Porcelanato estilo Madeira de Demolição

Nosso lar, por ser um claro reflexo de quem o habita (e que transforma um simples espaço físico em um “lar”), está sempre em evolução, já que nós mudamos com o tempo. Então uma vontade de mudança é cíclica, vai e vem, em ondas.
                                                                                                                                                  .
Ano passado, fiz algumas reformas que trouxeram uma dinâmica completamente diferente para o apartamento: reformei completamente a sala, trazendo mais cor através da pintura das paredes, da nova tela como ponto focal na sala, das molduras usadas de diversas formas; coloquei também rodatetos e troquei a bancada americana, com um viés mais funcional. Foram reformas que não tiveram um impacto financeiro enorme, mas com certeza injetaram vida e personalidade nos ambientes; assim como fizeram melhor uso do espaço. Mais que dinheiro, o que importa é sempre uma ideia na cabeça.
                                                                                                                                                .
Esse ano, as ideias são outras. Estou repensando outros ambientes, e tenho pesquisado muitos acabamentos para ver o que tem de novidade no mercado (sempre tem alguma coisa!), as novas tendências, e, claro, filtrando tudo isso pelo meu gosto pessoal e as próprias ideias que tenho para os ambientes.
                                                                                                                                                .
No post de hoje, irei compartilhar algumas das ideias que tive em relação a um dos ambientes que serão reformados, pois já decidi sobre um dos tipos de acabamento: o porcelanato que imita madeira de demolição.
Decortiles Ecovilla Pastilhart
A madeira de demolição original tem um viés sustentável, no que reaproveita a madeira usada na demolição de casas e obras grandes, dando um novo e diferenciado uso às peças. Atualmente, a madeira de demolição tem sido usada como contraste entre o antigo e o moderno em diversos projetos arquitetônicos, resultando em belíssimos trabalhos, com elegância e responsabilidade ecológica.
Porcelanato Ceusa Oliva
A madeira de demolição conserva traços de sua exposição ao tempo, à chuva, ao Sol; ela as exibe com orgulho!
Painted HD Portinari

Mas, claro, nesse post, estamos lidando com porcelanatos que imitam a madeira de demolição – todas as fotos desse post são exemplos – e não ela própria. Uma vez que a madeira de demolição tornou-se objeto de desejo, as fabricantes de porcelanatos passaram a fabricar peças com resultados extremamente parecidos – até ao toque – à madeira de demolição natural.

As vantagens são óbvias: você pode usar o porcelanato em madeira de demolição em ambientes que, tradicionalmente, não são recomendadas as madeiras naturais ou laminados, como a cozinha, o banheiro ou áreas externas; mas, preservando a estética e o estilo conferidas pelas mesmas.

ceramica-provenceacabamentos

Dependendo do quanto você estiver disposto a investir, as opções são muitas, e os preços podem variar bastante. Eu tenho feito muitas pesquisas e já vi preços que vão de R$24,90 o metro quadrado…

PISO-MADEIRA-DEMOLICAO-INCEFRA

… como esse acima da Incefra, em placas de 50×50…

… até preços que passam facilmente da casa dos R$100 o m2 (podendo chegar a quase R$200), como é o caso desse modelo abaixo da Itagres, em placas de 17×103 cm, onde cada peça da caixa tem características próprias, dando um ar bastante natural ao resultado final.

porcelanato_borda_reta_rustique_rouge_17x103cm_itagres_89044816_00010_600x600 rustique rouge 

Os modelos desse post (fora o da Incefra) são deste último tipo, com placas no formato de piso laminado, e realmente não há comparação em relação à estética final. Isso se reflete no preço, claro: nesse tipo de acabamento retangular, o mínimo de preço que encontrei foi R$75 o metro quadrado.


ade95f44c02ed12589fd253de9a7dde8

Mas o investimento vale a pena…. O resultado final é simplesmente incrível, não é? Olha esse box do banheiro com o porcelanato em madeira de demolição (e cimento queimado). Nunca que usaríamos uma madeira dessa num ambiente diretamente exposto à água; porém, o porcelanato permite isso.

porcelanato rustico

Bem, posso adiantar que esses foram alguns dos “finalistas” para um dos ambientes que vou reformar, mas não escolhi nenhum desses, no final! Em breve mostro pra vocês como ficou o resultado, a obra está para começar! Até lá, não se esqueçam de seguir nossa conta no Instagram: @asagadoapartamento, estou sempre postando ambientes inspiradores e novidades por lá!

Abraços,

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Dando cara nova ao lar, sem gastar muito!

Em primeiro lugar, queria responder a alguns de vocês que me escrevem perguntando o porquê de eu não ter escrito tanto quanto antes por aqui. Nesses anos em que venho escrevendo o blog, já falei sobre muita coisa: sobre a espera interminável pela entrega das chaves (e toda a ansiedade que cerca esse momento), sobre a eventual entrega das chaves (e aquela sensação de mal saber por onde começar), sobre a escolha de cada um dos acabamentos e de cada móvel (pensados em c-a-d-a espaço), sobre as empresas confiáveis com as quais lidei (e aquelas que devem ser evitadas a todo custo), sobre os problemas que surgiram (e sobre as soluções que encontrei)… já falei até sobre a minha experiência olhando criticamente para muitas das decisões que tomei. Ou seja, já falei muito!

A resposta para a pergunta tem a ver com o fato de que sempre me pergunto, “qual seria o alcance desse post, quem estaria interessado nisso? A quem ajudaria? Daria um post interessante?” É verdade que sempre estou mudando alguma coisa ou outra aqui em casa; mas eu não vou justificar um post inteiro aqui para falar sobre um relógio de parede novo que eu comprei pra colocar na cozinha (por mais lindo que ele seja rs). Não dá!

Foi até em parte por isso que eu criei o Instagram do blog (@asagadoapartamento): lá sim eu me sinto mais à vontade para colocar essas novidades menores do apê, e também compartilho alguns ambientes inspiradores e coisas da decoração de outras pessoas, que se encaixam na ‘ideologia’ do blog (criatividade, otimização de espaços, etc etc). Já aqui, como vocês sabem, me dedico exclusivamente a falar sobre minhas escolhas para o apê.

Agora , pra mim, tem sido um prazer pensar nos detalhes da decoração, ir aparando as arestas e tornando as coisas ainda mais práticas e funcionais… sempre mantendo em mente a ‘identidade estética’ que tentei conferir ao meu lugarzinho. Então, nossa conta lá no Instagram é uma companhia para o blog e realmente tenho ficado mais ativo por lá. Vou fazer um apanhado das novidades que postei por lá para quem ainda não segue ou não tem conta no aplicativo; novidades essas que ajudam à dar uma cara nova ao lar, sem necessidade de obras, de dor de cabeça, e o melhor… sem gastar muito! (todos os itens decorativos a seguir custaram, pasmem!, menos de R$100).

* * *

Amo meu porta-rolhas novo! Inclusive, ele é um elemento-chave do layout novo do blog! Já viram? Espero que gostem 🙂

A post shared by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

A primeira coisa que queria mostrar é esse porta-rolhas lindo que importei pelo Amazon, pois ele faz parte do layout novo do blog.

Já mostrei aqui e aqui antes que esse tema tem sido recorrente na decoração do apê, um reflexo do fato de que cada vez mais eu me aproximo e apaixono pelo mundo dos vinhos.

Escolhi esse porta-rolhas pois não só ele é lindo como também carrega essa mensagem “bons amigos, bons momentos, bons vinhos”, que é algo que traduz muito do que desejo experienciar aqui em casa. E tem coisa melhor? 😉

* * *

Dando uma cara nova pra varanda no fim de ano com esses adesivos de ladrilhos da @westwingbr

A post shared by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

Outra coisa muito legal, cujo resultado até superou minhas expectativas, foram esses adesivos que imitam ladrilhos decorativos.

Comprei-os numa campanha da Westwing por um preço ótimo, e achei que, na teoria, ficaria legal colocá-los na varanda, abaixo da floreira, para dar uma cara diferente ao ambiente.

O resultado realmente me agradou bastante, e o melhor é que os adesivos até que tem durado um bom tempo, considerando que estão numa parte externa sujeita à ação do tempo. É uma opção legal para quando queremos dar aquela repaginada a algum ambiente ou objeto.

Outra coisa que encontrei numa das campanhas da Westwing foi esse vaso lindíssimo:

Novo centro de mesa– porque pequenas mudanças também podem fazer toda a diferença!

A post shared by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

Como já mostrei aqui antes, utilizo vasos  com flores como centros de mesa aqui em casa; o resultado fica muito  vivo e ajuda a quebrar um pouco os tons mais sóbrios que  predominam no apartamento.

Sempre utilizei o mesmo vaso de cristal como centro de mesa,  ocasionalmente mudando somente as flores. Resolvi que estava na  hora de comprar um novo para mudar um pouco, e esse foi o  escolhido!

* * *

Certo dia estava passeando sem compromisso pelos corredores da Leroy Merlin quando vi, com a capa meio sujinha, um único rolo papel de parede perdido numa caixa de objetos marcados como ‘liquidação final’.  O preço original era R$199,90, e ele estava por R$39,90. Olhei bem para o papel. Era um papel de parede vinílico (assim como o que tenho na sala de jantar), o que significa que a qualidade era ótima. Era de uma coleção importada e eu não sabia o que ele estava fazendo ali. Não pensei duas vezes. Nem sabia o que iria fazer com ele, onde iria colocar. Mas por aquele preço, valeria a pena pensar nisso depois. Acabou que coloquei o papel na pequena coluna que existe num dos quartos; quando abrimos a porta dele, é a primeira coisa que vemos. Melhor custo-benefício EVER! Então lembrem de sempre estar de olhos bem abertos às promoções que aparecem! Sempre!

* * *

E finalmente, esse é o tal relógio de parede lindo que mencionei no início do post. Ele foi um souvenir que trouxe de uma viagem esse ano. É um relógio de madeira feito e pintado à mão; o cuidado e detalhes são impressionantes!

Ele é inspirado no Relógio Astronômico de Praga, e como eu adoro incorporar na decoração objetos que me trazem boas memórias de lugares que tive a oportunidade de visitar, não pude deixar de trazer essa belezura (tá vendo? Não há necessidade de um post exclusivo sobre ele! já disse tudo! rs)

a saga do apartamento revista E pra terminar… acho que não cheguei a mencionar aqui que o blog saiu na revista Casa Linda! Achei muito legal por que eu mesmo havia usado revistas como essa para me inspirar na decoração do meu apartamento, e agora o meu apê está lá, inspirando sabe-se lá quem. Muito legal!

Acho que por enquanto é isso, pessoal. O resto das novidades vocês podem ir conferindo no Instagram do blog. Eu disse antes que a frequência dos posts aqui naturalmente diminuiu, maaaaas, como nosso lar é algo vivo, quando um ciclo se fecha não se fecha para sempre.

E isso é muito interessante: temos sempre a capacidade de reinventar nosso lar, para refletir melhor certo momento de nossas vidas. Nesse momento, curtir o apartamento tem sido bom. Tenho algumas ideias borbulhando em minha mente, e quando for a hora… podem ter certeza ABSOLUTA que ficarão sabendo de tudo 😉

Até breve… estou sempre por aqui!

Abraços, Thiago S.

Quando cada espacinho importa: Sapateira Vertical com Espelho

Vários posts aqui do blog – inclusive o último – falam sobre a importância da utilização vertical do espaço, especialmente em lares onde a área útil não é tão grande. Já lidei com isso em relação à floreira da varanda, à adega, à estante do meu quarto (que vai do chão até o teto!), e agora, vou falar sobre um outro espaço ‘ocioso’ no apartamento que ganhou uma utilidade incrível com o uso de uma simples sapateira.

***

Sapatos… não só só vocês, mulheres, que sofrem desse mal! Talvez justamente por nunca ter dado a devida importância para o armazenamento dos meus sapatos e tênis, não importa o quanto eu tentasse os manter sob controle, guardados, sempre havia pelo menos dois pares rebeldes perdidos pela casa. Como eu não moro sozinho, às vezes a minha impressão era de que eles se multiplicavam feito Gremlims. Até que uma hora me deu um estalo, e eu resolvi acabar com aquilo.

No meu quarto, havia um espacinho entre o armário e a estante onde ficam os livros e filmes, cuja função era abrigar o banco/escada que servia para alcançar as partes mais altas da estante. Como vocês podem ver na foto abaixo, a estante é muito alta, chegando no teto do quarto; e observem também o espaço a que estou me referindo entre o armário e ela.

estante alta para livros

Pois então, acima do banco/escada, aquela parede era ociosa, e imaginei que ali poderia ser o local perfeito para colocar uma sapateira vertical. Fui atrás de algo que atendesse minhas necessidades específicas: precisava ficar presa na parede (o banco/escada ainda precisava ficar ali!), precisava ter a largura exata (ou de preferência um pouco menor) daquele espaço ali (que era de pouco menos de 70 cm), e a altura não deveria ultrapassar a do armário, para ficar esteticamente agradável.

Após algumas buscas, achei exatamente o que estava procurando com uma sapateira da marca Politorno, a Itabuna. É um móvel pronto, bonito, e que parece ter uma qualidade bem razoável (no futuro, se necessário, eu volto pra falar sobre a qualidade e durabilidade do produto). E o melhor… não é caro! Vamos ver como ficou?

sapateira politorno itabuna com espelho

Adorei o fato de que ela não só se encaixou perfeitamente no espaço previsto, como também combinou com o roupeiro (é branca e com espelho), aumentando ainda mais a sensação de amplitude no quarto. Na verdade, você mal percebe que tem uma sapateira ali.

Agora vamos ver o móvel aberto…

sapateira vertical

Como vocês podem ver, são 6 nichos, onde cabem 2 pares de sapato em cada. É bastante coisa. E, na verdade, esse móvel serve não só como sapateira, mas pode ser facilmente usado com outros fins, em praticamente qualquer lugar da casa. Fica a dica, hein! (só evitaria colocar coisas muito pesadas, como livros, por exemplo).

Quando se não tem muito espaço, cada espaço vale ouro! 🙂

Pra finalizar, eu ainda coloquei um cordão de luzes em volta da sapateira, que dá um ar bem cool e ainda serve como abajur à noite!

meu "abajur" personalizado 😍

A post shared by ⚜ Thiago S. (@thisardenberg) on

E antes que eu me esqueça, o blog completou 3 anos de idade! Continuo por aqui, e não pretendo ir embora tão cedo! Claro, posto com menos frequência que antes, mas nossa casa é um organismo vivo, e sempre pede por coisas novas. Acho que ainda temos muito o que discutir por aqui na saga do apartamento! 🙂

Abraços e até a próxima!

Thiago S.

 

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Reavaliando (e Reformando) o Roupeiro do Quarto

Hoje escrevo um pouco sobre a compra do Roupeiro do meu quarto, em mais um capítulo da série “Reavaliando a Compra…”, onde lanço um olhar, em retrospectiva, sobre algumas das escolhas que fiz para o apartamento. O foco aqui é a durabilidade dos produtos, assistência das lojas no pós-vendas e satisfação de forma geral.

Vamos lá?

 

AVALIAÇÃO #10 : Roupeiro Branco em MDF/MDP com Espelho (Referência: Ônix)

EMPRESAS RESPONSÁVEIS: Móveis Europa (Fabricante) / Kasamix (Loja)

TEMPO DE USO: 2 anos e 3 meses até a publicação do post

 

Em primeiro lugar, preciso lembrar que a razão pela qual escolhi comprar um Roupeiro pronto (e não fazê-lo planejado) foi, principalmente, o fato de que tinha tido uma experiência péssima com móveis planejados. Todo mundo já sabe, certo? Então, queria a certeza de um prazo de entrega bem menor, e saber que o produto estava em estoque imediatamente.

E lá fui eu correr atrás de alguns roupeiros prontos. O modelo que escolhi, por fim, foi esse, da Móveis Europa:

roupeiro branco espelhado

E o roupeiro, preciso dizer, se adequou bem às minhas necessidades: era branco e bem neutro; tinha portas de correr espelhadas que davam amplitude ao ambiente; era do comprimento e largura ideais; e tinha um cabideiro bem amplo dos dois lados.

Entretanto, demorou menos de um ano para eu perceber que a qualidade de alguns acabamentos era abaixo do esperado.

Por exemplo, o trilho das portas de correr.

Frequentemente, a rodinha da porta saía do lugar, o que fazia que ela corresse no lugar errado dos trilhos. As vezes nem dava para perceber que isso tinha acontecido. Como consequência? Mostro:

problema com trilho

Onde estão apontadas as setas é por onde a rodinha passava indevidamente, meio que “cortando” o trilho de alumínio. E, com o tempo, mesmo colocando sempre a porta no lugar (o que não deveria ficar acontecendo pra começo de conversa!), o trilho foi empenando, como dá pra ver na foto da direita.

Gente – menos de um ano.

Claro que entrei em contato com a loja, a Kasamix, para tentar solucionar o problema. Só que após falar com o gerente, fui informado que o armário só tinha garantia de 6 meses. Não sei vocês, mas não acho que alguém compre um armário pra ter por um ano ou dois. Muito menos por 6 meses.

Depois de muito conversar com o SAC e com o gerente,  ficou acertado (como “favor”) que um técnico iria vir aqui pra ver a condição do trilho (favor que custou 30 reais, a visita do técnico). Vocês acham que eles trocaram o trilho? NÃO!!! Pregaram o trilho de volta no armário, ‘desamassando’ o mesmo. Ou seja: o trilho continuava riscado, e a porta continuava saindo com uma certa frequência.

Meio decepcionante, porque eu tinha tido uma impressão muito boa da loja, que tinha até mesmo concedido desconto para alguns leitores do “A saga do apartamento” na época. Tá certo que não são eles os fabricantes, mas acho que poderiam ter muito bem resolvido o problema de maneira mais definitiva, se prontificando a repor a peça defeituosa. Afinal— vamos reforçar — menos de 1 ano de uso.

Outra coisa que me irritou bastante: o cabideiro. Fotos dizem mais que palavras nesse caso.

cabideiro alumínio

Olha a inclinação dele: dá pra perceber claramente que estaria prestes a desabar a qualquer momento.

– “Ah, mas também, tem tanta roupa ali!”, me disseram.

Desculpa, eu achei que aquilo fosse um ROUPEIRO. E que aquele espaço fosse reservado à cabides com… ROUPAS. Se aquele material (que parece (é?) plástico pintado de alumínio) não resiste ao peso, ou você – fabricante Móveis Europa –  troca o material, ou faz uso dele de forma que seu arco não seja tão extenso.

Enfim, ou eu comprava outro Roupeiro, ou mandava reformar esse que tinha.

Mas como o roupeiro de forma geral continuava atendendo minhas necessidades (só esses acabamentos pobres me estressavam), e como de fato acho incrivelmente cedo para pensar em trocar o Roupeiro, resolvi pedir para um marceneiro fazer alguns ajustes.

*

Vamos falar então sobre a Reforma do Roupeiro.

A primeira coisa que pedi a meu marceneiro foi que trocasse o sistema completo de deslocamento das portas de correr. Dessa vez, olhem a diferença:

rodas porta de correr

As rodas novas (2a foto no detalhe), ao contrário das antigas (1a foto no detalhe) se encaixam perfeitamente nos trilhos, por onde deslizam. É bem mais difícil ocorrer o deslocamento da mesma. Sem falar que, agora, elas correm muito mais suavemente.

A outra coisa que pedi para ele fazer, óbvio, foi trocar o cabideiro, dessa vez por algo resistente e de qualidade. Então, ele comprou um tubo de aço inoxidável e instalou no lugar do de “alumínio”.

cabideiro aço inoxidável roupeiro

Uma enorme diferença!!!

Notem, também, o estado do suporte do cabideiro anterior e do atual:

suporte cabideiro metal

 

Ok, vamos pensar um pouco.

Esse não foi um roupeiro caro, de forma alguma. Algo planejado ficaria pelo menos 3, 4 vezes mais caro. Mas será que realmente encareceria TANTO colocar um suporte decente no cabideiro? Algo de ferro, que não estragaria fácil como foi o caso do de plástico? Hm… não. A resposta é não.

Fazendo então um balanço geral, a compra teve prós (entrega rápida, modelo ideal, espaçoso internamente sem ocupar muito espaço externamente, esteticamente agradável etc.) e contras, como os acabamentos pobres que mostrei aqui. No fim, tive que investir mais uma quantia para deixá-lo como queria- mas, ainda assim, ficou bem mais barato que algo planejado, e, potencialmente, com menos dor de cabeça também. O que mais me chateou foi a atitude da loja, que poderia ter se prontificado a me ajudar com o problema, mas não o fez.

No fim, deixo em aberto se “recomendo” ou não a compra, em especial esse armário dessa fabricante – as informações estão aí, cabe a vocês colocarem na balança e decidir o que valeria mais a pena.

Grande abraço, queridxs, e até a próxima!

Thiago S.

 

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

 

Reavalindo a compra… do piso laminado (Durafloor/ Pallas Dobbin)

saga do apartamento 2 anos

Como vocês podem ver aí no print, há exatos 2 anos eu publicava meu primeiro post aqui, que levava o mesmo nome do blog. Confesso: é estranho reler algo que escrevi aqui antes. Me faz lembrar do quão difícil foi chegar aqui, em casa, no fim do dia, e ver tudo do jeito que está. Ler aquele primeiro post é quase doído, foi uma época bem angustiante. E o blog me ajudou muito a lidar com isso, e me fez conhecer muita gente legal. Como já disse aqui antes, esse mundo dos blogueiros de decoração é um muito delicioso de se fazer parte, são todos como bons vizinhos.

De lá pra cá, muita coisa aconteceu, essa época parece incrivelmente distante de mim, mas é bom saber que toda a trajetória está aí pra auxiliar quem está passando pela(s) mesma(s) coisa(s).

Me deixa feliz quando me dizem que estou ajudando – bem, obrigado, vocês também me ajudaram muito. E vamos que vamos!

Hoje vou postar algo que já me pediram diversas vezes: uma reavaliação do piso laminado.

* * *

“Reavaliando a compra…” é uma série de posts onde revisito minhas escolhas para o apartamento criticamente, focando na durabilidade dos produtos, na assistência técnica e no suporte pós-vendas das lojas e fabricantes.

FATO: A primeira vez que eu enxerguei meu apartamento como “LAR” foi quando eu vi meu piso laminado, tão sonhado, finalmente instalado. Coisa que eu ilustrei, na época, com essa foto aqui no blog:

carvalho-dover3

Que lembrança boa. Eu sempre soube que queria piso de madeira; mas daí até chegar no modelo específico, e depois finalmente vê-lo prontinho… foi uma longa jornada. Isso tudo vocês podem, se tiverem interesse, ler detalhadamente nos posts onde falo sobre o assunto: parte 1, parte 2, parte 3, parte 4 e parte 5.

Mas e agora, mais de um ano e meio depois da compra, como eu me sinto em relação ao piso, no dia-a-dia?

***

AVALIAÇÃO #5 : Piso Laminado Durafloor (Linha Studio, Padrão Carvalho Dover)

EMPRESAS RESPONSÁVEIS: Pallas Dobbin (Loja), Durafloor (Fabricante)

TEMPO DE USO: 1 ano e 8 meses

Bem, antes de mais nada: ninguém compra piso para durar um, dois anos. Pois bem, avaliar *de verdade* eu só poderei depois de pelo menos uns 5 anos de uso, mas como sempre me perguntam sobre o que estou achando do laminado, aqui vai essa review, preliminar, da minha experiência com ele até o momento.

Em primeiro lugar, preciso falar sobre a praticidade do laminado, que é uma mão na roda quando falamos de manutenção! A limpeza, conforme indicação do próprio fabricante, era pra ser somente com um pano úmido… e pronto. Por alguns meses eu segui a recomendação, até que um vizinho, que também tinha laminado, me apresentou isso aqui:

destac

Eu não conhecia o Destac, então fui procurar saber do que se tratava. Chequei no site da Durafloor, e vi que eles dão essa informação: “Conforme consta no Certificado de Garantia, o limpador Destac poderá ser utilizado diariamente, porém não deve ser aplicado diretamente no piso, sempre no pano; caso apresente marcas ou manchas, suspender o uso; poderá também diluir na água, pois é um produto como detergente” (Fonte: Durafloor). Já que era recomendado pelo fabricante, resolvi testar.

Adorei o resultado! O cheiro do produto é excelente, lavanda; deixa o apê com leve cheirinho de limpo. E, claro, sendo uma espécie detergente, é ainda mais eficaz na limpeza que simples pano úmido. Tem uma série de produtos Destac, e esse aí em cima é o específico para laminados. Aqui embaixo o piso logo após o Destac ter sido aplicado.

destac aplicado piso laminado durafloor

Bem, agora em relação à resistência/durabilidade do laminado em si, também sou só elogios. Não que ele não arranhe de forma alguma, isso é mentira; mas é muito menos suscetível à arranhões, obviamente, que um piso de madeira, por exemplo. Dependendo da escala de resistência à abrasão (que no mercado brasileiro, entre os pisos laminados, varia de AC-2 para o mais frágil e o AC-5 para o mais resistente), pode ser bem duro. O meu, Durafloor Studio, é um AC-4, e tive só pequenos problemas com arranhões. Vale lembrar que cada linha da Durafloor (e outros) tem uma resistência específica, sendo essa a razão pela qual são direcionadas ao uso doméstico ou público de alto tráfego, por exemplo.

O maior dos problemas que tive foi numa ocasião bem infeliz onde a prateleira que fica acima da minha bancada da cozinha veio abaixo (ela não tinha sido bem afixada pela montadora dos móveis, olha o perigo!), e com ela vieram também taças e outras coisas de vidro. Triste, mas felizmente, pelo menos, ninguém se machucou. Enfim, o impacto foi bem grande, e nas fotos que tirei, os arranhões são imperceptíveis.

E esse foi um caso extremo. Entretanto, acho que a COR que escolhi também favorece isso, disfarça possíveis arranhões.

O piso continua muito bonito e até agora, eu não me arrependo, de forma alguma, de tê-lo colocado. Ainda mais quando o comparando com o porcelanato da cozinha, que dá bem mais trabalho… Mas aí já é assunto pra outro post.

Então é isso, querid@s! Espero que tenha sanado suas principais dúvidas.

Até a próxima, abraços,

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Reavaliando a compra… da Cama Box Baú e Colchão (Sonobello)

Olá querid@s, hoje passo rapidinho para falar em retrospectiva sobre a compra da Cama Box com Baú, em mais um post da série “Reavaliando a compra…”, onde falo detalhadamente sobre minha experiência com determinado produto, após pelo menos 1 ano de uso, incluindo aspectos como durabilidade, funcionalidade e suporte das lojas.

***

AVALIAÇÃO #4 : Cama Box com  Baú / Colchão

EMPRESAS RESPONSÁVEIS: Sonobello (Loja).

TEMPO DE USO: 1 ano e 6 meses

Bem, vamos começar com o colchão! O modelo dele é o Florença, que pode ser visualizado nesse link (tamanho casal 1,38X 1,88). É um colchão com molas pocket ensacadas. Simplesmente amo esse colchão : é super macio e confortável, mas não é daquele tipo molengo demais. Nesse, você pode se mexer à vontade de um lado da cama que a pessoa do outro lado nem vai sentir. Recomendo! (Mas o bom mesmo é ir na loja e experimentar, deitar, pular… claro).

cama box baú com colchão

Agora em relação à cama box em si: depois de 1 ano e meio de uso, os amortecedores do baú apresentaram um problema, e não sustentavam mais o peso do colchão. Esses aí:

amortecedor cama box

Ou seja: o box abria, mas não ficava aberto sozinho, ficava caindo. Entrei em contato com a loja, a Sonobello, meio receoso de que já tivesse passado o tempo de garantia dos amortecedores (Na nota fiscal vem falando da garantia do colchão, não dos amortecedores, então é bom ficar bem claro na hora da compra! Isso serve para outros móveis como sofá, que tem partes com prazos de garantia diferentes). Felizmente, eles se prontificaram a fazer a troca sem problemas.

Acredito realmente que a cama box com baú seja um excelente investimento para quem tem pouco espaço. Eu guardo várias colchas, bolsas, e até malinhas no baú. E sobra um espaço! O preço é realmente mais salgado que uma cama sem box, mas vale a pena o investimento.

Olha quanta coisa cabe nesse box!

cama box cheia

Um espaço precioso! Enfim, posso dizer que sim, a compra está aprovada (e a loja também!) e recomendo.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Finalizando o Quarto: Prateleiras, Caixas Organizadoras, Painel de Madeira etc.

Esse post é uma carta de amor ao meu quarto.

Até entrar nesse apartamento ano passado, passei os 26 anos anteriores dividindo quarto com alguém. E esse espaço nunca teve a MINHA cara. Pois bem, quando vim para cá, eu sabia que iria fazer daquele espacinho de quase 10m2 algo que gritasse “Thiago”. E tudo começou com a cor da parede, bem marcante, num dos meus tons preferidos. Depois pra compensar o tom forte foram os móveis brancos que abriam o ambiente, o Roupeiro, a Cabeceira e a Escrivaninha, a Estante.

Só a estante pra mim, já é o paraíso. Ter um lugar pra colocar de forma organizada todas as centenas de filmes, séries e livros acumulados ao longo de vários e vários anos é fantástico, e gostei muito do resultado. Aproveito pra colocar aqui uma foto de como ela ficou com tudo no lugar, que já tinham me pedido antes!

estante grande livros DVD dvdteca

Quando o rapaz veio montar a estante, por algum motivo ficaram sobrando algumas prateleiras. Um erro, afinal estava pagando por elas, mas resolvi não arranjar problema e, como sempre tento fazer, tornar um “problema” numa solução. Resolvi colocar as prateleiras que sobraram (4!) no meu quarto e na cozinha também, 2 em cada ambiente.

No meu quarto, elas ficaram logo em cima da mini-escrivaninha, o que é bastante útil, já que o espaço de trabalho dela é limitado e não tem gavetas.

prateleiras brancas escrivaninha

Em cima das prateleiras, coloquei caixas organizadoras, que funcionam muito bem porque dão um jeitinho na bagunça nosssa de cada dia, mas ainda tem função decorativa, como essas que encontrei com a bandeira do Reino Unido.

Pra fazer o suporte, achei esses bicos-de-tucano prateados, muito bonitos, e que podem ser encontrados em lojas de ferragens.

suporte bico tucano inox

Outra coisa que fiz no quarto foi aproveitar uma das réguas que sobraram do piso laminado para fazer… um painel de madeira! Vi isso na casa de um amigo uma vez, e achei que ficou tão legal que resolvi fazer aqui. E eu mesmo coloquei no lugar! Gostei do resultado!

painel madeira laminado

E o toque final, logo acima da minha escrivaninha….

Quadro a saga do apartamento

Precisava fazer uma pequena homenagem ao blog, que me ensinou tanta coisa! Toda vez que olho o quadro não posso não ficar feliz, pois lembro do quão difícil foi chegar até aqui… e do quão legal tem sido essa experiência.

Por fim, uma vista “geral” do quarto:

quarto arrumado parede azul

E assim o quarto ficará até um belo (e distante, espero… rs) dia em que eu resolva que está na hora de começar a reformular tudo.

Até lá, prometo que cumprirei minha promessa e, aos poucos, irei falando sobre a minha experiência com os pisos, os revestimentos, os móveis, enfim, tudo que comprei, em relação à durabilidade e assistência das lojas onde comprei. Acreditem, tem muita história vindo por aí…

xoxo,

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

A estante dos sonhos: estante planejada para livros e filmes
Planejados do Quarto: Cabeceira da Cama Box e Escrivaninha
Quadro PRADA Marfa
Roupeiro Branco com Espelho

A Estante dos Sonhos: Estante Planejada para Livros e Filmes

Há certos investimentos que nós simplesmente precisamos fazer.

Eu, como professor e pesquisador, absolutamente apaixonado por cinema, precisava de um lugar decente para guardar todos os livros e filmes que adquiri ao longo de mais de uma década. Só entre filmes e séries, vão mais de 400 títulos, sem contar os inúmeros livros. E o pior: Eu precisava não só de algo onde tudo isso coubesse, mas também onde sobrasse algum espaço para aquisições futuras… afinal, não pretendo parar!

A pegadinha: Essa estante mágica precisava ficar num quarto com pouco menos de 10m2, onde já havia uma cama box de casal, um armário grande e uma pequena escrivaninha. E, apesar de ter ouvido que seria impossível, é claro que no final eu arrumei um jeito! Tenho muito orgulho do meu quarto, porque foi um projeto absolutamente meu, cada centímetro planejado para minhas necessidades, cada acabamento cuidadosamente escolhido para aquele lugar. E eu não chamei arquiteto não!

O espaço reservado para a estante não era muito amplo, horizontalmente. Então, pra fazer valer cada centímetro dele, só uma estante planejada que fosse aproveitar verticalmente todo o espaço, com o maior número de prateleiras possível. O número de prateleiras foi essencial aqui, pois a maioria das estantes vendidas prontas tem no máximo 5 ou 6 prateleiras, com um bom espaço entre elas.

Pois bem, eu quis o dobro de prateleiras. Medi exatamente o tamanho de um filme em DVD e pedi para os vãos serem um pouquinho maior que aquele tamanho. Deixei, também, 4 vãos (2 embaixo e 2 em cima) maiores, para livros maiores.

Depois de tanto tempo e planejamento, eis que aqui está minha lindíssima estante, feita na loja BON BINI (que trabalha com móveis da Italínea), assim como todos os móveis planejados aqui do apê.

estante planejada livros dvd italinea

Então, tô apaixonado… Vocês não sabem quanto tempo esperei pra ter uma estante assim! Antes, tinha 3 que comprei prontas no Shopping Matriz, que até duraram bem (cerca de 10 anos), mas nem se comparam esteticamente. Sem falar que as outras, com muito menos prateleiras, ocupavam muito mais espaço!

estante italinea ciliégio

Para as caixas de fora, foi eleita a cor ciliégio, um madeirado bem clarinho e muito bonito, que combina com o chão do quarto. Já para as prateleiras, a cor foi de acordo com o resto do quarto, branco fosco.

E como as prateleiras vão até o teto, eu comprei também um lindo banco-escada de madeira na Tok & Stok, para poder alcançar e organizar as prateleiras mais altas. Ele tem dois degraus, sendo que um deles é retrátil.

banco_escada

Super legal ele, né?

E foi lá na Tok & Stok que eu também comprei o que provavelmente será o único item decorativo para a estante: as letrinhas decorativas que, inicialmente, formavam a palavra LOVE.

Só que tive uma ideia: como eu não gosto de nada muito óbvio, resolvi que reorganizaria a palavra para formar “VOE”, por uma série de razões. Acho “Voe” muito significativo, pode ser liberdade, imaginação, viagens… em meio a um mundo de filmes e livros, nada mais apropriado, certo?

letras decorativas in love tok & stok acabamento metalizado

Essas letrinhas decorativas são em cerâmica e tem um lindo acabamento metalizado. E foi assim que elas foram parar na minha estante….

letras decorativas estante para filmes

E é isso.

Por alguma razão entretanto, não sei se foi na hora da medição, ficaram sobrando algumas prateleiras. Vou resolver o que fazer com elas (com certeza vou aproveitar de algum jeito) e depois mostro pra vocês.

* * *

Possivelmente essa será minha última postagem esse ano. Estarei defendendo minha dissertação de Mestrado muito em breve e preciso voltar todas as minhas atenções para isso. Ainda passarei por aqui para ler e responder os comentários oportunos, mas queria aproveitar a oportunidade para desejar-lhes um E X C E L E N T E  fim de ano, e um 2013 maravilhoso, com muitas conquistas para todos.

Olho para trás e vejo algo fantástico: há EXATAMENTE um ano eu estava recebendo as chaves do apê (depois do super atraso); e durante todo o ano de 2012 eu fui encarando os leões que apareciam e montando o meu apezinho. Com esse post, acredito eu, estarei finalizando um grande ciclo, pois o apartamento está praticamente “pronto”. Ainda faltam alguns detalhezinhos, menores ou maiores aqui ou ali, mas agora eu entro no meu apê e vejo definitivamente o meu lar, do jeito que eu imaginava. E é isso que eu desejo a vocês, leitores, que sempre passaram por aqui para deixar uma palavra de incentivo ou um elogio. Espero que seus lares tornem-se tudo aquilo que sempre sonharam!

Até breve!

Abraços,

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Planejados do Quarto: Cabeceira da Cama Box e Escrivaninha

Confesso: O projeto que tinha em mente para meu quarto era ligeiramente… inusitado. Quando dizia que queria no meu quarto (que tem enxutos 9,5 m2) uma cama casal box, uma escrivaninha para funcionar como estação de trabalho, um roupeiro com um tamanho satisfatório e ainda uma estante grande para livros e filmes, ouvi mais de uma vez que não era possível.

Hmmm. Será?

Fiquei quebrando a cabeça com a planta baixa do quarto, colocando os móveis nas mais diversas posições. A planta era essa aqui:

A organização desses quartos parece quase inflexível, à primeira vista; “não tem muito para onde correr”. Duas camas, uma de cada lado da janela, e um pequeno armário do lado da porta. Para mim, sem condições.

Então depois de muito pensar, consegui chegar numa disposição que atenderia minhas necessidades. Vou explicar, mas antes visualizem comigo:

Quando digo que o projeto era ‘inusitado’, me refiro principalmente à posição da cama: primeiro porque ela está no “meio” do quarto, segundo porque a parte encostada na parede não é a superior (como acontece tradicionalmente), e sim a lateral. Mas foi essa disposição-chave que permitiu que todas as minhas outras necessidades fossem atendidas: A pequena escrivaninha, ao lado da cama; o roupeiro (que teria que ser com portas de correr, obviamente), e a estante para os livros.

Notem que, mesmo assim, há um espaço suficiente para circulação livre. Não é grande, vou admitir; mas é definitivamente o suficiente.

É importante também dizer que quando se abre a porta do quarto, não há nada obstruindo a visão, de forma que o espaço não pareça menor do que é. Essa é a visão da porta:

E vamos lembrar também da importância do Espelho no Roupeiro para ampliar a sensação de  espaço!

Mas agora, vamos focar na Cabeceira e a Cama Box, que mandei fazer planejadas, na mesma loja que fiz a cozinha, a Bon Bini. O prazo de entrega e condições de pagamento são interessantes, e fui muito bem atendido na loja. Só faço algumas ressalvas em relação à montagem; os montadores não apareceram na hora marcada (e num dos dias, mesmo estando marcado para a parte da manhã, o montador apareceu às 4 da tarde sem saber direito o que tinha que fazer). É complicado… e ainda ficaram algumas pendências. Mas vamos lá…

A cabeceira, em especial, exerce função muito importante no projeto. Considerando que a cama está numa posição pouco comum, cabe a cabeceira a função de dizer “ei, a cama está exatamente onde era para estar, isso aqui foi planejado para ser assim”. E aproveitei para alongar uma das réguas da cabeceira, levando-a até a escrivaninha e integrando os dois espaços.

Imaginava que o contraste do azul da parede com o branco das réguas ficaria visualmente atraente, e gostei bastante do resultado.

Agora no detalhe, a escrivaninha.

Tê-la feito planejada foi necessário não só pelo fato de que queria aproveitar cada centímetro possível, mas também porque é difícil encontrar uma escrivaninha nesse formato, sem gavetas ou outros detalhes. Queria mesmo só um cantinho para ler, ou para colocar meu computador; e, para isso, a pequena escrivaninha dá pro gasto. Talvez no futuro eu acrescente uma prateleira ou duas um pouco acima dela.

Do projeto do quarto, só ficou mesmo faltando a estante para livros e DVDs. Ela, acreditem, fazia parte dos ítens que já tinha comprado e pago à vista na New Móveis… AAAAfff….. Enfim… agora preciso esperar um pouco, terminar de pagar e$$e$ planejado$, para poder fazer o que ficou faltando.

Por hoje é só, queridos e queridas. Finalmente meu cantinho de dormir entrando no lugar.

Abraços!

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de: