Um até breve… :)

Há exatos 6 anos, dia 10 de setembro de 2011, eu publicava meu primeiro post aqui no blog. Eu estava para receber as chaves do apartamento, que estavam super atrasadas; viria a recebê-las finalmente em dezembro daquele ano. Naquela época, mais que tudo, o blog foi uma forma que encontrei de lidar com todo o estresse relacionado ao que parecia ser uma infindável espera pelas chaves, devido aos constantes atrasos da construtora. Eu precisava externalizar aquilo.  Então no início, esse espaço foi uma oportunidade de encontrar outras pessoas que estavam passando por isso (e elas aparecem até hoje!) e falar sobre o assunto. Bem terapia mesmo.

Para lidar com minha própria ansiedade, foquei na parte boa de se aguardar a entrega das chaves: poder planejar e pesquisar com calma, navegando entre o mar de referências e opções que se fazem disponíveis na internet, até chegar no nosso ponto de partida ideal (e dali, alçar voo; afinal, nossa casa, nossas regras). E então, comecei também a falar sobre algumas ideias e decisões que já tinha em mente para o apartamento. E isso sempre foi muito legal.

  • uma foto que esperei literalmente anos para poder tirar – pés descalços sobre meu tão sonhado durafloor carvalho dover, revestindo todo meu sonhado apê

 

Mas a reforma completa de um ‘simples’ apartamento de 50m2 não tem nada de simples. Dar vida a ele (que é como transformar uma tela inteiramente branca em uma pintura que faça sentido para você) é tarefa complicada e requer paciência. Por mais delicioso que seja decorar seu lar do jeito que você sempre quis, as coisas tendem a não sair exatamente do jeito que você pensava inicialmente. E ao consertar-se um problema, sempre aparecem dois.

Mas a gente persiste. Foi legal passar por isso tendo a oportunidade de compartilhar tudo com outras pessoas (muito mais do que jamais poderia imaginar: o blog já foi visitado mais de 3.5 milhões de vezes desde o seu início) que estão passando pela mesma situação, ou que passarão em breve. É bom ouvir – ler, sim, mas de certa forma é como se eu ouvisse mesmo – palavras de incentivo quando se está louco porque apareceu uma infiltração depois que o apartamento já estava pintado. E é muito bom ver que as pessoas não só estão gostando de suas ideias e soluções, mas também estão aproveitando-as para seus próprios lares. Essa troca sempre foi a melhor coisa.

minha salinha de estar. cada detalhe, um post. uma história. O sofá; a persiana romana; o rack e sua decoração; os módulos superiores e seus adesivos; a paleta de cores.

 

a entrada do apê: a porta, as cores das paredes, o espelho, a mesa, as cadeiras, o pendente, o arranjo de centro de mesa, o papel de parede, a adega… num pequeno espaço, tantas decisões. tantos posts. tantas histórias. 

Mas agora, pelo menos por um tempo e passados esses 6 anos de blog, sinto que minha missão está, de certa forma, cumprida por aqui. Falei sobre o que eu precisava, e também sobre o que eu queria falar. Entendi, assim, que era a hora de fechar esse ciclo.

Não digo de forma alguma que este é “o” fim (até porque o blog continuará sempre aqui, aberto a novos comentários, e pretendo respondê-los sempre que possível! 🙂 , mas esse é sim o fim de um ciclo: um ciclo lindo, rico, e simplesmente inesquecível!

 

 

me faz tão feliz ver tudo, finalmente, no lugar 🙂 

Foi dentro do meu apartamento que me tornei um adulto de verdade, e dentro desse espaço aqui, que é como uma realidade virtual do meu apartamento, cresci e aprendi muito também. Levo todas as experiências comigo. Agradeço cada mensagem, cada palavra de cada leitor ou leitora que passou por aqui durante essa jornada. Vocês foram simplesmente incríveis e me deram muita força e incentivo.

Fico sempre muito feliz quando ouço que o blog está, ainda hoje, depois de tantos anos, ajudando alguém que está passando por algo parecido com o que eu vivi em um determinado momento. Um legado virtual que me deixa muito orgulhoso.

E espero que assim continue por muito tempo, mostrando que mais que dinheiro na conta, é a vontade de fazer de um pequeno apartamento o seu lugar favorito no mundo o que mais importa no fim das contas.

Um abraço forte e meu muito, muito, MUITO obrigado!

Até breve… 🙂

Thiago S.

 

jardim vertical – foto que se tornou uma queridinha do PinInterest 😉

 

Anúncios

Direto do Jardim: Espada de S. Jorge trançada

Passando rapidamente para mostrar a vocês como está a configuração atual do meu cantinho preferido do apê: a varanda, claro! Para o lado da jardineira, trouxe essas espadas de S. Jorge trançadas, que são super resistentes ao sol e conferem um visual lindo, bem agradável a qualquer ambiente (elas podem ser usadas também em ambientes internos, sem problemas).

Do outro lado, meu querido jardim vertical continua bem verde apesar do inverno; as heras, o aspargo rabo de gato, a renda portuguesa e a pata de elefante se adaptam bem à estação e permanecem exuberantes, como vocês podem ver abaixo:

hello, winter 💙

A post shared by ⚜️ Thiago (@thisardenberg) on

As estações podem mudar, mas se tem uma coisa que não muda, é meu amor por esses 3,5 metros quadrados 🙂

Às vezes só o que preciso é de um café na minha varandinha 💚 Bom dia, pessoal.

A post shared by a saga do apartamento (@asagadoapartamento) on

Então nada de reclamar de falta de espaço, hein? Qualquer cantinho pode sempre virar “o” cantinho perfeito, por menor que seja. Esse sempre foi e continua sendo o lema do blog!

Abraços!

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Dando Vida ao Jardim Vertical: Plantas Naturais na Decoração

Minha varanda, com seus impressionantes 3m2, acabou tornou-se um xodó aqui em casa após a entrada do Jardim Vertical. É realmente incrível como as plantas podem mudar completamente a dinâmica de um ambiente, por menor que seja. Desde então, eu aprendi na prática um pouco sobre diversos tipos de plantas no que convivia com elas e observava suas necessidades.

Esse post é, ao mesmo tempo, uma resposta a vários leitores que pediam justamente dicas sobre que plantas eu recomendava, assim como também é uma sequência do post anterior, onde eu focava em plantas permanentes, ou semi-artificiais, na decoração de interiores.

No post presente me proponho a falar sobre minha experiência pessoal com diferentes plantas naturais na floreira da varanda, dadas as condições de clima um pouco “adversas” da mesma, que eu vou mostrar já já. E tem plantas naturais na decoração do interior, também!

Vamos lá?

Vamos começar de cara começar com um “antes” e “agora” do jardim vertical da varanda, pois vai mostrar claramente como o mesmo evoluiu nesses 3 anos (e como eu fui entendendo melhor o que eu queria daquele espacinho).

Então eis aqui o antes, foto que eu publiquei no blog originalmente em 2013 (e desde então virou queridinha no Pin Interest ❤ )

varanda pequena decorada

Nessa época, eu ainda não tinha ar condicionado na sala; assim, a condensadora ainda não estava presente ali embaixo da floreira, onde estava a mesa. Quando eu coloquei o split na sala, a mesa e cadeiras tiveram que ir para a outra ponta da varanda, e, em cima da condensadora, foram colocados alguns potes de plantas, como forma de disfarçar a presença do trambolho ali e, de certa forma, ampliar o jardim.

Bem, como vocês podem ver na foto acima, eu tinha decorado a floreira com vasos de plantas floridas, o que dava de fato um colorido muito bonito, mas era uma beleza efêmera: a maioria das plantinhas com flores durava 1 semana, 2 no máximo. Vou falar sobre essas também, mais adiante.

Mas antes, vamos olhar para o agora:

jardim vertical verde

jardim vertical varanda

Beeeem diferente, não?! Em primeiro lugar, vocês podem ver que o verde é predominante na floreira; e as plantas não mais ficam mais restritas dentro de seus cachepôs. É uma estética mais próxima a que descrevo nesse post aqui, quando falei sobre a arquitetura e decoração de Nova Orleans, para onde viajei no início desse ano. E é intencional.

Ora, eu tinha em mãos um jardim vertical – e foi justamente disso que decidi tirar vantagem! Essa nova configuração aproveita ao máximo a verticalização do jardim, de forma que as plantas crescem para cima ou para baixo e cobrem, assim, grande parte da floreira. A escolha das plantas foi fundamental nesse caso, com esse propósito. Os ramos das heras, como vocês podem observar na parte direita da foto acima, chegam a mais de 1 metro de altura!

Eu mencionei antes as “condições adversas” da varanda, certo? Pois bem, o mesmo não tem a ver com o sol, na verdade; minha varanda pega apenas o sol da manhã, o que é ótimo, e antes do meio dia as plantas já estão na sombra. O que complica mesmo, no meu caso, é o fato de que a condensadora do ar condicionado fica embaixo da floreira. Então, quando o ar condicionado está ligado na sala, durante o verão, a varanda fica bem quente, naturalmente. O verão do Rio já tem temperaturas elevadas, e, se adicionarmos a condensadora do ar jogando ar quente na varanda… já viu. Muitas plantas não suportam temperaturas tão altas, e as floridas são as primeiras a sentir tal efeito. (Em compensação: a condensadora na varanda é fantástica pra secar roupas, é tipo 2 em 1 – ar condicionado e secadora! ;)

Algumas das plantas que mais deram certo pra mim – pelo fato de que resistiram bem à essas condições específicas e também me agradaram muito por sua beleza, foram:

  • aspargo rabo-de-gato;

aspargo rabo de gato

Se vocês olharem novamente a foto original da floreira, lá está o aspargo rabo-de-gato, que continua até hoje, firme e forte, anos a fio, dando o ar de sua graça aqui!

E em certas épocas do ano, o aspargo dá essas mini-florzinhas brancas, que são lindíssimas. É muito legal poder observar o ciclo completo de uma planta durante o ano! Você se relaciona com as plantas de uma maneira diferente.

Adoro esses aspargos e, se plantados no chão, eles se espalham muito facilmente.

  • heras-inglesas (ou heras-estrelas);

mini heras

Virei fã das heras; algumas estão comigo há mais de um ano, e elas cresceram bastante; como disse antes, alguns ramos já tem mais de 1 metro!

jardim vertical

 

  • pata de elefante;

pata de elefante decoração

Outra planta bastante resistente, a pata de elefante não precisa de rega diária e pode chegar a tamanhos enormes. Como essa está dentro de um pequeno vaso, ela não crescerá muito, mas tem uma forma muito específica e bela.

A minha, já está comigo há mais de 1 ano.

  • ficus benjamina;

Apaixonei-me pela ficus benjamina através de uma árvore semi-artificial (não sabe o que é uma árvore “semi-artificial”? leia aqui), que está decorando minha sala:

DCIM154GOPRO

Então quando achei uma ficus natural no horto perto de casa, não hesitei em trazer a arvorezinha pra minha varanda também. Fora a floração intensa, outra coisa que gosto muito sobre ela é seu tronco e seus galhos, muito bonitos!

Inclusive reutilizei alguns dos seus galhos secos num arranjo no centro de mesa:

Ah, e quanto à árvore semi-artificial, ela continua na sala. Acredito que plantas permanentes desempenhem um papel importante em certos lugares onde as condições não são favoráveis à plantas naturais. Há espaço e oportunidades para que plantas naturais e permanentes convivam num mesmo lar, dependendo das necessidades de cada ambiente.

  • jibóia;

Acho muito legal, também, tentar incorporar plantas naturais na decoração de interiores. As plantas renovam o ar, conferem leveza e claro, trazem um colorido todo especial ao ambiente.

 

cozinha-verde

Entretanto, muitas plantas não se adaptam ao ambiente interno, o que acaba nos levando a dar preferência às plantas permanentes.

Ainda assim, uma planta natural que deu super certo dentro de casa foi a jiboia verde, uma trepadeira que coloquei em cima da prateleira do balcão da cozinha americana, a exemplo da foto anterior.

jiboia verde decoração

A jiboia se adapta bem à ambientes sem incidência direta do sol, mas gosta de luminosidade. E outra coisa boa: ela é uma das melhores plantas para melhorar a qualidade do ar!

Acredito que vá ficar linda quando crescer ainda mais, como uma cortina entre a cozinha e a sala.

 

Bem, agora vamos nos voltar às plantas floridas, mais recomendadas para temperaturas um pouco mais amenas.

  • kalanchoe

A kalanchoe é uma plantinha bastante fácil de encontrar, barata, e que tem floração bem densa; em alguns casos, as flores podem ser até de cores distintas entre si.

kalanchoe rosa

Como podem ver, não são flores grandes, são bem pequenas, mas sempre em quantidade, causando um efeito bem bonito.

Se vocês voltarem na primeira foto do post, também poderão ver uma kalanchoe vermelha na configuração original da floreira.

  • lavandas

flor lavanda

Depois que eu visitei o Le Jardin – Parque de Lavandas em Gramado, na Serra Gaúcha, eu fiquei completamente fascinado pelas lavandas; não só pela beleza das flores como também pelo seu aroma incrível.

Em comum com a kalanchoe, vocês podem perceber o fato de que suas flores não são grandes, o que promove uma durabilidade e resistência maior às mesmas.

  • Gerberas;

Quando falamos de flores maiores, tive experiências positivas com a gerbera, tive algumas muito bonitas, mas apenas quando o clima está mais ameno, durante o outono e/ou inverno, e quando eu não tenho necessidade de usar o ar condicionado.

gerbera

Ter em um apartamento um jardim como esse vale cada centímetro investido: você pode chegar do trabalho cansado, mas há algo quase mágico ali que te relaxa, que tem um efeito calmante. Tomar um café na varanda é uma das coisas do dia-a-dia que mais gosto de fazer.

E é sempre um ótimo lugar pras fotos…

…pra todos! rs

 

Abraços,

Thiago S.

 

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

 

Viajar é Se Inspirar: Serra Gaúcha | Jardim Vertical: Floreira para Varanda

Passei meu recesso de julho do jeito que eu mais gosto: curtindo um inverno de verdade. Fui conhecer a Serra Gaúcha, coisa que sempre quis fazer, e visitei algumas vinícolas, comi fondue e chocolate artesanal, conheci museus. Fiquei hospedado em Gramado e, talvez o que tenha me chamado mais atenção na cidade, foi o fato de que ela parece um grande, enorme jardim à céu aberto: em cada canto que você olha, é possível notar que há um enorme cuidado com paisagismo, e o mesmo é integralmente preservado pelos moradores. Sim, é uma cidade turística; mas não falo somente de praças, jardins e bosques: falo também de ruas, de esquinas; da frente de lojas, de sacadas; enfim, de pequenos detalhes que enriquecem a experiência como um todo. Aqui vão algumas fotos que tirei durante a viagem, de coisas que me inspiraram…

cerejeira gramado RS

jardins de gramado

le jardin gramado RS

carrinho de mão com flores E esses são apenas alguns dos belos detalhes que encontrei nessa cidade realmente encantadora! Mas a razão pela qual falo dessa experiência é porque há muito tempo venho tentando integrar alguma espécie de jardim ao meu apartamento. Só que, dispondo de tão pouco espaço, sabemos que é um pouco complicado. Acabei deixando a ideia engavetada… até viajar para Gramado. Gramado me contagiou com seu inverno vibrante – cheio de cores e flores e beleza em meio a um frio cortante que chegou a -1°C (então imagina como deve ser na primavera!!). Saí de Gramado, mas quis trazer um pouco de Gramado comigo, um pouco da ‘filosofia’, estética do lugar. Precisava de algo vivo e vibrante no meu apartamento, e era pra ontem. Então comecei a checar minhas possibilidades, e cheguei a conclusão que na minha mini-varanda, onde já há uma mesinha alta e duas banquetas, a única forma de abrigar um ‘mini-jardim’ seria verticalmente. Vi algumas possibilidades, na internet, como estas:

vasos como jardim vertical

jardim de inverno em casa

JARDIM na grade

E aí fui atrás de algo que juntasse o que gostei de cada uma dessas ideias: algum tipo de painel de madeira ou floreira, como fundo; e algo um pouco mais ordenado, com vasos e/ou cachepôs como nas fotos 1 e 3. Foi assim que cheguei na floreira de madeira da Entalharte, que comprei através do site Cedro Rosa (recomendo; atendimento atencioso e entrega rápida).  Comprei duas floreiras, pois queria preencher toda a parede da varanda e formar uma espécie de painel. Vamos ver como ficou:

varanda pequena decorada Como fiquei feliz em ver esse monte de verde, cor e vida na varanda! Gostei muito de como ficou, deu outro ar para a varanda, sem falar que não ocupa espaço nenhum! Logo depois que as floreiras estavam montadas, fui atrás de alguns vasinhos de plantas e flores para colocar nos cachepôs… primeira vez fazendo isso! Achei divertido! Deu vontade de comprar tudo. A propósito, cada floreira vem com 3 cachepôs:

cachepos de madeira entalharte

E aí você decide em que posição irá colocá-los no painel. Para dentro dos cachepôs, procurei ser variado, trazendo lavanda (influência direta do Le Jardin de Gramado), pé de pimenta e alecrim, kalanchoe, aspargo-pluma e outros, priorizando aquelas que me disseram durar mais.

E se alguém aí entende de plantas, por favor, pooodem me dar dicas dos tipos que vocês recomendam, ok? Como cuidar, como podar… sou todo ‘ouvidos’! Vou precisar! Bem, por enquanto é isso querid@s, tô feliz de finalmente ter meu jardim vertical e um pouco a mais de vida no apê. Que acharam?

Abraços e até breve!

Thiago S.

O blog no Instagram @asagadoapartamento

O blogueiro no Instagram @thisardenberg

 

Se você gostou desse post, também vai gostar de: