Redecorando a Sala – parte 5: Molduras na Decoraçao

Se você está fazendo obras ou decorando, há uma enorme probabilidade de que, em algum momento, algo saia diferente do que você estava esperando. Enorme mesmo. Só que uma coisa que aprendi aqui, com o apartamento e com o blog, é que às vezes cabe a nós usar essas adversidades em nosso favor.

Por exemplo: há alguns anos, falei aqui no blog sobre o fato de que o pintor tinha deixado para fazer certos retoques na pintura das paredes para depois. E o que aconteceu? Todos esses retoques posteriores deram uma diferença significativa na pintura, que ficou super aparente em alguns lugares. Aí bate aquele momento de fúria inicial, e, em seguida, a gente tem que parar e pensar: tá. e agora? 

Um dos lugares onde o retoque ficou bem aparente foi em volta da tomada da sala de estar – algo que, pela posição estratégica, estava me deixando louco, pois toda hora eu olhava para lá. Só que aí tive uma ideia – pensei que talvez, se eu emoldurasse o erro, talvez ele poderia simplesmente… desaparecer.

Vejam do que eu estou falando:

moldura branca decorativa

À esquerda, a diferença grosseira na pintura; à direita, uma moldura branca que, posicionada bem ali, fez tal diferença na pintura de fato sumir. E o interessante foi que todo mundo que veio aqui achou a ideia ‘divertida’, ‘charmosa’. No fim, é isso que faz a diferença na decoração: saber lidar com esses problemas que sempre aparecem, e, se precisar contornar um erro, fazer parecer que era tudo intencional, que essa era justamente sua ideia desde o princípio. 

Acabou que eu me acostumei tanto com essa moldura ali que agora, na Redecoração da sala, eu achei estranho quando ela saiu. Como eu disse no post anterior, eu pintei essa parede de branco… e lá se foi a moldura.

Mas acabou ficando um vazio incômodo ali, e eu entendi que a moldura já era parte integrante do ambiente, e precisava retornar, adaptada: dessa vez, não poderia ser uma moldura branca, afinal, a parede já era branca. Fui buscar no quadro novo da sala a inspiração pelas cores, e, alguns dias depois, eis que tinha algumas novidades para finalizar a sala.

molduras decorativas

Lindezas, não? Todas elas foram produzidas em resina e são bem resistentes. Os detalhes são incríveis. A moldura que escolhi para substituir a branca foi a maior, que tem esse tom de azul bastante vivo e um estilo provençal, auxiliando o novo quadro da sala em sua função de conferir um pouco mais de vida à parede totalmente branca.

moldura provençal decoração

Como disse antes e vocês podem ver, tomei o cuidado de escolher uma cor que estava presente no quadro para que a composição ficasse esteticamente agradável. E o mesmo vale para as outras molduras:

Post novo no blog! Nós amamos molduras… ❤

A post shared by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

Comprei essas outras pois resolvi ampliar a ideia das molduras na decoração, usando de outras formas. Isso não é nenhuma novidade: as molduras vazias ganharam espaço na decoração de quem está buscando algo diferente para conferir personalidade a algum espaço vazio ou dar destaque a algum detalhe específico.

blueprint-moldura-sem-quadro

As opções são inúmeras e o que impera, no fim das contas, é a sua criatividade. Aqui no apê, resolvi brincar com as molduras de duas outras formas.

Uma delas foi em cada porta branca do corredor- a do banheiro e a dos 2 quartos- , que ganhou uma moldura provençal em cor diferente. O resultado estético é interessante porque traz uma descontração e um ar despretensioso mas que, ao mesmo tempo, não deixa de ser elegante, pois as molduras são bem bonitas e bem trabalhadas.

IMG_20150914_123353 (2)

E claro, como o corredor todo é branco e as portas são brancas, as molduras ali, sem causar muito, dão uma quebrada nessa brancura de uma forma interessante.

E por último usei uma outra moldura, feita sob medida, de uma forma que seeempre tive vontade: tomando como referência um dos meus seriados mais queridos…

DCIM152GOPRO

… Friends, obviamente! A clássica moldura em volta do olho mágico. Eu simplesmente amei o resultado na porta. No original, a moldura era amarela, mas a porta era roxa, o que dava um belo contraste. Aqui, como a porta é branca, decidi optar por algo entre o laranja e o vermelho (adivinhem aonde a gente também encontra essas cores?) para enfatizar o contraste.

Como as molduras estão presentes de diversas formas, tomei cuidado para que em nenhum ambiente elas ficassem brigando entre si. Nada over. Assim, quando você vê uma delas, você provavelmente não está vendo outra. Quem entra no apartamento só vê a moldura perto do quadro; uma vez que esteja sentado na sala de estar, apenas a moldura da porta deve estar no seu campo de visão. E só quem vai em direção ao banheiro ou aos quartos verá as molduras do corredor.

Nesses 4 anos de blog (completados essa semana! ❤), também aprendi que são detalhes como esses que sempre fazem uma diferença significativa na decoração, especialmente quando pensamos um pouco sobre eles. Às vezes, por incrível que pareça, mais que aquela mesa de jantar belíssima que você tanto sonhou, o que vai ficar na lembrança da sua visita (ou do seu leitor rs) pode ser aquele detalhezinho tão simples mas que foi usado de forma original e inusitada. E acho isso simplesmente fantástico!

Espero que tenham gostado, pessoal.

Abraços e até…

Thiago S.

P.s.: Comprei todas as molduras desse post no Mercado Livre, você acha coisas super interessantes e criativas por lá.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Anúncios

Redecorando a sala – parte 4: Sobre Peças Marcantes, Quadros e Telas Decorativas

Pode observar: quando a gente entra num ambiente pela primeira vez, nosso olhar costuma ser magneticamente atraído para a direção de um quadro ou tela decorativa, e não é por acaso.

Na composição do ambiente, o quadro geralmente tem um espaço privilegiado, bem no meio da sala de estar ou de jantar. Ele muitas vezes se encontra no que chamamos de ponto focal, e, justamente por isso, pode ser uma oportunidade fantástica para se mostrar um statement piece, termo comum usado na língua inglesa que descreve algo que deliberadamente chama a atenção, seja porque foge do lugar comum, pela beleza singular, ou pela mensagem que transmite. Vou identificá-lo aqui como Peça Marcante – uma peça que pode ser qualquer item decorativo: uma cadeira feita de retalhos, uma poltrona em estilo provençal, um simples centro de mesa exótico… que tem o poder de capturar o olhar e a atenção de quem a vê. Marcante.

Idealmente, ela se integra ao ambiente, complementando-o (seja ele consoante ao resto da decoração ou deliberadamente contrastante) e dizendo algo que tem a ver com o estilo que você quer imprimir ao ambiente ou sua personalidade.

Bem. Quando mudei as cores das paredes na redecoração da sala, me deparei com um problema: a cor nova de uma delas mostrou-se mais intensa do que eu previ:

parede sala de estar verde cinza Coral Pinheiro Inglês

… sim, gostei muito do resultado, mas achei que se eu trouxesse essa mesma cor – mais fechada – para a parede do sofá também, iria deixar o ambiente pesado. Então resolvi pintar a parede do sofá de branco, como forma de de neutralizar a cor mais forte e deixar o ambiente equilibrado.

Esse não era meu plano original, e não fiquei totalmente feliz com o branco: ainda por cima, achei que minha tela antiga (que era preto & branco) ficava muito apagada na parede. Era essa a tela:

tela com luzes LED

Depois que a parede tornou-se branca (na foto acima, a parede ainda estava cinza, como era antes da redecoração da sala), senti que precisava de mudar o quadro, pois faltava algo ali: vida. E para dar vida… nada melhor que cor.

Eu sabia que, o que quer que entrasse ali – fosse uma paisagem ou algo abstrato; uma pintura ou uma fotografia; fosse o que fosse – precisava ter muita cor. E foi assim que comecei a procurar, com esse filtro principal em mente.

Olha, há muitos quadros bonitos por aí, mas é difícil achar um que realmente capture alguma coisa além do “ah, gostei”. Procurei por lojas físicas de quadros e nada me encantou; resolvi então buscar algo na infinidade de possibilidades da internet. Vi muita coisa legal em sites diversificados como o Elo 7 (que inclui reproduções originais, por encomenda, de artistas interessantes), o All Posters (site em português, mas os pedidos vêm dos EUA e podem ser taxados; infinidade de possibilidades, há tudo o que você pode imaginar) e o AliExpress (o famoso site da China; sabendo procurar você acha coisa bem interessante com bons preços, também sujeitos a serem taxados pela Receita).

Durante essas buscas, fui salvando algumas imagens que me chamavam a atenção; mas uma em especial tinha algo que sempre capturava meu olhar: me fazia querer olhar para ela. Por algum motivo. A tal da peça marcante.

Resolvi arriscar e, 1 mês e meio depois da compra… aí está a tela dando a vida que eu procurava na sala:

tela com flores moderna sala

tela floral

A tela é pintada à mão e traz uma explosão de cores muito bem vinda ao ambiente. Eu sentia falta de algo assim, mais alegre, uma vez que meu apê é repleto de tons mais sóbrios (pois não cansam, ampliam ambientes, e claro, são elegantes). Entretanto, foi só agora, com a parede branca, que essa necessidade ‘gritou’.

Gostei muito do fato da tela ter essa textura:

tela colorida quadro sala

… que dá um ar meio caótico à pintura, meio despretensioso, e, ao mesmo tempo, um pouco mais ‘artístico’ do que seria uma pintura ‘perfeitinha’.

E outra coisa, sob o reflexo da luz do dia, a tela fica completamente diferente, quase que em 3-D, as flores ‘saltam’ aos olhos. Tentei capturar:

tela texturizada colorida

… e amei esse resultado inesperado.

E pela manhã cedinho…

luz da manhã invadindo o apê… 🙂

A post shared by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

Comprar na internet tem disso: você nunca sabe exatamente o que vai receber, ainda mais quando são peças pintadas à mão, uma nunca vai ser igual à outra. Eu dei sorte dessa vez de ter ficado super contente com o resultado final na parede, ainda que a tela que eu comprei aparecesse no site bem diferente.

O link para a loja do vendedor está aqui.

Ah, outra coisa: comprando em sites, na maioria das vezes, as peças vem em tubos, enroladas; e aí cabe a você, depois, esticá-las colocando chassi (no caso das telas) ou emoldurá-las de acordo com sua preferência (caso dos quadros) – o que pode encarecer bastante a peça (Comprar em lojas tem essa vantagem, o preço já é final).

E aí, gostaram? Acho que encontrei minha peça marcante! Escolher algo a dedo, entre tantas opções, é quase que apostar; mas quando dá certo, é muito gostoso. Aquela peça específica está ali porque ela te disse algo.

Então, queridos e queridas, minha ‘redecoração’ está quaaase acabando… só faltam alguns pequenos- mas notórios- detalhes que quero acertar antes de dizer, “that’s all, folks!“. Tem sido maravilhoso voltar a escrever aqui e já estou quase ficando com saudade! 🙂

Até breve!

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Tela com luzes LED

A parte mais difícil de decorar um ambiente, para mim, é começar. Quando você começa, do zero, é como se você fosse um pintor, encarando uma tela branca: as possibilidades são inúmeras.

Mas uma vez que o pintor inicia seu trabalho, a obra começa a ditar suas próprias necessidades, o que precisa para ficar harmoniosa… E cabe ao pintor segui-las, mas sem deixar de imprimir seu estilo particular à pintura, dando-lhe identidade.

Acredito que decorar seja mais ou menos isso.

Olhando para minha sala e meu corredor, eu vejo um pouco das experiências que tive, e vejo que vários itens decorativos (os quadros do corredor, a mala decorativa e outras coisas no rack por exemplo) fazem referência à minha paixão por conhecer lugares e culturas diferentes. Sendo assim, pensando no quadro para ficar acima do sofá, uma peça que geralmente tem bastante visibilidade na sala, queria algo que estivesse de acordo com todo o resto, sem parecer mais do mesmo.

Então, visitando uma dessas lojas de decoração fina (que não vendem móveis), encontrei um quadro (na verdade, uma tela) que me chamou a atenção por um motivo muito peculiar

Primeiro vou mostrar a tela, sem o ‘efeito’ explicitamente:

Ok– é uma tela bonita, com uma paisagem que gosto muito, a ponte do Brooklyn com Nova York no fundo. Tem a ver com todo o resto do apê, mas o que me chamou a atenção MESMO foi isso….:

a tela é toda iluminada por luzes LED. Ela funciona à pilha, e tem um botão de “liga/desliga”. Achei o efeito muito legal, especialmente nesse caso, que segue a iluminação normal da ponte. À noite, a ponte realmente é iluminada assim.

Não tinha visto telas com esse efeito ainda. Essas telas (há outros modelos) são da Trevisan Concept, que tem um site muito legal com muitas novidades. Infelizmente eles só vendem para lojistas, mas várias lojas de decoração trabalham com os produtos deles (Eles até tem uma lista de lojas no site, mas no caso do RJ, nenhuma loja era listada; entretanto, eu mesmo já fui em várias lojas aqui que vendem produtos deles, tipo a Imaginarium, Papel Picado etc.).

Eis o quadro na sala:

Eu queria, na verdade, um quadro mesmo com moldura branca, pra ficar um contraste legal com o cinza. Mas não teve jeito, quando vi essa tela, pensei, “não, é isso aí que preciso em cima do meu sofá!”. 🙂

É isso, pessoal! Gostaram?

Abraços,

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Decorando o Rack: Mini-Bar, TV Ambilight, Livros, Mala decorativa etc.

Num apartamento com dimensões não tão generosas como o meu, quanto menos móveis, melhor. E eu respeitei a regra firmemente: o único móvel da sala de jantar é a mesa; o único móvel (fora o sofá) da de estar é o rack. O resultado eu vejo quando entram aqui e falam: “nossa, mas é bem espaçoso!”. Menos… é mais.

Mas, como consequência, os móveis que existem (como o rack) acabam tendo que acumular funções de outros móveis. Afinal, já se foi o tempo em que a maioria das casas e apartamentos tinha espaço para aquela lindíssima cristaleira… ou aquele bar monumental. Na casa de meus pais tinha um bar lindo, e olha que eles nem eram lá tão chegados a uns ‘bons drinks’ como eu.

Minha ideia inicial era comprar um barzinho como esse da ETNA ou Tok&Stok:

O problema é que, por menores que sejam, ainda ocupam espaço precioso. Eu fiz uma escolha: meu sofá, suuuuper confortável e espaçoso, onde cabem 4 pessoas, ocupa exatamente o espaço da parede onde ele fica. Já o rack, sóbrio, baixo e em linhas retas, também faz isso. Por mais satisfeito que esteja com as escolhas, tenho que lidar com o fato de que não há mais espaço para nada ali.

Pensei em transferir para a área de jantar; ainda que haja espaço ali, acho que o espaço não iria “respirar” tão bem. Não queria aquela coisa de “ah, vou chegar um pouquinho pra cá, me apertar um pouquinho ali” na sala.

Resultado: Risca o móvel bar das opções, e vamos pensar num mini-bar sobre o rack.

Como disse, eu gosto das minhas bebidinhas. Então não queria uma bandeja que fosse meramente um enfeite, algo que existe puramente para embelezar. Queria uma bandeja espaçosa, onde eu de fato pudesse acomodar algumas bebidas.

E foi na ETNA mesmo que eu encontrei essa linda bandeja, num material que parece courino, com o mesmo tema de ‘viagens’ que está se tornando recorrente na decoração.

O preço estava bom, o tamanho era ideal, então não pensei duas vezes. Achei minha bandeja. E, finalmente, com as bebidas e copinhos decorativos no lugar, eis meu mini-bar:

Deu pra colocar bastante coisa, né??! Ali temos 4 garrafas de vodka, 2 de licor, 1 de cosmopolitan e 1 coqueteleira, fora o conjunto de copinhos em baixo à esquerda, o baldinho de gelo, e os copinhos à direita.

Ok! Mini-bar, check.

Agora vamos para o outro lado do rack, onde coloquei os livros de mesa (ou coffee table books).

Esses livros geralmente tem capa dura e edições caprichadas, e contém muitas ilustrações. Isso porque uma visita não vai parar para ler, por exemplo, o primeiro capítulo do seu livro preferido… a ideia é que a pessoa possa abrir numa página qualquer, folhear, e apreciar o trabalho da mesma forma.

Claro, se optar por utilizá-los, use livros cujo assunto lhe interesse bastante, afinal, estará na sua SALA, e todos verão aqueles livros.

No meu caso os eleitos foram “Art: The Definitive Visual Guide“, “New Orleans: Authentic Recipes Celebrating the Foods of the World” e “Fashion Now 2” da Taschen. Todos temas que eu me interesso: arte, culinária e viagens (New Orleans, meu lugar preferido no mundo), moda.

Vocês podem perceber que logo ali, atrás da Torre Eiffel, tem uma luz avermelhada, certo? A luz não é da Torre, nem de um abajur. Ela vem… da TV!

Trata-se do efeito Ambilight da Philips, conhecem?

Atrás da TV, há dois painéis de luzes LED, que projetam na parede as cores que estão aparecendo na tela. Por exemplo, se está vendo uma partida de futebol, sua parede ficará toda verde…. se está vendo um programa sobre o fundo do mar, sua parede ficará azul. É um movimento dinâmico muito interessante que amplia a imagem da TV.

E, se a TV está desligada, você pode muito bem deixar o Ambilight ligado, fazendo da TV uma espécie de abajur. Vejam num ambiente totalmente escuro como fica:

Você escolhe a cor do Ambilight também. Acho válido! Fica bem bonito.

Certo…. Agora para a parte inferior do rack!

Num dos cantinhos, uma lembrança de viagem:

Aposto que vocês não sabe o que isso era originalmente. Mero enfeite? Não. Talvez a foto a seguir dê uma luzinha….

Repararam que há um buraquinho nesses balões? Pois então… ali é onde você encaixa…. o canudo! Sim, esse balãozinho é vendido na frente do Casino Paris Las Vegas, no bar! Vocês não tem noção da quantidade de Piña Colada frozen que cabe aí dentro! É pra dividir com mais 2 amigos numa boa! Toda a parte de dentro é oca, muita gente acaba usando como potinho para biscoitos etc. Eu resolvi usar como decoração! O balãozinho remete ao próprio cassino:

E, do outro lado do rack, a linda mala que ganhei de presente de uma tia!

Essa mala (de madeira, muito pesada) é só pra decorar mesmo, mas é tão linda que deveriam fazer uma versão “mala de mão” dela! Adorei o padrão dela, que é revestida de couro, e combinou com tudo ali: com o vidro do rack, com a bandeja do mini-bar, até com o chão. E também remete, novamente, à ideia de viagens. Aproveitei para guardar ali dentro justamente os álbuns de fotos!

Sim, porque eu gosto de revelar fotos ainda! Estou na minoria, eu sei, mas para mim não é a mesma coisa ver fotos no PC e ver fotos num álbum legal…. Sempre tive o hábito de revelar e o mantive.

Bem, enfim, é isso! Espero que tenham gostado de como ficou o rack! A palavra de ordem era funcional, mas acredito que consegui deixar bem organizado e bonito também!

Uma foto dele por inteiro para terminar:

Abraços e até breve!

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Persiana Romana na Sala

Acredito em amor à primeira vista.

Estava eu folheando a revista Minha Casa ano passado, como costumo fazer todo mês, quando de repente, ao virar uma página, me deparo com a imagem de uma sala decorada com uma Persiana Romana. Até então, eu nem sabia da existência da mesma, nunca tinha visto persianas naquele estilo. Elas sobem em camadas, podendo ter os mais diversos tipos de materiais (desde aqueles que deixam a luz passar, até os que a bloqueiam completamente) e padronagens.

Mas o que me chamou mesmo a atenção foi o fato de que ela parecia uma espécie de painel decorativo; fora a sua função principal, ela desempenhava incrível função estética. Então, quando chegou a hora de finalmente escolher a persiana/cortina para a sala, eu sabia muito bem o modelo que queria… só faltava escolher o material e a padronagem específica!

Depois de ver aqueles livrinhos de amostras várias e várias vezes, chegamos à essa padronagem:

Ela é translúcida, mas, ainda que permita a entrada da luz, o faz de maneira bastante delicada. Dessa forma, não é preciso que ela esteja levantada o tempo todo quando quisermos que a luz entre, como seria no caso daquelas que levam o blackout por trás.

E pra ser bem sincero, acho que a persiana fica linda mesmo quando se há luz por fora! Vamos ver? Primeiro, o efeito de dia…

… e agora, à noite…

Estou in love! A qualquer hora do dia, a persiana em si tornou-se uma peça-chave na decoração, até quem vem aqui para executar um serviço gosta! Nem dá vontade de deixá-la levantada para ir à varanda… rs. Agora vejam como ela vai levantando em camadas…

… até chegar à última. Gostei muito do resultado! Espero que tenham gostado também 🙂

Abraços,

Thiago

Se você gostou desse post também vai gostar de:

Objetos de desejo: Espelhos Decorativos para Salas

Ei pessoal! Retornamos essa semana com mais um capítulo da série “Objetos de Desejo” (que já reuniu diversas opções de mesas de jantar, mesa para varandaracks, lustres e  pendentes e etc). Depois de muita procura e pesquisa, tanto na internet quanto em lojas físicas, chegou a hora de me decidir sobre um item-chave da sala de jantar: o espelho. Nesse post, reunirei então algumas das ideias que considerei ao escolher o meu espelho da sala.

Atualmente, pode-se facilmente observar que o espelho é praticamente onipresente na decoração dos ambientes, seja em revistas, lojas ou sites de decoração. Ele pode aparecer em diversos formatos e tamanhos, com diferentes acabamentos e molduras (ou até mesmo sem elas). Isso se dá, muitas vezes, pois ele contribui como forma de contornar o fato de que os apartamentos e casas estão cada vez menores; se bem utilizado, o espelho pode dar uma sensação de espaço (e conforto) que nenhum outro item traria para o ambiente.

Como as possibilidades são inúmeras, vamos primeiro falar sobre o famoso acabamento bisotado, que pode aparecer de formas diferentes. Essencialmente, ele é assim:

Para ficar claro, um exemplo de como ficaria um espelho grande com esse acabamento:

Reparem o bisotado nas bordas do espelho. Esse tipo de bisotado, de 2cm, pode ser usado com ou até mesmo sem moldura. Particularmente, eu acho que peças maiores como essas aí de cima pedem uma moldura maior que o bisotado de 2cm. Acho que valoriza mais o espelho.

Agora olhem o efeito bisotado em peças menores, creio que fica bem mais interessante:

Podem ser feitas diferentes composições com esses quadrados. Aí vai da criatividade de cada um. Temos desde painéis que vão quase do chão ao teto….

… e outros mais simples como esse.

Para peças maiores, o recomendável é mesmo moldura ou então um bisotado mais largo como esse:

Como vocês podem ver, nesse caso, o próprio acabamento bisotado funciona perfeitamente como moldura, encarecendo valorizando bastante a peça.

Temos também composições com espelhos sem o acabamento bisotado (muito vendidas em lojas como a ETNA, Leroy Merlin e Tok & Stok). Elas são práticas, muitas vezes no estilo “cole você mesmo/a”, e são boa oportunidade para exercer a criatividade.

Na ETNA uma vez vi uma dessas composições:

Num outro site, vi a seguinte composição, feita pela arquiteta Gabriela Dardis, desta vez com espelhos em formato circular:

Na ETNA e na Tok&Stok, o preço de 4 quadradinhos/bolas/hexágonos (elas vem numa caixinha) fica em torno de R$25-30. Deem uma olhada nesse link da ETNA caso tenham interesse. Assim, uma composição como a dos quadradinhos sairia por volta de R$200; já uma maior como essa dos círculos sairia por algo em torno de R$400. Geralmente é bem mais em conta que uma placa com efeito bisotado ou com moldura.

Há outros modelos sem bisotado, como esse da ETNA em forma de ondas. Estava por R$89 cada peça (na foto a composição tem 3).

Por fim, a outra opção que tinha eram os espelhos com moldura. E haja moldura! São tantas e tantas opções, com diversos tipos de materiais, uma mais linda que a outra. Geralmente, quando temos uma moldura no espelho, ele não leva o bisotado (não só porque o bisotado já é em si uma moldura, mas também porque pode ser muita informação).

Se passarem numa loja como eu fiz, preparem-se para gastar algumas horinhas, porque você provavelmente não vai conseguir decidir-se tão cedo. Até eu, que já tinha me “decidido” do que queria, acabei demorando bastante.

Agora, vou deixar para exemplificar o espelho com moldura com o meu próprio espelho (já adiantando qual tipo de espelho escolhi no fim das contas) no meu próximo post, assim que o rapaz vier colocar ele no lugar. Estou doido para ver o resultado, especialmente pra ver se ele vai atingir o propósito que eu queria!

Até breve!!

Thiago

Se você gostou desse post, leia mais sobre o uso de espelhos no blog:

Iluminação funcional do apartamento

Depois de um post das trevas (o drama dos móveis planejados...), é hora de caminhar para a luz! Na pauta de hoje, a iluminação do apartamento.

Bem, quando estamos mudando e precisamos comprar tudo, pois da casa antiga não se levará nada (filmes e livros não contam!), é preciso priorizar. No meu caso, eu sabia claramente as coisas que fazia questão de ter logo de cara no apartamento. O piso laminado era uma dessas coisas; as pastilhas de vidro como acabamento no banheiro e na cozinha seriam outro exemplo.

Quando o assunto era iluminação, achava importante colocar um pendente legal em cima da mesa de jantar, pois essa seria uma das primeiras coisas que alguém veria quando chegasse no apartamento (daí toda a dificuldade de eleger um, como relatei aqui). Mas era essencial que não fosse algo muito caro, pois o orçamento para a iluminação não era muito alto.

Nesse momento inicial, eu queria uma iluminação funcional que atendesse à minha realidade imediata (leia-se: boa, bonita, e barata). Porque olha, como nós gastamos dinheiro num apezinho! Não há nada de simples numa “simple home for two“.

Bem, primeiramente, vou mostrar o pendente,  que deu muito trabalho para escolher. E depois de bater muito pé por aí, decidimos por esse aqui:

Achei bem legal essa combinação de vidro craquelado com vidro jateado fosco; o resultado atrai atenção, e fica muito legal quando iluminado. Uma coisa que tive que atentar foi para a lâmpada, que, como podemos ver na foto abaixo, ficaria à mostra quando olhássemos para o pendente de baixo (lembrem-se que ele fica sobre a mesa de jantar).

Não gostava da ideia daquela lâmpada fluorescente aparente no lustre; mas aí descobri essa outra lâmpada interessante, em formato de globo, que esconde a lâmpada e dá um efeito legal.

Como o pendente é um globo também, caiu super bem, de forma que parece que a lâmpada faz parte do lustre em si.

Outra coisa que tivemos que pensar foi sobre o desviador. O ponto elétrico não estava centralizado sobre a mesa de jantar, então tínhamos duas opções: rasgar a parede e mudar o ponto de luz ou fazer uso de um desviador.

A decisão não foi difícil; não só o desviador seria mais prático, como acaba compondo o ambiente. Agora, vendo como ficou, eu acho que não teria tanta graça se ele fosse retão. Ou teria, não sei… mas eu tô satisfeito assim.

 

[EDIT – 2016: Uma lâmpada faz toda a diferença mesmo. Olha só o efeito super interessante que conseguimos com uma lâmpada halógena econômica, com o mesmo lustre:

[FIM DO EDIT]

Prestamos mais atenção ao pendente da sala de jantar pelo impacto estético que tem no apartamento quando se chega; mas, saindo da sala de jantar, entramos em modo de iluminação funcional. Na cozinha, colocamos luminárias de vidro jateado, onde cabem duas lâmpadas fluorescentes cada (fica bem iluminado), e, o melhor, apenas R$29 cada.

Na mesma linha, escolhemos para o corredor este plafon, no mesmo material, e com caixa de alumínio branco, que fica discreto, sem deixar de ser elegante. O preço? Apenas R$39.

Já para o banheiro, escolhemos algo um pouquinho maior, também com capacidade para duas lâmpadas (pois o ambiente precisa ser bem iluminado), mas no mesmo estilo das outras luminárias, mesmo material.

Gastei bem pouco com essas luminárias (cerca de R$130 no total, fora o pendente) mas acho que consegui deixar tudo bastante discreto e clean.

Casa sem iluminação não é casa. Agora, quando chego e olho para a sala de jantar e seu pendente, e para todo o apê iluminado, já começo a imaginar que a hora da mudança realmente se aproxima…

E mais uma do xodó pra terminar!

Abraços e até a próxima,

Thiago

Se gostou desse post, recomendo também:

O Rack da Sala

Antes de mais nada, gostaria de dar as boas vindas a todos os novos leitores! Estamos recebendo bastante gente nova aqui no blog, muito obrigado pelas visitas. E claro, você que “já é de casa”, que está retornando, bom te ver por aqui novamente. Estou adorando conversar com vocês.

Hoje daremos continuidade ao último post, onde mostrei os ‘candidatos’ à rack da sala de estar; chegou a hora de mostrar qual foi o eleito e como ele ficou na sala.

Lembrando que as palavras-chaves eram basicamente ser clean, baixo, preferencialmente branco, e com linhas retas. E com isso em mente, chegamos ao vencedor, comprado mês passado numa dessas campanhas Liquida ETNA (vale a pena esperar– os preços são realmente mais baixos, acho que é sempre em julho e janeiro), e entregue e montado semana passada.

Ele cabia perfeitamente no espaço que seria destinado para ele na sala, se encaixava exatamente no que estava procurando, e tinha um ar bem moderno. Já tinha visto-o antes na loja, mas o preço de venda era um pouco além do que pretendia pagar. Quando entrou na Liquidação, estava no outro dia na loja!

Provavelmente o grande diferencial do rack são essas gavetas com frente em vidro reflecta, que conferem um efeito semi-espelhado à superfície. Já tinha visto esse vidro em portas de closet daqueles caríssimos chiquérrimos, mas nunca em racks. É muito bonito mesmo!

Gostaria de poder dizer que o fato de que o vidro é na mesma tonalidade do sofá foi algo super planejado, mas infelizmente não posso. Só me dei conta da feliz coincidência quando um estava de frente para o outro! 😛

Outra coisa legal é que o DVD/Blu-Ray/qualquer outro aparelho fica na prateleira do lado de dentro do gavetão, não ficando à mostra. E a gente pode controlar sem precisar abrir a gaveta. Há bastante espaço no gavetão também.

Por fim, uma foto dele na sala.

É gente, quem procura acha. Olhando assim, até parece que o rack, e até o sofá, foram feitos sob medida para o espaço. Quem dera! 😉

Outro detalhe, optamos por não colocar nada no “centro” da sala por motivos óbvios. Ou talvez… nem tão óbvios assim, pois já vi muitas salas como esta onde há mesa de centro, forçando todos à passarem de ladinho para a varanda. Não acho muito legal, dá impressão de que o lugar é ainda menor! Vamos lembrar que nesses casos, menos sempre é mais!

Por hoje é só pessoal! Abraços!!!

Thiago

Se você gostou desse post, recomendo ler também:

Objetos de desejo: Rack para Sala

E aí foliões, como estão de carnaval? Espero que estejam aproveitando/relaxando bastante!

Ainda essa semana eu devo ter um tempinho de passar no apartamento para tirar umas fotos, e postar aqui como ficou o rack da sala. Mas, como sempre faço aqui no blog, eu gosto de, antes de postar o resultado final, compartilhar algumas das opções que curti nas minhas pesquisas. Foi assim com o piso, com o papel de parede, com a mesa de jantar, com a mesa da varanda. Afinal, uma das opções que descartei pode ser exatamente aquilo que você procurava para sua casa!

Bem, para o rack da sala, eu queria algo bem clean, e com linhas retas. A sala não é grande, então não pede necessariamente por algo com painel ou com muita informação. A decisão pela cor branca foi fácil, uma vez que a parede era cinza (faria um belo contraste) e outros objetos na sala de jantar (a mesa, cadeira, banquetas) são brancas também, trazendo sintonia e integrando os ambientes.

Nessas linhas, algumas das opções que mais gostei foram:

Na Tok & Stok:

Os preços desses racks na loja variam entre R$785 e R$1400, com entrega e montagem. Particularmente o que mais gostei destes foi o último.

Na Toque a Campainha, o único que considerei foi esse próximo, com o preço bem razoável de R$590, com entrega e montagem inclusas para o estado do Rio.

E por fim, na Etna, gostei muito de outros 3 racks.

Esse primeiro rack, com espaço para um pufe, é bem interessante!

Já esse segundo, até tem, na loja física, com as caixas brancas também, mas eu gostei tanto dessa combinação de madeira clara com branco que quase comprei esse no final das contas! A tonalidade da madeira combinaria perfeitamente com o tom do piso laminado. Essa era a minha primeira opção, desde que vi o rack nesse ambiente decorado na loja:

Detalhe: o piso do ambiente é o mesmo piso do meu ap, então já ficava imaginando direitinho como ficaria!

Maaas, como a vida é feita de coisas espontâneas, no dia que fui finalmente comprar o rack, estava tendo uma super liquidação, e os racks estavam todos com descontos (inclusive esse, aí de cima, que de 899,00 estava por 699,90). Mas vi um outro, lindíssimo, que já tinha namorado antes mas achava um pouco caro, por…. 699,90! Aí não pensei duas vezes!

Mas esse, vou deixar vocês um pouquinho curiosos, para mostrar só no próximo post, com ele já na minha sala, ok?! 😉

Até breve, bom carnaval!

Thiago.

Não se esqueça de conferir o rack escolhido aqui:

Sofá Retrátil com Chaise

Andei tanto por aí atrás de sofá, que quando sentava neles para testá-los, eu nem queria levantar de tão cansado. Não demorou muito para perceber que os sofás mais confortáveis estavam nas lojas de shopping de móveis: aqui no Rio, recomendo visitar o Rio Design, o Norte Design e o Carioca Design, que tem preços mais em conta que em lugares como Rio Decor ou Casa Shopping, por exemplo. Mesma qualidade, produto mais barato. Tô dentro.

O sofá que escolhi estava numa promoção fantástica na loja Rigaan Design, era a única peça disponível e estava em exposição na loja. A ideia de ter um sofá de mostruário não era a mais legal para mim, mas depois de cuidadosa inspeção, vi que a peça estava perfeita. Me convenci!

Vamos a fotos e comentários, então.

Aí está ele! Podem notar que ocupa praticamente o espaço da parede inteiro. Era a intenção. Dizem que ele é um “dois lugares”, mas cabem 4 pessoas fácil fácil ali. E gente, é MUITO confortável. Essas almofadas que ele tem são um espetáculo.

E quando a chaise está aberta assim então, é daquele tipo “não levanto mais daqui, socorro!”. A loja ainda deu esses brindes legais…

Acho bem bonitos esses porta-copos para colocar no braço do sofá.

Como nada é perfeito, houve um probleminha. O sofá precisou ser carregado escada acima (meu apê é lááá no alto), pois não coube no elevador. E depois que entregaram, notei que tinham alguns pequenos furinhos no estofado. Aaaah rapaz, que raiva!!! Liguei imediatamente para a Rigaan, e expliquei que mesmo sendo de mostruário, teriam que dar um jeito, porque, afinal, o sofá não estava assim quando o comprei.  Vamos ver como vai ficar… eu digo depois por aqui. Pena, porque podia ser mais uma coisa resolvida, que agora ainda estará em pendência.

(nota posterior: A Rigaan se prontificou a ‘consertar’ o problema, o sofá ficou ok!)

Até a próxima, pessoal!

Thiago

Se você gostou desse post, recomendo também: