Objetos de desejo: Mesa de jantar

É, queridos e queridas, dezembro chegou, e cadê meu apartamento? Estou doido para começar a postar as famosas fotos de antes e depois por aqui!

Enquanto essa hora não chega, uma das coisas que mais tenho gostado de fazer é passar horas namorando lojas de móveis, seja online ou nas lojas físicas. Ainda que a experiência online seja, talvez, mais ‘eficiente’, creio que nada se compara a poder de fato tocar os objetos, senti-los, sua textura, seu material. Alguém tem coragem de comprar um sofá, por mais lindo que seja, sem nunca ter sentado nele? Bem, eu não. A internet ajuda com as ideias, mas fechar negócio… só numa loja física!

Minhas aventuras por essas lojas já começaram há um bom tempo, então, depois de cruzar inúmeros corredores de dezenas e dezenas de lojas, você sabe exatamente o que te agrada… ou não (O problema é quando você não acha mais aquilo que você quer, porque saiu de linha, se esgotou, foi vendido. Acontece. Mas sempre aparece outra coisa… diferente, sim, mas linda do mesmo jeito).

Hoje vou compartilhar algumas fotos de algumas dessas andanças por aí, focando especificamente em um item central da sala de jantar, a mesa.

Essa primeira já diz bastante sobre meu gosto (foquem na mesa, esqueçam o tapete vermelho!). O tampo, pra mim, tem que ser de vidro, porque acho que funciona bem num ambiente menor como minha sala (e também acho elegante rs). Depois, as cadeiras: gosto muito desse material, chamado suede. É muito gostoso ao toque.


A base nesse caso é de madeira, combinando com os pés das cadeiras. Nesses shoppings de móveis como o Rio Design e Norte Design, eles geralmente dão diversas padronagens de madeira para escolher, indo de tons mel até tons mais escuros, passando por laca branca ou preta.

Essa seria uma mesa com laca branca, também disponível em tons de madeira. Esse modelo específico acho maravilhoso, mas ocupa bastante espaço. E essas cadeiras são confortabilíssimas!! Uma delícia de sentar para passar horas num bom jantar com amigos. (loja SCJ Design, no Carioca Design)

Outro modelo muito interessante, toda de laca branca, com a base bem moderna, e tampo de vidro.

Já o que chama atenção aqui não é tanto a mesa em si, mas sim o estofado das cadeiras, lindas. Vi numa revista há um tempo atrás um papel de parede extremamente parecido com essa padronagem, e talvez fizesse um jogo interessante repetir em uma parede da sala de jantar o padrão das cadeiras. Essa mesa é da Bellagio Decorações.

Já esse é um modelo de mesa quadrada, com madeira bem escura, mas que não fica pesado por causa das cadeiras em tom mais claro. Loja Riali.

Outro modelo quadrado (só que maior, para 6 pessoas), de laca branca, muito interessante. Um modelo assim, entretanto, demandaria mais espaço. Dá pra ver que as opções de bases, vidros, tamanhos, tecidos e cadeiras são inúmeras… Essa é da PFE.

MESA INOX

Já esse modelo tem base de aço inox, com tampo de vidro que pode ser assim incolor ou com vidro branco e preto. Não gostei dessas cadeiras, acho que tem mais a ver com cozinha do que sala, mas sempre é possível combinar uma mesa com cadeiras diferentes.

Os seis primeiros modelos são todos de lojas do Norte Design (no Norte Shopping, RJ) e do Carioca Design (no Carioca Shopping, RJ). As versões para 4 pessoas delas estão na faixa de 2 à 3 mil reais. As versões para 6 pessoas chegam à 4 mil reais ou mais. Lembrando que, sempre, é muito válido negociar, e essas lojas geralmente aceitam negociação, especialmente se o pagamento for à vista, aí conseguem-se descontos fantásticos. Já o último modelo pode ser encontrado em lojas como a Toque a Campainha, e, com essas cadeiras, paga-se menos de 2 mil reais.

Infelizmente lojas grande como Toque a Campainha, ETNA e Tok & Stok não trabalham com desconto para pagamento à vista, o que também me leva à achar esses shopping de móveis uma alternativa mais viável, não só pelo preço, mas também pelas opções.

Por hoje é só… até a próxima!

Se gostou desse post, também vai gostar de:

Tintas da Sala e Quarto

Na pauta, hoje, as tintas que usarei na sala e nos quartos!

Bem, primeiramente, decidi que iria usar as tintas da Coral. Os vendedores das lojas me disseram que em termos de qualidade não perde em nada para a Suvinil, por exemplo, e costuma ser um pouco mais em conta. Vi uma parede com acabamento acetinado da Coral na casa de uma tia que me tirou qualquer dúvida. Gostei muito.

No meu quarto, o branco será predominante nos móveis, na cama, painel, estante…. então sabia que precisava de uma corte mais forte, mais marcante para contrastar com aquele branco todo. E essas são algumas fotos que me inspiraram na composição do ambiente:

Então já deu para perceber que azul era o tom de minha preferência, né? Mas não queria um azul qualquer, queria um azul marcante mas ao mesmo tempo convidativo. É difícil escolher, há centenas de nuances…. mas acabei me decidindo por esse tom:

O nome da tinta é PLUMA DE PAVÃO. É um azul que tem um quê de verde em algum lugar. Essa foto é do simulador do site da Coral, e essa próxima é uma foto que encontrei de uma parede pintada com apenas uma demão da tinta (e portanto não está pronta; mas mesmo assim note que o azul claro da parede ao lado some do lado dessa!)

Para a sala, não queria algo tão marcante assim, porque acho que enjoaria mais fácil, e também fica mais complicado para combinar. Mas senti que precisava fugir do branco total.

Algumas imagens que gostei:

Gosto muito do cinza. Sempre ouço dizer que a cor está muito bem cotada, que é moderna etc. etc. Mas a verdade é que acho uma cor sóbria e elegante, e, com certeza, vai combinar com aquele papel de parede que comprei (lembram?) E é assim, com pequenas escolhas, que a nossa decoração vai tomando forma, uma coisa levando à outra.

Não queria um cinza muito fechado, e sim um cinza mais claro que pudesse sim contrastar do branco, mas que não fosse escuro demais pois o ambiente será pequeno. Cheguei então nesse tom:

Infelizmente não encontrei uma foto online dele numa parede real, então vai só a do simulador mesmo. Como veem, é um cinza, mas não tão fechado quanto os anteriores.

Então…. os vencedores foram:

Ambas as tintas ganharam acabamento acetinado.

E creio que por hoje é só, pessoal. Até a próxima!

Abraços!

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Pastilhas de Vidro, parte 2

Enfim chegaram as pastilhas de vidro que eu comprei na Pastilhart! Adorei! Pena que agora parece que vai demorar mais tempo para elas estarem numa parede…. Mas vamos às fotos:

Primeiro, a pastilha estilo inox Prata Brilhante:

e no detalhe:

E agora as pastilhas de espelho:

e no detalhe – dá pra ver que é espelho mesmo! 😉

Adorei!!! Muito lindas, não?

🙂

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Atraso nas Chaves

Sabe quando você leva uma porrada tão grande que você nem sabe de onde veio, e nem consegue sentir direito? Pois bem, é mais ou menos como me sinto agora.

Depois de perdermos um dia inteiro (de trabalho) para realizar o AGENDAMENTO da entrega das chaves (estava para o dia 16/11), eis que a maldita MDL Realty (por favor gente, NUNCA!) nos avisa, quase na véspera da entrega, que a mesma teria de ser adiada por um “pequeno” empecilho: gás no condomínio.

Olha a inteligência: O condomínio inteiro foi preparado para ser abastecido com Gás natural, da CEG. Mas só agora, na última semana, parece que se deram conta do fato de que, ó!, não há GN no bairro do condomínio.

Agora parece que acelerarão uma alternativa de abastecimento através de cilindros de GLP, como num condomínio próximo. Para mim, honestamente, é indiferente; mas cara, por que deixaram para resolver isso AGORA?! Pagamos uma absurda taxa de instalação justamente para esse tipo de serviço… que não foi realizado.

Isso chega a ser má fé.

Não adianta querer culpar a CEG – é falta de planejamento da construtora sim! Vou procurar um advogado ainda essa semana, como outros condôminos já estão fazendo. Triste.

A previsão nova é mês que vem. O que mais dói é ver as chaves na sua frente, e do nada vem esses bandidos e acabam com seu sossego. Não deixem esse tipo de coisa barato, leitores. Procurem sempre ir atrás de seus direitos!

É amigos, apartamento na planta pode ter suas vantagens…. mas pra mim, honestamente… nunca mais.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Escolhendo o Papel de Parede

Quem lê revistas de decoração sabe bem: em praticamente qualquer ambiente, é comum nos deparamos com uma incrível diversidade de lindos e arrojados papéis de parede.

Essa semana resolvi finalmente escolher o padrão que irá figurar na sala de jantar. Cobrirá uma parede de apenas 1.35m de largura, mas estará estrategicamente posicionado de forma que quando se entre no apartamento, ele faça toda a diferença.

Bem, de antemão, lhes digo que os mostruários de papéis de parede mais confundem que clareiam as ideias! São muitos padrões lindos! Então é bom você já ter uma ideia, mesmo que vaga, do que procura; de outra forma, será difícil chegar a uma decisão. Vou dividir com vocês alguns dos que mais me chamaram a atenção. Vai aí um “TOP-10”! (sem ordem de preferência)

Achei todos estes lindos, mas, no fim das contas, o vencedor foi…..

Foi amor à primeira vista. Achei elegante e sóbrio, devido aos tons pastéis e claros; mas, ao mesmo tempo, é bem moderno, com seus galhos, ramos e flores estilizadas levemente metalizadas fugindo do convencional. Não é o tipo de papel que cansará rápido, mas tem sua presença. E, ainda por cima, será fácil combinar com outros tons claros no apartamento.

Todos esses papéis do Top-10 são importados de design italiano e vinílicos, o que os tornam mais caros que os papéis nacionais. Mas dá pra ver claramente (não só ver, mas sentir, ao manusear o papel) que a qualidade é muito superior à papéis não vinílicos. Mas vale dar uma olhada nos nacionais da Bobinex, por exemplo, que fabrica alguns bem interessantes!

Na minha parede de 1,35 m de largura, 1 rolo desse papel será o suficiente – o que torna financeiramente praticável a aplicação do mesmo considerando a atual conjuntura! 1 rolo tem 10metros, e 50 cm de largura.

Então, espero que tenham gostado da seleção…. e espero quando forem tomar suas decisões, se divirtam tanto quanto eu me diverti escolhendo! É difícil, mas muito gostoso 🙂

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Pastilhas de Vidro

Uma das poucas certezas que sempre tive em relação à decoração do apartamento era a de que usaria pastilhas de vidro na cozinha e no banheiro. Acho lindo demais! Sempre ficava babando quando via fotos de ambientes decorados com pastilhas.

Só que em meio a tantas possíveis combinações, formatos e cores, fica dificílimo chegar numa decisão final. Especialmente quando se tem TEMPO para escolher e ver todas as inúmeras possibilidades, como no meu caso, enquanto esperava pelas chaves. Mas, enfim, acabei de me decidir!

Após pré-selecionar alguns modelos, e imaginar como eles seriam usados na decoração, estes foram os vencedores:

1. Para o banheiro, pastilha de Vidro Crystal Glass, da Pastilhart.

Farei, em uma parede do box, uma parede inteira dessas pastilhas espelhadas, pois, como o banheiro é pequeno, o efeito espelhado proverá um senso de amplitude enorme (e necessário).

Veja a pastilha aplicada em alguns ambientes:

Cada placa custa atualmente R$19,90 na Pastilhart, tendo 30X30 cm a placa. Cada uma das pastilhas tem 2,3 cm.

*

2. Para a cozinha, Pastilha Prata Brilhante, Estilo INOX Polido, da Pastilhart.

Na cozinha, as pastilhas entrarão em cima do balcão e no espaço entre o fogão e o depurador de ar. Seguem alguns exemplos das pastilhas INOX aplicadas, que achei na Internet.

A pastilha Prata Brilhante é um pouco mais cara que as pastilhas de espelho, R$29,90 a placa de 30cm com pastilhas de 2,3cm. Ainda assim, muito mais barato do que tenho visto em Lojas Físicas como a Leroy Merlin, Inove e especializadas, que chegam a cobrar mais de R$50 por cada placa de 30cm. Para visitar o site da Pastilhart, clique aqui.

O ‘problema’ agora vai ser achar mão de obra confiável para realizar o serviço. As lojas não indicam profissional, e muitos pedreiros se recusam a fazer o serviço alegando ser difícil (e é verdade, há técnica especial para o assentamento), com medo de caso dê errado, serem responsabilizados.

Se por acaso alguém puder indicar um profissional especializado….. estou aceitando sugestões.

***

P.S. As chaves agora têm data certa: 16 DE NOVEMBRO…. enfim! 🙂

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Ar condicionado

O fato de que o primeiro eletrodoméstico comprado exclusivamente para o apê tenha sido um ar condicionado diz muito sobre mim (e sobre a alegria diária de viver num lugar como o Rio de Janeiro). Eu consiguiria me mudar sem TV, sem internet, talvez até sem geladeira. Desde que tenha um ar condicionado no quarto! rs

Então, a dúvida óbvia era: split ou de janela?

Bem. Conheço duas pessoas que optaram por split em seus apartamentos novos, mas que tiveram um gasto enorme com a instalação, acima do esperado, pois várias adaptações tiveram de ser feitas (como a da voltagem, entre outras; splits funcionam em 220V em geral). Não saberia entrar em pormenores técnicos, o que me interessa é que foi gasto bem mais que o valor do aparelho só com a instalação. (Sem falar na manutenção periódica, que é cara)

Daí a pergunta: Por que split? A vantagem que sempre ouvíamos era, “é muito mais econômico”. Pois bem, isso não é muito difundido, mas, os ar-condicionados de janela atuais gastam O MESMO que um split (se tem a mesma potência, claro). O que importa é prestar atenção em comprar aparelhos “classe A” Inmetro. Talvez isso não seja muito promovido justamente porque não é interessante cobrar menos por uma instalação e manutenção quando se pode ganhar muito, muito mais, sabe?

Sugiro o site http://www.modernopapo.com.br/?p=2256 para maiores esclarecimentos sobre o assunto.

Tirando isso do caminho, o que temos? Um preço mais justo, uma instalação e manutenção mais barata, a mesma eficiência. O que sobra? A estética do split. Ok, em certos casos o split é sim mais bonito. Mas é inegável também que os ar-condicionados de janela estão melhorando nesse aspecto. Dá uma olhada no vídeo do meu modelo eleito (O Consul CCN07B Eletrônico) e vê se estou mentindo.

Controle remoto, silencioso, classe A, direcionadores verticais de vento. Para mim, não sobrou dúvida. E ainda mais na promoção!! 🙂

É o que temos para hoje.

P.S. Essa semana teve a assembleia de instalação do condomínio, onde foi eleito síndico, entre outras coisas como discutir acaloradamente com os responsáveis pelo empreendimento com vários meses de atraso. Em breve, entretando, estaremos marcando a entrega das chaves…. sem supresas desagradáveis, espero eu!

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

A saga do piso, parte 2: Ideias de ambientes com piso laminado

Como disse no primeiro post sobre a questão do piso, amo a Durafloor – marca de pisos laminados que, na minha opinião, tem as padronagens mais bonitas e diferenciadas do mercado.

As vantagens do laminado são muitas; fora a beleza e praticidade na limpeza e colocação do piso, há também a grande vantagem da durabilidade, quando comparado à pisos de madeira maciça ou estruturada, por exemplo. O piso laminado arranha muito menos, e não precisa (não pode!) ser envernizado.

Algumas desvantagens incluem, talvez, o preço. Há boas promoções para quem procura; já vi o m2 de uma das linhas da Durafloor por R$49,90. Mas isso depende muito da linha: A Durafloor tem atualmente 8 linhas diferentes, e os preços podem chegar à R$120 o m2. Vocês podem conferir mais detalhes das linhas e padrões no site deles.

Pesquisei muito sobre o assunto e creio que o Durafloor será de fato a escolha de piso do apartamento.

Compartilho aqui a foto que, para mim, foi a grande responsável pela minha decisão:

Fiquei fascinado com a sala. Clean, sofisticada, muito elegante. Acredito que o piso contribuiu muito para dar esse efeito. O padrão em questão é o Nogueira Antígua, da linha Durafloor Vintage. Acho lindos esses vincos na lateral das réguas, que remetem às tábuas de madeira maciça, sem falar no fato de que conferem muita amplitude ao ambiente.

Pois bem, já estava tudo decidido, só que aí qual foi minha surpresa ao saber que tal padrão saiu de linha e não é mais comercializado! Inacreditável… uma das poucas certezas pré-chaves, e agora teria que tomar nova decisão.

O bom é que já tinha em mente mais ou menos o que procurar: um padrão claro, pois amplia o ambiente cujas dimensões são reduzidas; e, de preferência, com vincos na lateral.

Com esse afunilamento, encontrei algumas possibilidades. Todas elas são da linha Studio da Durafloor, pois é uma linha com padrões vincados. Minha dúvida atual reside entre:

1. Carvalho Malta, Linha Studio, da Durafloor.

2. Carvalho Antigo, Linha Studio, Durafloor.

3. Carvalho Dover, Linha Studio, Durafloor.

Quando o vi no catálogo, ele não tinha me chamado atenção; mas quando o vi colocado, no apartamento do pessoal do blog Braga’s Home, amei. Veja a diferença:

No catálogo…..

… e colocado (as duas últimas são da Pergo Acabamentos também.)


Bem diferente, não? O que comprova que precisamos sempre ver o piso na nossa frente, de preferência num show room, antes de comprá-lo, pois as imagens da net podem enganar bastante.

Pode ser que até a compra eu mude de ideia (ou pior, que esses padrões saiam de linha nesse meio tempo…. hmpf), mas acho difícil…. Estou convencido que será um deles! E mal posso esperar para fechar negócio logo, e ver como ficará no MEU apê!!

Até breve!

Thiago

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

O apê em 3D

Se até Glee pode ter uma versão em 3D, por que não o meu apê? Chegou a hora de os apresentar, formalmente, ao espaço físico do meu apartamento.

Com o Floorplanner, qualquer um pode criar sua planta baixa (qualquer um mesmo – se eu, que não tenho experiência alguma com esse tipo de programa, consegui, você com certeza consegue!), e, a partir dali, o programa cria um ambiente 3D do espaço. É divertido. Você pode até mobiliar para ter uma noção de como ficaria a disposição nos ambientes.

Não achei extremamente fácil a princípio, mas depois a gente pega o jeito. Vale a pena dar uma olhada no vídeo de introdução, que mostra algumas das propriedades do programa.

Vamos lá:

A planta baixa que criei no site foi essa:

Confesso que ficou bem parecida com a planta baixa original. O apartamento tem, no total, 52 m2.

Agora os ambientes 3D. Mobiliei algumas coisas para dar uma melhor perspectiva.

Esta primeira seria a visão à partir de fora do prédio.

Da esquerda para a direita, temos a cozinha, a varanda, e em seguida os dois quartos.

Agora, uma visão de cima do apartamento.

Lá na parte superior dá para notar a cozinha americana, com o detalhe da bancada (que não vai ser desse jeito…); logo abaixo a sala jantar/estar; o quarto 1 de frente para o banheiro e o quarto 2.

Agora, uma visão parcial da sala…

… do quarto 1….

… e do quarto 2.

É mais ou menos isso. Recomendo o site, se estiverem dispostos a gastar uma horinha ou duas, dá para ter uma ideia do espaço e como ser aproveitado.

Então, fica a dica… e até a próxima!

P.S. O Habite-se do apartamento foi emitido. Agora a construtora diz esperar pela certidão, que deve demorar mais uma semana; para poder levar ao cartório para a averbação (processo que pode durar de 15 à 45 dias). A previsão de entrega ainda continua para outubro, e tenho fé que será realmente cumprido o ‘prazo’ dessa vez!

Contato Publicitário - Solicite o Mídia Kit

A saga do piso, parte 1: problemas com a construtora

Os convido a fazer uma pequena viagem a Julho de 2010.

E-mail #1, meu para a MDL Realty. 12/07/2010

“(…) Recebi uma carta de vocês falando sobre as opções de piso disponíveis para o apartamento (piso padrão ou só contrapiso), pedindo que a carta fosse mandada de volta com a opção escolhida. (…) Para evitar quaisquer tipos de problemas futuros, eu gostaria que vocês me enviassem por e-mail uma confirmação da opção que escolhi: ou seja, sem a colocação de pisos nas salas de jantar e estar, circulações, e quartos

E-mail #2, da construtora para mim.  20/07/10

“A solicitação já foi encaminhada a construtora, onde a mesma já fez a solicitação a obra. Porem para deixar tudo registrado e evitarmos problemas futuros, encaminhamos uma correspondência para sua residência, para poder confirmar sua solicitação referente a não colocação de piso nas áreas de circulação, quartos e salas.”

*

A Carta é recebida e preenchida; enviada de volta, e fico com o recibo do aviso de recebimento.

*

Agora vamos avançar um ano no tempo?

*

E-mail #3, meu para a MDL. 06/07/11

“Tinha sido acordado que os pisos seriam deixados dentro de caixas, no apartamento. Entretanto na vistoria hoje, verifiquei que os pisos haviam sido colocados em todas as áreas. Espero que possa ser cumprido o que tinha sido acordado originalmente, inclusive com as caixas do piso novo e não-utilizado dentro do apartamento.”

*

E-mail #???, da construtora para mim. 20/08/11

A mudança já foi providenciada. Até o final do dia informarei a data da nova vistoria.

*

E-mail #???, meu para a construtora.  31/08/11

Realizei como agendado a vistoria ontem, mas, mais uma vez, ficaram pendências.
O piso foi retirado, mas o apartamento estava todo cheio de buracos, devido a quebra. Me informei com uma loja especializada e descobri que para a instalação do piso que quero, é importante que o contrapiso esteja completamente LISO, e nivelado. Me disseram que fariam isso até a entrega.
Em segundo lugar, as caixas com o piso a que tenho direito não estavam no apartamento, mas também me garantiram que estariam lá até a entrega.
Esse é apenas um registro formal das promessas que foram feitas, afinal, já me disseram que resolveriam a situação. Espero que façam valer as promessas e que na próxima visita esteja tudo finalmente como era para estar desde a primeira vistoria em julho.

*

Se cansa só de ler….. tente vivenciar. Houve de fato uma interminável quantidade de e-mails de minha parte simplesmente cobrando uma resposta que nunca vinha. Muito cansativo.

Enfim, ontem, 13/09, fiz a terceira vistoria. Quando cheguei os pedreiros estavam no apartamento. Já as caixas de piso, não, “mas estavam subindo”. Chega de vistorias, quero as chaves! Espero que quando as receba não haja mais nenhuma surpresa desagradável. Fora isso, o apê parece estar pronto: água, luz e gás ok, pintura ok, cerâmica ok. “Ok” no sentido de aceitável apenas, porque essas construtoras trabalham com aquele material bem básico, bem genérico. Vou (ter que) trocar a maioria desses acabamentos quando me mudar.

Agora o piso, que absurdo! Eles tiveram o trabalho de colocar, pra tirar, depois nivelar, quando poderiam simplesmente… não ter colocado. Algo que já tinha sido acertado há 1 ano. Enfim…. parabéns, MDL Realty e Sinco Engenharia, pela burrice e falta de comunicação.

A continuação desse post vai ser sobre o processo de decidir qual será de fato o piso definitivo. Ainda não tenho certeza, mas…. bem, eu AMO Durafloor!!! 🙂

 

Se você gostou desse post, também vai gostar de: