Retoques na Pintura das Paredes: Erros e Acertos

Drama du jour:

“É errando que se aprende”. Pura verdade. Mas como “quem avisa amigo é”, a gente também sempre pode aprender um pouco com os erros dos outros, né? Vou falar hoje sobre os retoques na pintura das paredes, e algumas soluções criativas para minimizar os probleminhas que tive.

Primeiramente, ninguém me disse que retocar pintura era tão difícil. Será que as pessoas acham que esse conhecimento já vem conosco de nascença, que faz parte do inconsciente coletivo? Só pode ser, porque falei para várias pessoas sobre o fato de que faria alguns retoques e ninguém me avisou dos riscos. Que mesmo usando a mesma tinta, da mesma lata, pouco tempo depois, poderia dar diferença.

Haviam ficado faltando poucas coisas na pintura do apartamento. O último dia em que vi o meu ex-pintor Márcio, ele tinha ficado de voltar para fazer retoques em geral (em volta das tomadas que ainda não haviam sido instaladas; retocar pintura que eventualmente pudesse ser danificada com as obras etc.) Pois bem, depois que eu paguei a ele, nunca mais vi o mesmo, ele só me enrolou e enrolou. Até que parou de me atender.

(fica a dica: nunca pague tudo antes de o serviço completo estar terminado. Se eu tivesse deixado para dar 50 reais que fossem pra ele quando voltasse para fazer os ‘retoques’, aposto que teria sido muito mais fácil.)

Enfim, contratei outra pessoa para realizar o servicinho. Não achei que fosse ser tarefa complicada, pois tinha todo o material que o pintor havia usado. Ingênuo.

A primeira tarefa era pintar o espacinho que ficou sobrando em cima do papel de parede, como podem ver na evolução dessa foto:

Originalmente, esse espacinho de parede não teria nada, como se vê na foto 1. Mas acabou que sobrou um pedaço do papel de parede, que cabia magicamente ali. E o papel era lindo demais para desperdiçar! O problema era que ele não ia até o chão.

Aí tive a ideia de começar o papel de parede não do teto, mas sim um pouco abaixo, como podem ver na foto 2, e, futuramente, cobrir o pedaço restante com a tinta cinza (foto 3), de forma que parecesse que esse era o plano original desde sempre. Até aí tudo bem, não houve grande problema (deu uma diferença na cor, mas quase imperceptível).

O problema começou mesmo quando os retoques precisaram ser feitos por cima da pintura já existente.

Olhem bem essa foto.

Na verdade, nem precisam olhar bem para perceber que toda a área em volta do interruptor, que precisava ser retocada, ficou diferente né. A princípio, eu dei uma surtada quando comecei a perceber que esse tipo de coisa havia acontecido em algumas partes da casa. Pensei, “F&%%@#, vou ter que repintar tudo!”. Mas, no mesmo momento, ainda com o rapaz trabalhando, me forcei a pensar em estratégias não tão radicais para contornar o problema.

E aí, sempre com aquela ideia de que um grande problema pode acabar te dando uma ideia interessante (que você não teria tido de outra forma), lembrei de Friends.

Sim, a série de TV.

Estou falando daquela moldura tão famosa que eles usavam na porta, em volta do olho mágico, lembram?

Isso me lembrou que, hoje em dia, ainda vemos nas revistas de decoração que qualquer coisa pode ser emoldurada – até mesmo o nada (molduras vazias estão super em alta!)

Então peguei um porta-retrato, tirei o fundo dele, e coloquei, só para testar, a moldura em volta do interruptor.

Voilà! Não dava pra perceber mais a diferença! Era cinza fora, cinza dentro, mas não dava pra ver que eram cinzas diferentes rsrs….

No outro dia saí a procura do meu kit moldura:

Não queria pregar a moldura na parede, acho que nesse caso ficaria mais bonito se a moldura estivesse de fato ‘colada’ na parede. Foi assim que, pesquisando na internet, cheguei à fita dupla face para quadros Fixa Forte da 3M (foto acima)São uns quadradinhos dupla face que seguram (bem!) um quadro ou moldura na parede. Claro que se for algo muito pesado, é bom que esteja realmente fixo através do modo tradicional; mas, nesse caso, como era algo bem leve, a dupla face caiu como uma luva.

Já para a moldura em si, passei numa loja de quadros, comprei um porta-retrato com uma moldura branca bonita (achei que faria um contraste legal com o cinza da parede), e depois tirei o vidro, a parte de madeira e o gancho para pendurar na parede. O resultado?

Honestamente? Adorei! Se a meleca da pintura estivesse perfeita, a sala não teria ganho esse detalhe notável.

Ok, menos um problema. Vamos passar então para o problema com a tinta BRANCA. Sim, porque até a tinta branca deu diferença. Impressionante. O rapaz foi retocar algumas falhas causadas por mudanças e etc. e olha como ficou…

Essa primeira foto fica próxima da impressão que tínhamos quando olhávamos para a parede sob incidência da luz. Dava claramente para ver o que estava diferente. E o pior, ele foi retocando tudo né, quarto, sala, e só depois que percebemos que quando batia luz dava diferença. Outro momento TENSO.

Essa parede das fotos, resolvi abstrair, pois o armário esconderá completamente. Resolvo quando pintar o apê de novo, um belo dia. Mas e na sala… no corredor…. onde dá pra ver, abaixo dos quadros, logo que se entra no apartamento?

Não podia ficar daquele jeito. Então pintou uma ideia, que imediatamente sugeri ao ‘pintor’. Primeiro vou mostrar o resultado!

Então, mataram a charada? Se repararem bem, podem notar que há uma ‘faixa’ cortando a parede  logo abaixo dos quadros. Pois bem, novamente, minha ideia foi a de que tudo deveria parecer proposital. Então pedi para ele pintar uma faixa larga, de uns 80 cm, na parede toda. A diferença é bastante sutil, e só pode ser vista de dia. Mas, se alguém de fato notar, pode achar que está assim porque essa era a intenção, como que para brincar com diferentes nuances da mesma cor, entendeu?

Escondeu as pinceladas aleatórias completamente. Fiquei feliz com a ideia. Me ocorreu depois que o pintor deveria ter sugerido algo do tipo, talvez. Ele não é o profissional?

Enfim… acho que é isso. Alguns detalhes não ficaram perfeitos, mas acho que também acabamos focando em detalhes que nem a visita chata observadora seria capaz de perceber. Às vezes temos que relaxar um pouco!

No fim das contas, acho que consegui minimizar bastante os problemas e ainda ganhei um up na decoração. E bola pra frente!

Abraços!

Thiago S.

Se você gostou desse post, também vai gostar de:

Anúncios

Sobre espelhos e molduras

Enquanto o drama dos móveis planejados continua na mesma enrolação de sempre (Fujam da New!), eu vou colocando aos poucos as outras coisas no lugar. Mas só de pensar que ainda vai ter gente cortando madeira aqui (e consequentemente toda aquela poeirada), agora que já comecei com o processo de decoração… me dá arrepios. Mas enfim, vamos deixar pra falar novamente da New Móveis Planejados oportunamente. Aguardem, pois cenas dos próximos capítulos serão emocionantes.

Deixando esse papo chato para lá,  vamos falar sobre o espelho que coloquei na sala de jantar, algo muito mais interessante. Como disse anteriormente no blog, já vinha pensando nele há muito tempo, uma vez que as possibilidades são inúmeras. Quem estiver interessado em diferentes tipos e usos de espelhos em salas, recomendo dar uma olhada também no post anterior, onde compartilhei algumas ideias.

Deixei para falar no post de hoje sobre os espelhos com molduras, já que escolhi um desses para minha sala de jantar. Há molduras de todos os tipos, estilos, cores, tamanhos, materiais. Escolher não é tarefa fácil.

Vamos então, primeiro, à alguns ambientes legais que encontrei na net que fazem uso do espelho com molduras.

Interessante essa proposta de espelho inclinado na parede; reparem também que a moldura está de acordo com a mobília do ambiente. Não precisa ser exatamente igual (até porque seria difícil encontrar), mas é bom que eles estejam em harmonia.

A não ser, claro, que você, propositalmente, utilize a moldura do espelho para quebrar a monocromia/monotonia do seu ambiente. Imaginem uma moldura dessas num ambiente todo branco, com móveis brancos… ou com uma cor neutra qualquer.

Com certeza valorizaria bastante o ambiente, certo? Então é preciso sempre ter em mente qual o seu propósito: harmonizar ou contrastar.

Temos molduras nos mais diferentes materiais, como essa de pastilhas de chifre (!) da Ambientare…

… ou essa em ferro da Efeitos Brasil…

… ou molduras de madeira como estas.

Em madeira, as opções são muitas!

Esses são apenas alguns exemplos de molduras do Rei dos Quadros, loja onde comprei meu espelho. Todas são bonitas… cabe somente à nós julgar qual cairá como uma luva naquele espaço do nosso ambiente.

Então, depois desse apanhado, sem mais rodeios, vamos ver o espelho/moldura que escolhi, para depois explicar por que escolhi esse modelo em especial!

Está aí o espelhão! A principal razão pela qual escolhi esse espelho, nesse formato específico, foi para dar a impressão de que ali há uma “janela“, uma abertura para um outro ambiente, entenderam? Se você olha de relance, é essa a impressão que dá!

A posição dele, centralizado na parede e acima da mesa de jantar, é interessante pois acaba valorizando ainda mais o papel de parede, que é expandido (como podem ver na foto), e ganha-se um “novo” ponto de luz, com a duplicação do pendente.

Agora, o detalhe da moldura.


Pensei muito sobre a cor. Na minha mente, tinha 3 possibilidades: branco, cinza (pois combinaria com as cadeiras da mesa, paredes, e com alguns detalhes do papel de parede) ou até madeira (combinando com o sofá, e talvez com o piso).

Acabei decidindo pela moldura branca pois achei que não deixava o ambiente pesado, ajudava na sensação de amplitude e mantinha o ar clean que eu tanto queria conferir à sala.

Depois de escolhida a cor, hora de escolher o tipo de moldura: Lisa, ou trabalhada (naquela foto das molduras acima, há alguns exemplos de molduras brancas que vi). Não queria nada extravagante, mas achei também que uma moldura toda lisa fosse ficar um pouco apagada ali. Então resolvi escolher essa moldura, com vários e vários quadradinhos, todos trabalhados com riscos em alto relevo. Ele se destaca da parede, mas não é uma diferença óbvia, que foi feita só para chamar atenção.

Outro fator decisivo para a escolha dessa moldura foi o fato de que ela vai ecoar outro ítem decorativo muito importante que ainda vou colocar na minha sala! Não vou falar o que é agora (suspense…), mas em breve vou explicar direitinho do que se trata.

Para finalizar, uma foto de como está a sala de jantar com ele….

E aí, gostaram? Fiquei super satisfeito com o resultado 🙂

Abraços, e até a próxima!

Thiago S.

 

Se você gostou desse post, recomendo também: