa aqui no blog foi há mais de 3 anos, quando abri as portas do apartamento para meus amigos pela 1a vez e escrevi as duas partes do meu Open House (parte 1 e parte 2). Ou seja, já faz bastante tempo, então tive que reler minhas próprias anotações e buscar outras fontes para elaborar a festa. Até porque uma festa de trinta anos é bem diferente de um open house!

Como muito já foi escrito em relação a isso em diversos blogs, o que vou fazer nesse post é falar sobre algumas ideias específicas que tive em relação à festa. Falarei principalmente sobre ideias que adaptei ou ideias personalizadas da minha comemoração a fim de expandir um pouco o que já foi escrito por aí. Todo o planejamento e decoração do salão ficou por minha conta, e algumas pessoas próximas me ajudaram com os comes e bebes, mas tudo foi feito sem ajuda profissional.

Vamos lá?

Em termos de decoração, eu tinha claramente em mente a imagem do que eu queria que fossem pontos focais no salão:

.

O Painel de fotos

Em primeiro lugar, eu sabia que precisava de um painel de fotos formado por momentos que foram divididos com cada um dos convidados da festa ao longo dessas 3 décadas.

Busquei algumas possibilidades de como executar essa ideia na internet e encontrei inspiração em fotos de festa de casamento; me inspirei nelas para fazer meu painel de fotos, adaptando para o contexto de uma festa de aniversário e, no fim, ficou assim:

Ao convidado chegar ao salão, foi provavelmente a primeira coisa que ele ou ela viu! Notem também que coloquei um pisca-pisca no cachepô com a pequena árvore de bambu ao lado do painel, o que ajuda a chamar ainda mais atenção para ele e confere um clima intimista.

O painel é artesanal, foi montado por mim: primeiro, fiz a seleção de fotos e mandei revelar no tamanho 15×21, em preto e branco, com margens. Em seguida, cada foto ganhou uma ‘moldura’ preta com papel cartão; por fim, a fita dourada foi colocada na parede como forma de unir as fotos esteticamente.

Uma outra coisa que resolvi fazer em relação ao painel, que foi adaptada para minha festa, veio em mente enquanto eu estava organizando as fotos:“Já que essas fotos foram feitas especialmente para a ocasião, não seria legal se no fim da festa eu desse para cada um dos convidados o cartão com a foto em que eles se encontram?”

Então eu montei o painel de forma que cada cartão pudesse ser facilmente destacado depois (eles foram colocados na parede com fita dupla face), e entreguei a cada um dos convidados. Posso lhes dizer que as pessoas ficaram super tocadas com a lembrança – simples, porém significativa.

.

O “Trintão”

A segunda coisa que tinha em mente como ponto focal era colocar, atrás da mesa do bolo, um número 30 enorme, com aqueles balões metalizados. Algo bem festivo, que acredito que transmite minha atitude ao chegar aos 30. Não é simplesmente um 30… é um trintão! (tanto que acabou virando a hashtag da festa, #TrintãodoThi, hahaha)

painel 30 anos números metalizados

Notem também que os números ficaram centralizados entre os balões e os arranjos,  que formaram uma espécie de moldura visual. Os balões, que também estavam presentes ao lado do painel de fotos e em alguns lugares estratégicos do salão, ganharam uma fita dourada decorativa.

Ah, e claro, esses números garantem uma sessão de fotos beeem divertida! 😉

30 anos baloes

(sim – esse sou eu! – depois de 4 anos lendo o blog, vocês finalmente podem dar um rosto à quem vos escreve aqui!)

Esses dois pontos focais foram importantes na decoração da festa, e foi à partir deles que fui montando o resto da decoração.

Há outras coisas que também quero destacar.

.

Mesas e Lembranças para os convidados

mesa festa aniversário

Cada mesa no salão ganhou um forro amarelo – como vocês já podem ter percebido, a festa teve tons de amarelo, dourado e prateado como referência – e toalha de renda branca para compor a decoração do salão.

No centro da mesa, um vasinho com uma palmeirinha e uma mensagem:

lembrança para convidados

Obrigado por estar aqui e por ter feito parte desses 30 anos. Celebremos os próximos 30! Aproveite!” .

Algo simples, novamente, mas sincero. Em conjunto com o cartão com a foto, escolhi a palmeirinha para presentear os convidados pois é algo que não só pode ser incorporado na decoração deles, como também é uma coisa viva e que, se bem cuidada, pode durar bastante tempo… assim como uma boa amizade. E deixa o salão mais bonito também 🙂

.

Entradas, Pratos e Sobremesas

Como entrada, uma seleção de pães de diferentes tipos – a clássica baguette, o pão australiano, a ciabatta, e o pão de mandioquinha – estavam presentes na mesa para que os próprios convidados se servissem, acompanhados de uma seleção de antepastos.

paes

As opções eram: pasta de cream cheese com geleira de amora (já tentaram essa combinação? fica uma delícia e é extremamente prático!), antepasto de berinjela e bruschetta.

paes com pastas e pates

 

Os pratos principais foram uma seleção de massas – gnocchi, penne, farfalle – onde o convidado também poderia se servir, escolhendo sua massa de preferência e também as opções de molho: molho de camarão, molho branco e molho bolognese.

gnocchi

E, na minha condição de fã de doces, meu coração se derreteu com as sobremesas!

Ao invés dos tradicionais docinhos, preferi que estivessem na mesa vários copinhos de ganache de chocolate com o fruto da linda physalis. Além de gostoso, é extremamente belo e decorativo.

ganache chocolate physalis

A ganache ficou por conta da Calda de Amora (contatos no fim do post!), que a fez sob medida com muito carinho para a festa;

Outro que fez sucesso foi o brownie calibrado:

brownie calibrado com amarula whisky

Que coisa maravilhosa: Você morde o brownie e, ao mesmo tempo, aperta a ampola para que a bedida – nesse caso, whisky ou amarula – componha o doce. Adorei! Foi um presente super personalizado (dá pra ver pela embalagem, né? hahaha. faz até referência ao poster do De Repente 30) de uma amiga querida!

E, depois desses doces fantásticos, o já tradicional bolo de kit kat no centro da mesa, pra não perder o costume!

bolo_kitkat_

Mas no fim, o que fica mesmo na memória é poder comemorar ao lado de pessoas queridas. Por exemplo, meus dois casais de afilhados de casamento se conheceram pela 1a vez nessa pequena festinha; vê-los se dando super bem é o tipo de coisa que faz valer a pena toda a preparação e tempo despendido para fazer algo legal para todos.

Espero que alguma coisa também sirva pra vocês, seja em sua comemoração dos 30, ou 20, ou 40, ou 80! O que importa é celebrar e olhar pras próximas comemorações! 🙂

Abraços desse novo trintão que vos escreve.

Thiago.

 

***

Contatos:

Ganache com Physalis – Calda de Amora (tleici@hotmail.com)

Brownie Calibrado – palomacoll@yahoo.com.br

 

*podem dar o blog como referência; e lembrando que todas são do Rio de Janeiro.

 

SORTEIO: Adega de parede! (Promoção Finalizada)

Olá, queridos!

O A saga do Apartamento, em parceria com a Garrafeiros, traz esse mês um sorteio super legal para os leitores do blog!

A Garrafeiros é uma loja totalmente especializada em adegas de parede, climatizadas e acessórios para vinho em geral. Inclusive, a minha adega de parede é deles, e faz sucesso aqui:

adega vertical de parede

Estaremos sorteando uma adega de parede para 12 garrafas – funcional mas também decorativa! – no dia 16 de novembro aqui no blog. Esse modelo aqui:

ADEGA promoção

Muito legal, né?! Bonita, armazena muitas garrafas e ainda ocupa zero de espaço! 🙂

Para participar é bem simples, você só precisa:

Cada participante terá um número atribuído a ele posteriormente e o sorteio será realizado pelo Random.org! Se o vencedor não tiver cumprido os QUATRO requisitos de participação, um outro será sorteado até que tenham sido cumpridos todos os requisitos! 

Você tem até às 23:59 do dia 15 de novembro para se inscrever!

Ah, e não se esqueçam de compartilhar a promoção com aquele amigo ou amiga que adora um bom vinho! 🙂

Boa sorte!

 

***** Sorteio encerrado em 15/11/2015 *****

RESULTADO

ATUALIZADO EM 16/11/2015

 

Caríssimos,

é com prazer que anunciamos o resultado do nosso sorteio da Adega Vertical de parede!

De acordo com as regras do sorteio, o resultado foi gerado através da página Random.org e o número sorteado foi…

RESULTADO

A participante cadastrada sob o número 18 foi Patricia Gidi, leitora do blog e nossa seguidora no Instagram! Parabéns, Patricia, fico muito feliz por você! Entre em contato com o A saga do Apartamento pelo e-mail asagadoapartamento@gmail.com para enviar seus dados completos para que a Garrafeiros envie seu presente!

Obrigado a todos que participaram e até a próxima!

Abraços,

Thiago S.

DCIM154GOPRO

Inspiração em Papel de Parede

Um dos tópicos mais populares aqui no blog é, sem dúvidas, o papel de parede: ele que, extremamente versátil, pode não só mudar completamente a dinâmica de um ambiente, como também imprimir algo da sua própria personalidade na decoração.

Eu faço uso do papel de parede aqui no apartamento em dois ambientes diferentes: na sala de jantar e em um dos quartos.

O papel da sala de jantar foi, na verdade, uma das primeiras decisões que tomei em relação à decoração: foi como amor à primeira vista, e muitas das minhas decisões posteriores partiram do que combinaria ou não com ele (e isso continua valendo até hoje, como falei recentemente na Redecoração da sala). Já o papel do quarto foi uma decisão bem mais espontânea, mas que também acabou dando super certo, deixando o ambiente muito mais interessante.

Podemos usar os papéis em praticamente qualquer ambiente da casa e de formas bem criativas… basta soltar a imaginação. Para lhes dar uma ajudinha nesse sentido, compartilho com vocês uma seleção de papéis de parede que preparei com padronagens e acabamentos bem diferenciados e que, com certeza, servem como inspiração para nossa decoração.

Ref.: Used Wood

Pra começar, esse papel lindíssimo com aspecto de madeira envelhecida que dá um charme rústico e elegante à essa saleta.

Ref.: Ganesha

Já nessa sala, como vocês podem observar, o papel de parede é completamente responsável por sua identidade visual marcante. Sem ele, o ambiente seria um completo lugar-comum!

Ref.: Brooklyn Tins 06

Esse outro modelo faz referência à telhas de ferro com acabamento esmaltado, e produzem um efeito vintage único (e nem parece papel de parede, parece?!)

Ref.: Ana

Florais são temas comuns em papéis de parede, mas ficam mais interessantes quando são estilizados como nesse modelo presente nessa sala. Cores neutras que podem combinar mais fácil com outros elementos coloridos, como o sofá;

Ref.: siemara

Para quem deseja ousar um pouco mais, há modelos como esse arabesco, que são extremamente impactantes e chiques. Esse papel de parede é um bom exemplo de peça marcante, conceito de que já tratamos aqui no blog.

Um outro exemplo elegante – com pérolas de vidro e relevo palpável. Difícil decidir qual o mais bonito!

Ref.: Eunonia

Esse outro, completamente diferente, já é bem mais delicado, trazendo algo fresco e relaxante ao ambiente…

papel_dana_461113-a_1440x1100

… assim como esse outro, bem colorido, que está sendo usado num lavabo.

papel_tohil_430691_1440x1100

E um presentinho final para apaixonados pelo céu noturno (como eu!)… imaginem dormir num quarto revestido com esse papel na parede estrelado?! Fantástico.

Bem, ideias e possibilidades não faltam. Os papéis desse post são da loja Papel de Parede dos Anos 70, e lá vocês encontram muitos outros modelos igualmente interessantes.

E ah, fica um convite: se você tem em casa um papel de parede maravilhoso, mostra pra gente lá no Instagram (@asagadoapartamento), quem sabe eu não compartilho com os outros leitores seu xodó e ele serve de inspiração pra outras pessoas? 😉

Divirtam-se!

Abraços,

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Esse foi um Publipost da Papel de Parede dos Anos 70.

Redecorando a sala – parte 4: Sobre Peças Marcantes, Quadros e Telas Decorativas

Pode observar: quando a gente entra num ambiente pela primeira vez, nosso olhar costuma ser magneticamente atraído para a direção de um quadro ou tela decorativa, e não é por acaso.

Na composição do ambiente, o quadro geralmente tem um espaço privilegiado, bem no meio da sala de estar ou de jantar. Ele muitas vezes se encontra no que chamamos de ponto focal, e, justamente por isso, pode ser uma oportunidade fantástica para se mostrar um statement piece, termo comum usado na língua inglesa que descreve algo que deliberadamente chama a atenção, seja porque foge do lugar comum, pela beleza singular, ou pela mensagem que transmite. Vou identificá-lo aqui como Peça Marcante – uma peça que pode ser qualquer item decorativo: uma cadeira feita de retalhos, uma poltrona em estilo provençal, um simples centro de mesa exótico… que tem o poder de capturar o olhar e a atenção de quem a vê. Marcante.

Idealmente, ela se integra ao ambiente, complementando-o (seja ele consoante ao resto da decoração ou deliberadamente contrastante) e dizendo algo que tem a ver com o estilo que você quer imprimir ao ambiente ou sua personalidade.

Bem. Quando mudei as cores das paredes na redecoração da sala, me deparei com um problema: a cor nova de uma delas mostrou-se mais intensa do que eu previ:

parede sala de estar verde cinza Coral Pinheiro Inglês

… sim, gostei muito do resultado, mas achei que se eu trouxesse essa mesma cor – mais fechada – para a parede do sofá também, iria deixar o ambiente pesado. Então resolvi pintar a parede do sofá de branco, como forma de de neutralizar a cor mais forte e deixar o ambiente equilibrado.

Esse não era meu plano original, e não fiquei totalmente feliz com o branco: ainda por cima, achei que minha tela antiga (que era preto & branco) ficava muito apagada na parede. Era essa a tela:

tela com luzes LED

Depois que a parede tornou-se branca (na foto acima, a parede ainda estava cinza, como era antes da redecoração da sala), senti que precisava de mudar o quadro, pois faltava algo ali: vida. E para dar vida… nada melhor que cor.

Eu sabia que, o que quer que entrasse ali – fosse uma paisagem ou algo abstrato; uma pintura ou uma fotografia; fosse o que fosse – precisava ter muita cor. E foi assim que comecei a procurar, com esse filtro principal em mente.

Olha, há muitos quadros bonitos por aí, mas é difícil achar um que realmente capture alguma coisa além do “ah, gostei”. Procurei por lojas físicas de quadros e nada me encantou; resolvi então buscar algo na infinidade de possibilidades da internet. Vi muita coisa legal em sites diversificados como o Elo 7 (que inclui reproduções originais, por encomenda, de artistas interessantes), o All Posters (site em português, mas os pedidos vêm dos EUA e podem ser taxados; infinidade de possibilidades, há tudo o que você pode imaginar) e o AliExpress (o famoso site da China; sabendo procurar você acha coisa bem interessante com bons preços, também sujeitos a serem taxados pela Receita).

Durante essas buscas, fui salvando algumas imagens que me chamavam a atenção; mas uma em especial tinha algo que sempre capturava meu olhar: me fazia querer olhar para ela. Por algum motivo. A tal da peça marcante.

Resolvi arriscar e, 1 mês e meio depois da compra… aí está a tela dando a vida que eu procurava na sala:

tela com flores moderna sala

tela floral

A tela é pintada à mão e traz uma explosão de cores muito bem vinda ao ambiente. Eu sentia falta de algo assim, mais alegre, uma vez que meu apê é repleto de tons mais sóbrios (pois não cansam, ampliam ambientes, e claro, são elegantes). Entretanto, foi só agora, com a parede branca, que essa necessidade ‘gritou’.

Gostei muito do fato da tela ter essa textura:

tela colorida quadro sala

… que dá um ar meio caótico à pintura, meio despretensioso, e, ao mesmo tempo, um pouco mais ‘artístico’ do que seria uma pintura ‘perfeitinha’.

E outra coisa, sob o reflexo da luz do dia, a tela fica completamente diferente, quase que em 3-D, as flores ‘saltam’ aos olhos. Tentei capturar:

tela texturizada colorida

… e amei esse resultado inesperado.

E pela manhã cedinho…

View this post on Instagram

luz da manhã invadindo o apê… 🙂

A post shared by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

Comprar na internet tem disso: você nunca sabe exatamente o que vai receber, ainda mais quando são peças pintadas à mão, uma nunca vai ser igual à outra. Eu dei sorte dessa vez de ter ficado super contente com o resultado final na parede, ainda que a tela que eu comprei aparecesse no site bem diferente.

O link para a loja do vendedor está aqui.

Ah, outra coisa: comprando em sites, na maioria das vezes, as peças vem em tubos, enroladas; e aí cabe a você, depois, esticá-las colocando chassi (no caso das telas) ou emoldurá-las de acordo com sua preferência (caso dos quadros) – o que pode encarecer bastante a peça (Comprar em lojas tem essa vantagem, o preço já é final).

E aí, gostaram? Acho que encontrei minha peça marcante! Escolher algo a dedo, entre tantas opções, é quase que apostar; mas quando dá certo, é muito gostoso. Aquela peça específica está ali porque ela te disse algo.

Então, queridos e queridas, minha ‘redecoração’ está quaaase acabando… só faltam alguns pequenos- mas notórios- detalhes que quero acertar antes de dizer, “that’s all, folks!“. Tem sido maravilhoso voltar a escrever aqui e já estou quase ficando com saudade! 🙂

Até breve!

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Passadeiras na Decoração

Até hoje, não tinha adotado tapetes decorativos na sala do apartamento por um simples motivo: não queria esconder meu piso. Afinal, ele foi escolhido após uma looonga e criteriosa seleção, foi um dos investimentos mais altos do apartamento, e continua me agradando demais. Sim, sou só elogios para ele! Foi uma das poucas coisas que não me deram dor de cabeça. Só que, 2 anos após ter me mudado de fato para cá, senti que estava na hora de dar uma cara nova para minha sala, e, ao pesquisar algumas ideias em ambientes decorados, cheguei a conclusão de que o tapete era exatamente o que estava procurando.

Antes de mais nada, vamos dar uma olhada no espaço exato a que estou me referindo:

IMG_9082

Esse espaço, como vocês podem ver, é composto por um estreito corredor de passagem entre o sofá e o rack, muito comum na configuração atual dos novos apartamentos. Assim, fica impraticável o uso da mesinha de centro, e, no caso de utilizar um tapete tradicional, provavelmente metade dele ficaria escondida debaixo do sofá. Não que isso fosse necessariamente um problema, mas, em muitos casos, dependendo da padronagem do tapete, você perderia o efeito estético ao esconder metade do mesmo.

Até que me veio uma ideia….

E aqueles “tapetes de corredor”? Aqueles bem estreitos e longos, sabem do que estou falando? Desses:

passadeira corredor  passadeira corredor 2

Pois então, foi aí que descobri que elas se chamam na verdade passadeiras (rs, nunca tinha ouvido serem chamadas por esse nome!), e sabia exatamente que estava chegando perto do que procurava. A primeira coisa que pensei foi, “mas será que alguém usa passadeira em algum lugar que não seja o corredor?”; mas logo depois me toquei da bobeira que tinha pensado. E daí se ninguém usa? Se me atende, é tudo que importa.

Pesquisando um pouco mais, acabei descobrindo usos diferenciados das passadeiras, como na foto a seguir.

passadeira sala

Ela pode vir delimitando espaços ou criando um corredor estético, caso da foto acima. E realmente adiciona personalidade ao ambiente.

Fui atrás então da minha passadeira em diversos sites, e vi umas padronagens muito interessantes no site da Leroy Merlin. Decidi ir a loja, para ver e sentir de perto alguns dos modelos que mais me agradaram, e lá pude confirmar que o modelo que havia visto no site era exatamente o que eu procurava para a sala.

Primeiro vou mostrar então, depois faço os comentários!

sala com passadeira

Se eu tivesse que pensar num tapete– oops, passadeira– ideal para esse espaço, eu teria pensado em algo exatamente assim. Primeiro, a passadeira o comprimento exato do sofá, o que é incrível; e coube também exatamente no espaço entre o sofá e o rack.

Em segundo lugar, observe as cores da passadeira – são exatamente as mesmas que estão presentes na sala; só que, ao mesmo tempo, devido à sua padronagem marcante, dão vida e deixam o lugar mais acolhedor.

Se você olhar na primeira foto do post, da sala sem a passadeira, poderá ver que o piso, um laminado com vincos laterais que lembram as tábuas de madeira corrida, conferem amplitude ao ambiente. Tinha medo de que esse efeito se perdesse com a passadeira, mas, como podemos ver, a passadeira também tem linhas que a cortam verticalmente, conferindo o mesmo efeito de amplitude estética.

Ou seja… estava escrito nas estrelas!!! ❤

passadeira belga tapete belga

Esse modelo específico foi importado da Bélgica, é da marca Abdalla. Novamente: comprei na Leroy Merlin, e lá tem muitos outros modelos lindos para explorar. Com certeza, você achará outros modelos em outras lojas de decoração. É muito divertido escolher; eu particularmente adoro. Tem passadeiras de diversas faixas de preço; essa em especial não foi barata, mas quando você se apaixona… você se apaixona. Era pra ser essa. E, afinal, ela será uma das primeiras coisas que alguém verá quando chegar aqui, então… vale o investimento!

Fiquei bastante satisfeito com o resultado final! Como sempre digo por aqui, às vezes um único item decorativo muda completamente a forma como o ambiente é percebido.

Bem pessoal, por hoje é só! Não se esqueçam de seguir a página da Saga no Instagram, @asagadoapartamento; lá mostro várias coisas que não mostro aqui no blog, como ambientes inspiradores e coisas úteis para o dia-a-dia.

Abraços e até a próxima!

Thiago S.

@thisardenberg

Se você gostou desse post, também poderá gostar de:

Adega vertical

Pouco espaço, muitas necessidades. Grande dilema que faz parte da realidade de muitos de nós. Gosto de pensar assim: a falta de espaço força você a ser… criativo.

Eu queria muito ter uma adega. Primeiro porque, óbvio, sempre tenho uma quantidade razoável de garrafas de vinho em casa e seria legal ter um lugar específico para elas. Segundo porque… elas são lindas, não são?! 🙂

Quando pensamos em adegas, pensamos basicamente em dois tipos: aquelas tradicionais de carvalho e/ou madeira, em forma de barril; e as climatizadas, mais modernas e sofisticadas:

adegas

As primeiras tem seu charme: remetem ao armazenamento antigo de vinhos em grandes barris de carvalho para seu amadurecimento, e dão um ar bem rústico ao ambiente. Entretanto, essa opção simplesmente não combinaria numa sala com traços mais contemporâneos como a minha, por exemplo (e realmente não há outro lugar onde ela pudesse ficar). As últimas, posso dizer que seriam ‘ideais’ para o armazenamento de garrafas de vinho mais caras, especialmente aquelas que vão ficar armazenadas por um tempo maior: alguns meses, talvez até anos. Vinhos de colecionadores, vinhos que evoluirão com o tempo. Como faço uso do vinho de forma mais ‘despretensiosa’, no dia-a-dia, e para socializar com amigos em jantares informais, não vejo grande necessidade da adega climatizada (pelo menos ainda… quem sabe no futuro? quando tiver um apartamento maior? quando estiver comprando garrafas de 200 reais? rs). Outro fator a ser considerado, contra essa opção, é o consumo de energia (é preciso pesquisar bem qual modelo comprar, e qual seria o impacto dele na sua conta de luz).

Bem, tanto uma quanto a outra opção não me satisfazem plenamente e, mesmo que fosse o caso, eu simplesmente não *teria* onde colocar essas adegas. Em cima do rack? Ficaria estranho. Por onde olhava, ficaria estranho, estranho, estranho.

Então…. o que fazer?

Aí, vendo um daqueles programas americanos de renovação de espaços, vi uma ideia interessante: as garrafas eram dispostas em módulos em uma parede, fazendo parte da decoração. Depois, fui procurar na internet os tais módulos e encontrei:

adega modular parede

Aí você vai colocando quantos forem necessários, dá pra fazer uma parede inteira disso e fica bem legal esteticamente. Em minhas pesquisas, vi também muitos outros modelos de adegas verticais, até que encontrei uma bem simples, mas que dava um efeito muito legal. Vamos ver?

IMG_88741

 

Adorei! Notem que a adega é super clean, não pesa no ambiente; o destaque acaba ficando para as garrafas em si, que viram parte da decoração. E o legal, também, é que aqui ficou super bem casado com os adesivos da cozinha, integrando a sala e a cozinha tematicamente.

E o melhor, sabe onde a adega está? Atrás da porta de entrada, num espacinho que, antes, era completamente morto!

IMG_88751

E, agora, a impressão que fica era que aquele espaço estava esperando por essa adega esse tempo todo (e é essa justamente a intenção por trás de todo problema que eu encontrei aqui no apê até hoje… fazer parecer que era intencional, desde sempre!). Até pensei em colocar duas, uma em cima da outra, mas achei que seria exagerado, pois eu não sou ‘colecionador’ de vinhos, eu compro para beber mesmo, como já disse, no dia a dia. Um tá bom! A adega no detalhe:

IMG_8871

 

Taí, uma solução tão simples, que fez uma grande diferença aqui!

E ah — pra quem estiver interessado, eu comprei a adega através do Mercado Livre; é só procurar por “adega vertical” que vocês vão encontrar essa e outras opções de adegas de parede.

Por hoje é só, pessoal! Gostaram?

Abraços,

Thiago.

 

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Fonte decorativa de mesa

Adoro fontes: sejam elas de mesa, de jardim, ou aquelas fontes exuberantes como as de Las Vegas.  Sempre fui atraído por elas. Muitas vezes a estrutura em si já é digna de admiração, mas também posso dizer que a água em movimento me acalma.

Então, quando senti que estava faltando algo em cima da minha mesa da varanda, logo embaixo da floreira, logo pensei em finalmente trazer uma pro apê. E aí começou a parte mais difícil: escolher!

Vou compartilhar aqui algumas das fontes que vi online e que serviram como ‘inspiração’ para a que comprei; mas vale a pena lembrar que vale muito a pena ir nessas lojas pequenas de decoração da sua cidade, eles geralmente tem modelos de fontes muito legais e exclusivas. Eu mesmo fiquei em dúvida entre um modelo que vi online e outro que vi numa lojinha ‘desconhecida’ aqui perto de casa.

Bem, vamos lá:

fontes decorativas de mesa

As duas fontes com fundo branco são da Homedics e podem ser facilmente encontradas em lojas online grandes como a Americanas e o Extra. São muito bonitas, mas li algumas restrições em relação à qualidade dos produtos.

As outras são todas da Gi Presentes/ Greent Imports, que conheci na minha busca por fontes e super recomendo.

Vocês podem notar que todas as fontes tem uma luz LED embutida, o que torna o visual muito bonito à noite. Até mesmo de dia, a luz LED é notável.

E agora vamos ver a fonte que escolhi….

fonte de água decorativa com LED

Ela também é da Gi Presentes, e tem como referência o nome “Mini Jarros”. Eu dei uma ‘incrementada’ nela decorando-a com alguns minerais que tinha aqui, como a ametista, a pirita, olho-de-tigre etc, e, dentro do jarro maior, onde há a luz LED (que é bem forte), coloquei uma pedra lapidada.

luz led fonte

Dá uma quebrada na luz direta e fica mais ‘natural’. De noite, o efeito é fantástico.

luz led decorativa

E aí pronto– acho que agora não está faltando mais nada ali no cantinho da varanda. É só sentar ali, tomar um café e relaxar 🙂

decoracao sacada pequena

Ah, e se vocês quiserem ver a fonte em funcionamento, deem um pulo no Instagram do blog (sim! o blog agora tem Instagram!), que coloquei um pequeno vídeo com a fonte. Lá no Instagram, vou postar coisas de decoração menores – como, por exemplo, um relógio lindo pra cozinha que comprei – coisas que não justificam, na minha opinião, um post inteiro aqui, mas que valem a pena ser compartilhadas também. E vou fazer algo que não faço aqui, que é compartilhar ambientes/ itens decorativos de outros lugares que também acredito que sejam inspiradores. Então deem uma olhada lá!

O BLOG no Instagram: @asagadoapartamento

O BLOGUEIRO no Instagram: @thisardenberg

Abraços,

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de: